iPhone no Brasil

Parece que o iPhone está invadindo o Brasil. Não há acordos comerciais entre Apple e AT&T que segurem o desejo das pessoas por objetos de desejo. E cá entre nós, o iPhone é um objeto de desejo responsa.

Já vi alguém ostentando um em um restaurante, outro de um amigo arquiteto que comprou nos EUA e mandou desbloquear por R$200.

E hoje mesmo no trabalho um aficionado me mostrou seu novo iPhone de 8GB que comprou por US$299 e desbloqueou sozinho com um certo software chamado anySIM. Contou que há alguns métodos de desbloqueio, todos gratuitos. Há também um tipo de serviço pago que garante desbloquear sempre que houverem atualizações de firmware.

Na hora do almoço flagrei uma colega nada geek saindo do elevador com um iPhone na mão. Certeza que foi o marido geek dela que desbloqueou.

Não é a toa que o primeiro presidente da IBM — Thomas Watson — já dizia “Good Design is Good Business” incentivando edifícios com boa arquitetura etc. A Apple investiu todas as suas fichas em usabilidade e produtos muitíssimo bem acabados e conquistou o mundo.

Semanas atrás foi anunciado que a Apple atingiu um valor de mercado maior que a própria IBM.

Tourism in Croatia

Some relatives just came back from a trip in Portugal and Croatia.

About Croatia, they said was impressive and unexpected. Cities are wonderful, beaches are great and people are beautiful. Everybody speaks Italian and English as second languages.

Croatia in the map.

The say the best trip is to rent a car in Italy and drive south-east through the shore into Croatia.

Sorveteria Frutos do Cerrado em Goiânia

Depois você me diz se isso é uma dica quente ou bem gelada.

Passando por Goiânia, não deixe de visitar a Sorveteria Frutos do Cerrado. Começaram fazendo picolés caseiros de frutas da região e acabou virando uma cadeia de lojas.

O sorvete é excelente, feito com muita polpa da fruta. O de graviola foi o mais lotado de graviola que já provei. Há também o de gabiroba, pequi, buriti, jaca, cajá com sal e outras frutas que nunca ouvi falar. Provei também um Romeu e Julieta feito com queijo mesmo. Bem interessante.

Ainda bem que vi a sorveteria em um dia e fui conhecer só no outro, preparando-me com um jejum de almoço a fim de traçar uns 8 picolés. A sorveteria é mesmo um ponto turístico.

Além do mais, Goiânia está muito bonita. Flamboyants frondosos e floridos disputam espaço com centenas de mangueiras carregadíssimas. O povo é aberto e simpático e as mulheres são lindas e de tirar o fôlego.

Vale uma visita, principalmente se você for solteiro.

NO Gimp, YES Picasa

While all Linux blogs are talking about new Gimp 2.4, I’m very happy with Picasa.

Yes, I know they have different purposes but Picasa does everything I need with my photos. It is intuitive, powerful, extremely easy to use, fast and nice.

You may say F-Spot is the OSS equivalent but I couldn’t spend more than 15 minutes using it before giving up.

Thanks to Picasa, my last trip photos are really shining, much more than previous Kuickshow+Gimp combination of tools, much faster too.

And did I mention they also provide a Linux version for Picasa ?

Gartner’s top 10 strategic technologies for 2008

The following is a copy-paste from an e-mail circulating internaly. The content is probably some place on the web, just don’t know where.

  1. Green IT
    This one is taking on a bigger role for many reasons, including an increased awareness of environmental danger; concern about power bills; regulatory requirements; government procurement rules; and a sense that corporations should embrace social responsibility.
    Chip designers have realized that lowering per-core performance by 20% actually cuts power usage in half, so adding cores can improve chip performance and efficiency, Claunch said. But IT is still responsible for 2% of all carbon releases, and it’s coming from many sources. “Fast memory is getting to be a surprisingly high energy consuming item,” Claunch said.
    One of the next steps is taking the power-saving features of mobile devices such as phones and laptops and bringing them to more computing platforms. “We’ve been confronting the power problem on mobile devices for a long time because of those pesky batteries,” he said. “We can take those learnings and put them into servers. In the future, we’ll have servers that will go to sleep if they’re not being used.”
  2. Unified Communications (UC)
    UC functionality is drawing from five core markets: voicemail, PBXs, e-mail and calendaring, IM, and conferencing and collaboration. The key trends are communications becoming IP-based, analog systems switching to digital, and growing integration among voice, network, storage, sensors and video technologies.
    “In a world in which all the information is digital and carried on IP, the opportunity and advantages of carrying it on a unified infrastructure are becoming obvious,” the analysts stated in a slideshow presentation. “Organizational issues must be addressed to take advantage of this unification, because responsibilities and budgets are so often fragmented among groups such as building maintenance, voice communications, data communications and storage administration.”
  3. Business Process Management
    BPM is more of a business discipline than a technology, but is necessary to make sure the technology of service-oriented architectures (SOA) deliver business value, Cearley said. It’s also important for dealing with laws like Sarbanes-Oxley that require business to define processes, he said.
    “SOA and BPM have common objectives,” Cearley said. “They’re both focused on driving agility, driving business process improvement, flexibility and adaptability within the organization. SOA is a key mechanism that makes BPM easier.”
  4. Metadata Management
    Metadata is the foundation for information infrastructure and is found throughout your IT systems: in service registries and repositories, Web semantics, configuration management databases (CMDB), business service registries and in application development.
    “Metadata is not just about information management,” Cearley said. “You need to look beyond that. Metadata is everywhere.”
  5. Virtualization 2.0
    “Virtualization 2.0” goes beyond consolidation. It simplifies the installation and movement of applications, makes it easy to move work from one machine to another, and allows changes to be made without impacting other IT systems, which tend to be rigid and interlinked, Claunch said.
    There are also disaster recovery benefits, since the technology lets you restack virtual systems in different orders in recovery centers, providing more flexibility. “Virtualization is a key enabling technology because it provides so many values,” Claunch said. “Frankly it’s the Swiss Army knife of our toolkit in IT today.”
  6. Mashups & Composite Applications
    Mashups, a Web technology that combines content from multiple sources, has gone from being a virtual unknown among IT executives to being an important piece of enterprise IT systems. “Only like 18 months ago, very few people (knew what a mashup was),” Cearley said. “It’s been an enormous evolution of the market.”
    U.S. Army intelligence agents are using mashups for situational awareness by bringing intelligence applications together. Enterprises can use mashups to merge the capabilities of complementary applications, but don’t go too far.
    “Examine the application backlog for potential relief via mashups,” the analysts stated in their slideshow. “Investigate power users’ needs but be realistic about their capabilities to use mashups.”
  7. Web Platform & WOA
    Web-oriented architecture, a version of SOA geared toward Web applications, is part of a trend in which the number of IT functions being delivered as a service is greatly expanding. Beyond the well-known software-as-a-service, Cearley said over time everything could be delivered as a service, including storage and other basic infrastructure needs.
    “This really is a long-term model that we see evolving from a lot of different parts of the market,” Cearley said. It’s time for IT executives to put this on their radar screens and conduct some “what-if” scenarios to see what makes sense for them, he said.
  8. Computing Fabrics
    Today’s blade server design places memory and processors into a fixed combination inside a blade, and until recently neither memory or processors from one blade could be combined with that of other blades.
    New server designs will allow several blades to be merged across a “computing fabric,” in which they will appear as a single server to an operating system.
    “The fabric based server of the future will treat memory, processors and I/O cards as components in a pool, combining and recombining them into particular arrangements to suit the owner’s needs,” the analysts wrote. “This evolution will simplify the provisioning of capacity to meet growing needs.”
  9. Real World Web
    Increasingly ubiquitous network access with reasonably useful bandwidth is enabling the beginnings of what analysts are calling the “real world Web,” Claunch said. The goal is to augment reality with universal access to information specific to locations, objects or people. This might allow a vacationer to snap a picture of a monument or tourist attraction and immediately receive information about the object, instead of flipping through a travel book.
  10. Social Software
    Social software like podcasts, videocasts, blogs, wikis, social bookmarks, and social networking tools, often referred to as Web 2.0, is changing the way people communicate both in social and business settings.
    “It’s really been empowering people to interact in an electronic medium in a much richer fashion than we did with e-mail or corporate collaboration systems,” Cearley said.
    The effectiveness of these tools for enterprise use varies, and some tools that have the potential to improve productivity aren’t yet mature enough for enterprise use, Gartner says. For example, wikis are highly valuable and mature enough for safe and effective enterprise use. Meanwhile, Gartner says prediction markets potentially have a lot of enterprise value but so far have low maturity. Podcasts, conversely, can be used safely and effectively but don’t have a lot of business value, the analyst firm said.

Um Dia de Caos Aéreo

Acordei pouco antes das 6 da manhã, engoli o café e desci para encontrar com o taxista marcado às 6:50.Pegamos um trânsito caprichado e chegamos 7:35 em Congonhas.

O vôo da Varig sairia às 8:35 para pousar 9:20 em Santos Dumont. Vôo curto e rotineiro. Mas Santos Dumont estava fechado por mau tempo no Rio e o avião que nos levaria estava preso lá.

Colocaram-nos no primeiro avião possível e finalmente decolamos umas 9:45 para pousar no Galeão.

Minha agenda era uma reunião preparatória de manhã na IBM para deslanchar um projeto na reunião da tarde em outro lugar. Atrasar a primeira não era o fim do mundo. A segunda era a importante.

No Rio só chuva, não daquelas de cair o mundo, mas das que chove constantemente por horas sem fim. Alagou tudo, fechou o túnel Rebouças e a cidade parou. Por telefone, alguns cariocas me disseram que aconselhavam não sair de casa.

A Varig anunciou que um ônibus nos levaria do Galeão p/ Santos Dumont, mas não vi nenhum sinal. As companhias de táxi de guichê exibiam uma placa escrita à mão: ESTAMOS SEM CARROS. A fila do táxi de rua no desembarque estava cheia de gente e desolada de carros. Eu que sou manjado de aeroportos subi até o embarque e esperei 1 minuto até um dos táxis amarelinhos descarregar alguém.

Às 11h estava saindo do Galeão rumo ao Botafogo.

Combinei o almoço por telefone mas gastei 1h no carregado trajeto entre a Ilha do Governador e a Praça da Apoteose, perto do centro do Rio. Das vias elevadas via-se várias ruas alagadas e carros parados. O rádio, de tempos em tempos, dava informações desesperadoras sobre o trânsito.

Perto do centro me avisaram que a reunião foi cancelada por causa do caos. Ter acordado de madrugada, tomado vôo, gastar mais de hora no trânsito, ficar sem almoço, de repente ficou sem propósito.

Pedi ao taxista dar meia volta e me levar de volta ao Galeão. Ainda bem que não havia trânsito para voltar.

Cheguei no aeroporto umas 13h, pedi para me colocarem no próximo para Congonhas e 13:40 estava com o bilhete das 14h na mão.

Almocei um Cheetos enquanto passava pela fila da segurança extremamente ineficiente da Infraero do Galeão. Formavam fila única a metros de distância e seguravam as pessoas enquanto cada passageiro era atendido. Durante os metros de caminhada da boca da fila à boca do raio-X, o segurança, seu auxiliar e a máquina ficavam ociosos. Some esses segundos ao final de um dia e terá horas de diversos desperdícios.

No gate, o vôo já tinha saído e começou um pequeno tumulto porque diversas pessoas não ouviram o chamado. Íamos pegar o próximo que pousaria às 14:30 mas que só pousou umas 15 e pouco.

Enquanto isso, fui traçar o pior sanduíche natural de atum de todo o universo conhecido. Era só maionese e pão velho por R$5,50.

Acabamos embarcando só umas 15:40. Seguraram mais um pouco o avião para pegar os passageiros de uma conexão de Caracas o que aumentou ainda mais o nervosismo de algumas pessoas cujo vôo original era às 7:10 da manhã.

Quando todos estavam embarcados e acomodados, o comandante anunciou que Congonhas — nosso destino — havia fechado por mau tempo. Então alguns cariocas desistiram e saíram do avião. Sorte deles que ainda não tinham saído de sua cidade.

Pessoas gritavam sugerindo descer em Cumbica, mas minutos depois o vôo foi liberado para Congonhas. Vai entender. Decolamos 16:40.

Pousamos 18:05 porque ficamos uns 40 minutos dando voltas no ar esperando liberação de Congonhas. Pessoas que tentavam vir para São Paulo desde cedo puxaram palmas aliviadas ao encostarmos na pista molhada do aeroporto.

Em casa mesmo só cheguei às 19h, 13 horas inúteis depois de ter acordado.

O saldo é de quase R$600 de passagem, uns R$160 de taxis, muito saco cheio e doses consideráveis de junk food. Tudo isso para nada.

É fácil botar a culpa no mau clima. Mas se existisse metrô nos aeroportos a reunião não teria sido cancelada e nem eu nem as outras 5 pessoas que vinham de outras partes do país teriam perdido viagem. Não teríamos sido vítimas do trânsito.

O saldo positivo foi ter encontrado diversos conhecidos em todos os aeroportos, inclusive uma velha amiga querida, que estaria no mesmo vôo ao Rio se não tivesse atrasado tanto a ponto de ela perder sua reunião, e nem embarcar. E as infindáveis horas em táxis valeram a pena quando botei em dia a conversa com amigos. A outra coisa que compensou é que entre uma espera e outra, provei o milkshake do Bob’s que um amigo tomava, de maçã com canela, melhor que o clássico — e único que conhecia — Ovomaltine.

De resto, o meu dia foi pro brejo.

Adeus Tipuana

Deu uma ventania aqui no bairro no domingo a noite e não choveu. Mas foi o suficiente para estremecer as bases da velha Tipuana de frente de casa.

Esta madrugada ela caiu do nada. Só porque estava velha e podre por dentro.

Velha tipuana caida

Ela caiu às 3 da manhã e parece que amassou um pouco o teto de um carro do outro lado da rua.

Os bombeiros começaram a picotá-la às 5h com motoserras barulhentas. Mas o pior foi a incompreensão dos carros que buzinavam sem parar. Poxa, um pouco de respeito pela querida árvore morta.

Tipuana oca

A árvore estava oca por dentro e tinha raízes pouco profundas, incompatíveis com sua idade e tamanho centenário. A certa altura, os bombeiros acharam um ninho de abelhas ou algo do gênero e se empenharam para retirá-lo com cuidado e tentar guardar o mel que escorreu. Alguns provaram e gostaram. Parecia até que o principal momento de seu trabalho era marcado por esse achado.

Tipuana fatiada

Adeus Tipuana. Nossa rua vai ter menos cara de alameda sem você. Mais ainda quando sua irmã ao lado foi também cortada este ano.

O único consolo é que a nova árvore que será plantada no lugar vai absorver bastante CO2 para crescer.

Mais sobre Netiqueta

Aquela amiga das mensagens relatadas no outro post me respondeu.

Se desculpou, justificou que é novata e que só encaminha as que acha realmente interessantes. Perguntou também se eu gostaria de continuar recebendo. Ela é muito educada.

Respondi isso:

Oi Selma !

Não causou problema nenhum.

Mas é que como só recebo esse tipo de mensagens de você, perco os parâmetros sobre como avaliar a importância do que você me manda.

Como existe a tal etiqueta no mundo físico, existe a Netiqueta na Internet. Acredito que você não ia gostar de receber na sua casa 80 cartas físicas por dia de textos genéricos julgados lindos ou inteligentes, etc. Te daria trabalho em separar isso da correspondência importante. Então não justifica lotar a caixa postal das pessoas só porque é mais fácil enviar eletronicamente do que pelo antigo correio.

Gostaria de continuar recebendo de você e-mails que você mesma escreve. Comunicação pessoal, não mais generalidades do mundo alheio.

Beijos grande !
Avi

Acho que agora ficou tudo entendido.

Viagem ao Umbigo do Mundo

Tatiana e eu fizemos uma viagem absolutamente incrível para o outro lado planeta — a Ásia Central — região que muitas pessoas mal sabem que existe.

Fizemos anotações detalhadas, dia após dia, sobre todos os lugares que passamos, pessoas que encontramos e impressões que tivemos. Os links abaixo vão te levar às mesquitas do Uzbequistão, montanhas do Kyrgyzstão, ao caldeirão social da China, e a exuberância de Moscow.

Foi uma viagem de conhecimento, então os relatos estão recheados de mapas, referências na Wikipédia, fotos e videos. Além de impressões gerais, e observações sobre etnias, línguas, religião e coisas que não existem na Ásia Central logo abaixo.

Viaje conosco !

Exibir mapa ampliado

Uzbequistão

Kyrgyzstão

China

Moscow e Paris

Impressões Gerais

Eu recomendo fortemente qualquer pessoa fazer viagens desafiantes. Dificilmente nossa cultura e pontos de vista vão crescer se passarmos 7 dias coçando num resort.

Pode ser qualquer lugar: Amazônia para urbanóides, Islã para ateus, Las Vegas para saudosos marxistas.

Além do gostinho de poder contar que fomos para lugares que muitas pessoas não sabem nem pronunciar o nome, o desafio nos fez pensar muito sobre a história do mundo, o fluxo das etnias humanas, sociedade, economia, comida, fé, religião, e principalmente sobre nós mesmos e o que de fato somos.

Viajar pela Ásia Central não foi nada difícil. As pessoas são amigáveis e bonitas, os hotéis são confortáveis, cidades bem equipadas. E se você não for se meter no Afeganistão ou no Kashmir, a paz reina.

Etnias

O Uzbequistão faz fronteira com o Irã, antiga Pérsia, que definiu o tipo étnico da região há milênios. Mas a região foi também berço de incursões militares gregas de Alexandre o Grande e Genghis Khan. Isso conferiu uma mistura incrível de traços, cores de olhos e línguas.

É comum ver persas claros, loiras de olhos puxados, ou mongois de olhos verdes. E vimos mulheres realmente lindas.

O noroeste da China não é chinês. Pelo menos não no esteriótipo de chinês que as pessoas costumam ter na cabeça. O noroeste da China é tão persa quanto o Uzbequistão.

Já o Kyrgyzstão tem olhos mais puxados do que o noroeste da China. Se te teletransportarem para lá de olhos fechados, vai dizer que está no interior da China.

Línguas

Toda aquela região, inclusive o noroeste da China fala dialetos muito parecidos, todos derivados de língua turca. Uzbeque, Kyrgyz e Uyghur são línguas 95% similares e todos se entendem pela lingua falada.

O problema é ler e escrever. As línguas escritas no Uzbequistão são o russo (alfabeto cirílico) e o uzbeque a décadas escrito em cirílico. Mas recentemente o governo decidiu dar um passo no sentido da modernidade e maior integração com o ocidente adotando alfabeto latino como o oficial para escrever uzbeque.

No Kyrgyzstão eles não ligam muito para relações internacionais, então continuam escrevendo kyrgyz em cirílico mesmo. E na China, o povo Uyghur se orgulha em manter as tradições usando o alfabeto árabe (diferente da língua árabe) para ler e escrever.

Mas isso não tem muito problema porque o Uzbequistão é o maior produtor de videoclipes da região e todo mundo acaba ouvindo música Uzbeque que obtém de DVDs pirateados.

Há ainda inúmeros outros povos na região, que falam dialetos parecidos: os Khorezm, os Kazakhs, Tajiks, etc.

Fé e Religião

Esse foi um dos aspectos mais interessantes da viagem. A região é predominantemente islãmica. É incorreto dizer que são árabes porque estes são os que vivem na Península Arábica, milhares de quilómetros a oeste da Ásia Central.

Mas é um islã leve. Se não visitássemos os lugares históricos talvez nem percebêssemos. No Kyrgyzstão é mais leve ainda. Não há uma conexão muito grande com isso por lá.

Só a China nos surpreendeu. Sim, a China. Foi somente alí que vimos mulheres de rostos cobertos e fanatismo um pouco mais evidente. Isso acontece porque há um preconceito mútuo entre os chineses Uyghurs (predominantes no noroeste do país) e os chineses Han (os de olhos puxados). A conseqüência é que a minoria Uyghur acaba se voltando mais para sí, fomentando tradições e costumes em torno da religião. Ao longo dos séculos, costumes temporais, tradições sociais e leis religiosas se confundem e tudo vira sagrado sem se saber exatamente o motivo.

Coisas que não existem na Ásia Central

  • Preço estampado em qualquer mercadoria. O preço é feito sempre na hora, conforme a cara do freguês e o humor do vendedor. E sempre há margem para pechincha.
  • Adoçante dietético. Nenhum restaurante tem, mesmo se pedir.
  • Coca-Cola Light ou qualquer outro refrigerante dietético.
  • Folhas tipo alface, rúcula ou agrião. Nem na feira. Quando pedíamos a “Salada Verde” do cardápio de alguns restaurantes, era de coentro, cheiro-verde e dil. Uma salada de temperos verdes.
  • Saladas sem coentro.
  • Comida quente sem carne ou sem qualquer gordura animal. “Tem carne nisso aí?”. “Não, só bacon pra dar um sabor”.
  • Comida sem óleo.
  • Facas que efetivamente cortam. Todas eram cegas.
  • Guardanapo limpo sobre a mesa assim que se senta. Sempre tínhamos que pedir.
  • Guardanapo usado que fica na mesa mais de 3 minutos. Os garçons tinham algum tipo de obsessão em recolhê-los assim que fossem usados ainda que pouco.
  • Hoteis com cama de casal. Mais raro que mosca branca.
  • Área ou quarto de hotel para não-fumantes. Em qualquer sala de espera, restaurante, quarto de hotel etc, fumavam sem parar de todos os lados.

Petit Comité com Pintia Tempranillo 2001

Pintia Tempranillo 2001Ao entrarmos em sua adega pessoal, mais de 800 garrafas gritavam “pick me, pick me”. Nossa ansiosidade era tanta que o termômetro mostrou aumento de temperatura de 17 para 18°C. Sacamos um Pintia Tempranillo 2001, da região do Toro na Espanha. Um supervinho com aromas que nunca havia experimentado antes.

É muito chique ter uma adega particular. Mais chique ainda saber quais vinhos servir e tal. Muito chiques esses meus amigos.

Foi um petit comité que desafia o paladar, como todos os que eles nos convidam. Uma outra vez naquela mesma sala renasci (já meio bêbado, confesso) quando ele serviu algo que nem sabia que existia: pequenas garrafas de vinhos de sobremesa com uvas de colheita tardia. Ele gostava mais do deslumbrante sul-africano, mas eu me apaixonei mesmo pelo Henry Cosecha Tardia 2003, argentino da Lagarde.

Naquele dia, as outras pessoas continuavam falando de estátuas, o Crescente Fértil, chicle de bola, sei lá. Mas eu me deslumbrava na viagem dos vinhos. A quantidade de perfumes e complexidades que pode uma garrafa conter desafia qualquer lei da física.

Petit comité no LosPara a sobremesa de ontem, abrimos um Alvear Pedro Ximénez Solera 1927 (sim, você leu o ano corretamente), extremamente doce, licoroso, de textura espessa, com aroma de calda de figos, para acompanhar um revezamento entre sorvete Häagen-Dazs Praline e queijo tipo roquefort, este último bastante salgado, como de costume, para balancear a doçura do vinho.

Aguardamos ansiosamente a próxima oportunidade, e acho que vai ser regado a Zinfandels que eu trouxe da Califórnia.

Second Life e Orkut

Tenho ouvido algumas pessoas que acho bem pragmáticas desistirem do Second Life.

Eu também desisti. É ruim de usar, nunca tem ninguém e o mais importante: não consigo voar direito. De que adianta um mundo 3D se não consigo levitar como nos meus melhores sonhos ?

A revista Wired publicou uma matéria de capa dizendo que o SL estava às moscas.

O primeiro mundo 3D que ouvi falar foi o There.com. Talvez tenha mais gente lá.

O desafios desses mundos 3D é conseguirem fazer as pessoas desejarem entrar lá. O que você faria no Orkut se todos os seus conhecidos não estivessem lá? Também não entraria. Só vai dar certo quando alguém descobrir a fórmula do Orkut.

Falando em Orkut, para mim ele é o primeiro mundo virtual bem sucedido. Todos os elementos dos mundos 3D estão lá, menos o fator 3D. O Orkut é um software cujo algoritmo imita uma festa. Pense nisso.

É bom lembrar que quando um mundo 3D bombar como o Orkut, vai também ter os mesmo problemas dele: spam, questões técnicas de escalabilidade, ausência de fronteiras para línguas, etc. Este último pode ser visto como algo bom, mas foi exatamente isso que fez o Orkut estacionar em outros países assim que o Brasil o invadiu.

Como tecnologia, os PCs ainda não estão prontos para 3D. Ainda são lentos e teclado e mouse são excessivamente 2D para esses mundos. Quando um mouse 3D, óculos estereográfico e placas de vídeo muito poderosas estiverem presentes em todos os desktops, esses mundos 3D vão bombar e eu vou poder finalmente voar.

Mas por enquanto eu prefiro ser realista.

Renumbering Categories in WordPress Blogs

There are some situations you may want to manually change (or hack) the category numbers of your WordPress.org blog. Here is how.

Supose you have posts category named “Wine” with ID 15 and you want it to become 1015. You probably already have some posts categorized as “Wine” too and you want to make the number change reflect in their metainformation.

You’ll have to execute some SQL commands in 2 tables: wp_categories and wp_post2cat. Have access to WordPress.org blog MySQL database with PHPMyAdmin or even the plain mysql command and execute this steps.

  1. Don’t trust your eyes or memory because if you forget something or mistype a number, you will make a mess in your blog database. Write in a paper a note for yourself with the category name, previous ID and new desired ID:
    Wine: 15 ➔ 1015
  2. Change the category number from 15 to 1015 in the master categories table:
    UPDATE wp_categories SET cat_ID=1015 WHERE cat_ID=15 LIMIT 1;
  3. Renumber all posts categorized as 15 (old Wine category number) to 1015 (new category number) in the posts metadata table:
    UPDATE wp_post2cat SET category_id=1015 WHERE category_id=15;
  4. WordPress.org also uses the same wp_categories table to classify the links on your blogroll (or sidebar), so you’ll have to change the records associated with the Wine category too, if some:
    UPDATE wp_link2cat SET category_id=1015 WHERE category_id=15;

There is no visual change for the readers of your blog, everything will look the same. This is only for you, if you want to organize categories in ranges while WordPress.org naturally creates them in a sequence.

Caça à Pirataria?

O Rui e o Andre me fizeram voltar no tempo.

Eu lembro exatamente o dia que fecharam o Napster, na época o único serviço P2P que prestava.

Eu mandei as pessoas lembrarem daquela data como sendo o dia que a indústria fonográfica perdeu a guerra contra as redes P2P. Sim, porque a partir dali as pessoas iriam achar outras formas mais eficientes e não-derrubáveis de compartilhar conteúdo. De fato surgiu a rede Gnutella, o Kazaa e o incorrigível BitTorrent.

E para quem achar esses métodos de download muito complexos, há ainda hordas de amantes de música que simplesmente disponibilizam links de RapidShare em seus blogs contendo álbuns completos.

Mas minha previsão se esqueceu de um pequeno detalhe: o fechamento do Napster marcou também o fim da guerra para a indústria do cinema e TV.

Cara indústria de distribuição de conteúdo (Warner, Sony, EMI, etc), a Internet transferiu o poder para as pessoas. Conforme havia profetizado Doc Searls em seu Mundo de Pontas.

Sottozero já era, se vira

Eu lembro quando a sorveteria Sottozero abriu sua primeira loja na Rua Augusta em São Paulo.

Quilômetros de paulistanos se empacotavam na rua para mandar ver aquele sorvete novo e diferente. Eu demorei mais de ano para provar por que não sou muito chegado em lotação.

Inesquecível também quando finalmente fui agraciado pelo seu sorvete ultra-sofisticado. Tinha um sabor temporário chamado Fantasia de Laranja que era nada menos que apoteótico. Só uma vez na vida.

Isso foi há muitos anos. Ontem levei uma prima americana para se sorvetar na Sottozero da Sumaré. Fiquei meio chateado. Eles ainda têm uma lista comprida de sabores pitorescos mas a qualidade enveredou para bem regular. Antigamente seu sorvete ineditamente cremoso escorregava da pá, hoje é tão duro quanto as massas de supermercado. E alguns sabores têm um final nítido de artificial, a começar pelo de graviola que provei ontem.

Uma pena tanto talento de confeiteiro se curvar à necessidade de aumentar os lucros.

De sorvete bom em São Paulo há a Offelê na Lorena. Prove o de castanhas portuguesas (marrom glacê), zuppa inglese, e o de milho se tiverem. E na Parmalat pode-se elevar a alma com os espetaculares Canela e Cookies ao Porto, por caros R$7 o copinho. De supermercado tem o de Abóbora com Côco da La Basque que é absurdamente bom e caro ao mesmo tempo. A Ofner também sempre fez um sorvete responsa daqueles que preenchem até o vazio da alma.

Agora, o melhor sabor de sorvete do universo é o de Bacurí, uma fruta do norte. Em Sampa, de tanto que martelo, começou a ser servido em alguns lugares. Tente num bar chamado Feira Moderna (rua Fradique Coutinho perto da rua Wizard) ou uma pequena cafeteria que fica no Itaim Bibi, na rua Jesuino Arruda entre ruas João Cachoeira e Manuel Guedes.

Destaque para uma sorveteria de Paraty chamada Sorveterapia, na avenida da entrada da cidade. O dono é um cara simples e que faz os sorvetes com as próprias mãos observando altíssima qualidade dos ingredientes sempre naturais. Ele gosta de fazer experiências e o que vende hoje é resultado de anos de alquimia refinada.

Deveriam erguer uma estátua em homenagem ao cidadão que inventou o sorvete. Sua importância histórica é maior que a de figuras como Stalin, e o bem que fez à humanidade é comparável ao de Einstein.

Banana Verde

Esta semana fui atualizar a maior lista do mundo de restaurantes vegetarianos em São Paulo, para adicionar também um mapa interativo e as últimas novidades, e esbarrei no Mude o Mundo que availou o Banana Verde.

Fiquei com água na boca e fui almoçar .

Restaurante bem bonito, bem localizado na Vila Madalena. Não é self-service como a maioria dos vegetarianos. O esquema é o mesmo do Gaia, com duas opções de entradas, pratos principais e sobremesas.

Fui num tabule de quinua para começar, depois num pene ao sugo com bastante brócolis e queijo, e no creme de papaya com morangos. Feel Good para acompanhar.

Estava excelente e muito bem servido. Mas quem tiver estômago grande pode repetir, eles trazem mais pelo mesmo preço.

Entre as opções sempre há uma ovo-lacto-vegetariana, e outra 100% vegetariana (vegan) para agradar os salvadores dos bichos.

Dentro do restaurante há uma lojinha de coisas naturais e livros de bem estar, incenso, velas e outros apetrechos zen. Me divirto com essas coisas.

Meu celular captou uma rede WiFi que o gerente gentilmente me deu a senha, e usei a Internet entre um prato e outro.

Funciona de terça a domingo só no almoço, R$20 e R$22 finais de semana e feriados, e inclui tudo menos a bebida.

Pode ir. Eu recomendo.

Flash Player now supports advanced MPEG-4 content

Adobe’s press release says it all: lab version of o Flash Player 9.0 supports latest and best multimedia technologies.

Thanks to YouTube and other online video services, the Adobe Flash Player browser plug in is probably the most popular video player in the world. But before this version, only the proprietary and now inefficient FLV format was supported.

Tinic Uro, a multimedia software engineer at Adobe explains that the Player now supports:

  • H.264/MPEG-4 AVC
    The best, most sofisticated and advanced video codec, capable of high quality, low bitrate video performances. H.264 is the standard for HD-TV, HD-DVD and BluRay. H.264 is better than MPEG-4 ASP/Xvid/DivX.
  • AAC and HE-AAC (a.k.a AAC SBR)
    The ISO successor of MP3, for audio. MP3 is already very good, extremely popular, and still supported by the MPEG-4 ISO standard and Flash Player. There is no practical advantage on AAC over MP3 for the music you load in your portable player, but HE-AAC achieves much better quality on very low bit rates (desired for streaming) than MP3.
  • MP4 file format
    The MP4 container was designed for many types of usages, including streaming over the Internet. An MP4 file can carry many video, audio, subtitle, scripting, VRML, XML and other metadata multiplexed and in parallel.

All this formats are parts of the ISO MPEG-4 standard.

This is a much expected update for the Flash Player and its users. Every new video on YouTube is being compressed with this technologies since June and the old ones will be converted over time.

We will see quality and speed improvements in multimedia content happening in the right way. Also, the formats of the video files people exchange will converge into a single one based on MPEG-4 standards: MP4 files containing higher-quality-for-megabyte H.264, AAC and subtitle streams.

This is also good news for the Linux and open community. A number of good MPEG-4 related authoring tools already exist and are maturing fast: x264 for video compression, FAAD/FAAC for audio, and GPAC and others for MP4.

Feel Good


Feel GoodConheci a uns meses atrás o chá verde Feel Good.

Hoje acho que é a melhor bebida gelada que se vende por ai. É levíssimo, sem açúcar e tem um sabor inusitado.

Na Ásia Central toma-se isso — mas em versão quente — o tempo todo e em todas as refeições. Quando adicionavam lima (que no resto do mundo é conhecido como lemon) o sabor ficava igual ao Feel Good. Bem bom.

Agora que voltei ao Brasil, vi que lançaram mais um sabor, o de laranja com gengibre. Não demorei para provar e é bom também, mas prefiro o tradicional com seu sabor, assim, tipo, pitoresco.

Tem também o de soja, mas não sou muito chegado e nunca provei.

Não é em todo restaurante que se acha o Feel Good. Mas se tiver a oportunidade, eu recomendo provar.

Como promover a Netiqueta ?

Nós que já somos cidadão idosos da Internet conheçemos bem a Netiqueta. Mas sempre vão surgindo a mãe de um amigo, a sobrinha que cresceu ou o humanista que achava que a Internet era só para geeks etc que entram na rede e ficam somente a repassar piadinhas ou tralhas que recebem de sei-lá-quem.

Sobre o problema de todos os endereços, inclusive o meu, ficarem expostos na repassagem eu já nem esquento. O que mais me preocupa é que passo a desconsiderar e-mails dessas pessoas, e acabo perdendo contato digital com elas. Ai quando me convidam por e-mail para alguma festa, ou mandam uma mensagem realmente para mim, passa despercebido.

Eu sou meio cascagrossa e nas vezes que dava esse toque à pessoa, ela geralmente se ofendia e me mandava para aquele lugar. Então parei de dar o toque e tento conviver com isso.

Mas resolvi dar o toque novamente para uma amiga querida. Respondi isso:

Para: Selma
Assunto: Re: Fw: Re: Re: Re: “O AFOGAMENTO DE LULA…”{ABRA É ÓTIMA E NOVA}

Selma, eu reluto muito antes de dar essa dica para as pessoas, mas chegou a hora.

Como você espera que eu leia algum dia uma mensagem que você realmente precisa que eu leia, que a “Selma escreveu para o Avi” ?

Só recebo e-mails genéricos de você, que geralmente não tenho tempo de ler porque sei que são impessoais.

Não quero perder contato digital com você, mas por enquanto seus e-mails estão sendo tratados pelo meu sistema como “repassador generico, arquivar sem ler”.

Então a dica é: valorize suas mensagens, enviando para as pessoas somente o que for realmente pessoal entre você e elas.

Obrigado,
Avi

Lanço uma pergunta no ar: qual é a melhor forma de dar esse toque, sendo delicado e efetivo ?

Outra pergunta: como os sábios e idosos cidadãos da Internet lidam tecnicamente com isso? Regras de arquivamento automático no GMail? Filtros REGEX para /Re: Fw: Re:/ ?

Moscow, Paris, São Paulo

Este relato é parte de uma viagem à Ásia Central que começa aqui.

Parque Izmaylovsky

  • Levantamos às 8h, fizemos o grosso da mala e saímos com planos de conhecer o Измайловский парк (Izmaylovsky park), atravessando a rua do hotel
  • Para um sábado de manhã estava completamente vazio. Esperávamos ver pedestres, esportistas, bicicletas, etc. Mas nada. No máximo havia um ou outro par de amigos tirando fotos ou sentados comendo e bebendo. Em uma das entradas do parque, um carro estava parado com o som bem alto e algumas pessoas dançavam e bebiam em volta. A balada da noite anterior ainda não tinha acabado.
  • Vimos um lago no mapa, mas não o encontramos. Nem sabemos se fomos exatamente em sua direção. Muitos cachorros viviam no parque, provavelmente abandonados pelos seus donos, e as vezes eles latiam em coro.
  • Nos perdemos e tivemos que voltar correndo para fechar as malas e nos encontrar com o taxista na hora marcada.
  • Nem tínhamos tomado café e paramos em um dos terríveis supermercadinhos do outro dia mas dessa vez só levamos iogurte de beber e bolo pronto, para comer enquanto andávamos até o hotel. O bolo ostentava amêndoas na parte de cima, mas na primeira mordida ele nos enganou: era de amendoim.

Passaportsky Problema

  • Tomamos banho correndo, fechamos as malas, descemos para o check out, e o Victor estava a nos esperar com outro motorista. Pediu desculpas por não estar no aeroporto na chegada, mas não foi culpa dele. E nos deu um envelope com os 1700 rub que tínhamos gasto com o taxi da chegada. Muito nobre da parte dele. Então nos deixou com seu motorista e nos despedimos.
  • Pedi ao motorista (com muita mímica) que parasse em algum lugar para trocarmos os Rublos que sobraram para dolar e ele deu uma volta considerável para passar no centro. Conseguimos boas taxas, mas talvez não compensou a volta.
  • Apesar de ser sábado, pegamos muito trânsito inclusive nas highways. Ele se encheu e pegou algumas vias alternativas que andavam melhor. E chegamos no aeroporto sãos, salvos e na hora certa.
  • As russas que trabalhavam no check in da Air France/Aeroflot não eram de muitas palavras. Aliás eram de bem poucas palavras. Eram mesmo bastante secas. Mas fizeram seu papel e pronto. Despachamos as duas mochilonas diretamente para São Paulo porque a Tati havia deixado uma bolsa com roupas limpas em Paris na escala do começo da viagem, na casa de conhecidos.
  • Depois do check in você não pode ficar zanzando no aeroporto. Tem que passaportar e entrar direto nas salas de espera. Nesse processo, uma militar com cara de durona liberou a Tati e segurou meu passaporte e cartão de embarque. Não havia muita comunicação. Pediu para eu esperar logo ali, e eu perguntei “what is the problem?” e ela respondeu “problema, problema”. Ai meu Deus.
  • Depois de esperar alguns bons minutos de pé apontei para o relógio indicando que tinha um vôo para pegar. Veio um oficial fardado com um inglês razoável e disse que meu passaporte teria que passar por uma vistoria dupla. Não entendi se era problema específico com o meu passaporte ou se tinha sido escolhido aleatoriamente.
  • O oficial também disse que o vôo não pode decolar sem a autorização “deles” e que eu podia ficar tranqüilo. Aquilo não me tranqüilizou muito porque demonstrava muito poder: se eles podiam segurar um avião, podiam muito bem segurar um zé mané como eu também. Então ele sumiu.
  • Vários outros minutos depois e sem ninguém para falar reclamei com a durona novamente. Ela não estava muito aí e mandou continuar quietinho. A Tati foi comprar vodka de presente no free shop.
  • Já chamavam o nosso vôo para o embarque e comecei a surtar. “Ô durona, como é que eu fico aqui?” é o que eu queria falar, mas me limitei as mímicas.
  • O oficial baixinho e loiro e que gostava de dizer que tinham o poder nas mãos reapareceu. Informei-o que já chamavam para embarcar e ele novamente disse que não decolariam sem a ordem deles, mas era para eles não decolarem sem mim. Disse que meu passaporte tinha um problema de rasura no ano de validade. O “8” do “2008” era meio diferente dos outros algarismos. Eu custei a perceber isso. Ele pegou meu passaporte de dentro do guichê da durona para me mostrar. Achei que tinham levado-o para outro lugar para ser analisado, mas não: ele ficou com a durona que não fez checagem dupla nenhuma, pois carimbava outros passaportes da fila.
  • Eles me devolveram o passaporte e saí com a impressão de que aquilo foi puro terrorismo psicológico sem nenhuma base, e que a data de validade do passaporte podia até estar escrita a mão. Além do mais, havia entrado e saído de uns 4 países sem problemas, inclusive na Rússia, e não era ali, na saída do país, que tinham que encrencar.

Paris, Cidade das Luzes

  • Pegamos o vôo da Air France a tempo e o nível de simpatia já mudou quando um comissário francês percebeu que éramos do Brasil, disse que gostava muito de nosso país e nos deu um tratamento especial.
  • Entramos tranqüilamente na França e encontramos o Larbi, amigo da Tati, que veio nos pegar de carro. A Tati ia ficar alguns dias em Paris e o meu vôo era dali a umas 7 horas, o que nos dava tempo para passear mais em Paris.
  • Chegando na cidade, o trânsito de sábado estava péssimo. Estacionamos e fomos a pé até um bar na beira de uma represa no meio da cidade. Parecia que o Rio Sena começava ali. Mas estava lotado e fomos embora.
  • De metrô, fomos até Montmartre e de lá a pé até a Basílica de Sacré Cœur (mapa). As ruas sempre cheias de turistas. Perto da basílica, muitos jovens se amontoavam na escadaria para se assistirem e também a showzinhos de voz e violão amplificados que aconteciam esporadicamente lá. Um pouco mais afastado, um homem tocava violão mais seriamente e soltou um samba sem que pedíssemos. Seu CD, que estava à venda, tinha outros temas brasileiros e também Street Beat do David Hewitt, uma música lindíssima e pouco conhecida.

  • Quando dizem que Paris é a Cidade das Luzes, saibam que é com bastante propriedade. Ela emana beleza, humanidade, diversidade, cultura e bem estar.
  • Ao caminhar pelas estreitas e belas ruas de Montmartre sentimos isso. Casas aconchegantes se mesclavam com pequenos parques e chafarizes, onde crianças construíam seus castelos de areia e adultos jogavam bocha. E também placas de sítios históricos, herdades e bustos de cantoras que deixaram saudade. Mais cafés charmosos com mesinhas na calçada.
  • Paramos num desses para encontrar com outro amigo da Tati, o François, e comer algo. Era um lugar descolado e moderninho com direito a garçom que fazia gracinhas. A certa altura o cozinheiro azulão trouxe um balde para uma das mesas e fez saltar nossos olhos enquanto enchia de chocolate líquido do balde as travessinhas de petit gâteau que seriam assadas em seguida. Ao terminar o importante trabalho, traçou tranqüilamente, sentado no mesmo lugar, um sanduíche de baguete, enquanto conversava com alguns garçons e outras pessoas de pé. Uma cena tão parisiense.
  • Começou a anoitecer e esfriar e tínhamos que voltar ao carro do Larbi de metrô. Fomos ao apartamento dele, tomou banho enquanto a Tati embrulhava uns presentes e fomos de metrô à festa de aniversário da Clarie, outra amiga da Tati.
  • Se no metrô de Moscow há só loiros, o de Paris é uma salada étnica. Havia 3 mulheres negras vestidas com turbantes e tecidos coloridos, falavam uma língua bonitinha, rara de se escutar no Brasil, de sílabas simples com vogais que se repetiam. Larbi disse que provavelmente eram da África Subsariana. De qualquer forma, era uma delícia ouví-las conversar, mesmo sem entender uma palavra sequer. O mais engraçado era a combinação turbante e brinco LV da Louis Vuitton.

Hoje Terra é Pequena

  • Clarie mora num apartamento de uns 50m² (o m² é muito caro em Paris e é comum as pessoas morarem com pouco espaço), com sala, cozinha, quarto, banheiro e um terraço exclusivo que é o forte do apartamento. É um pouco maior que o apê do Larbi. Umas 10 pessoas alegres estavam de pé e se dividiam entre o social e assistindo um jogo importante de Rugby que passava ao vivo na TV. Foi divertido mas pena que já tinha que pegar o RER (trem intermunicipal) e tomar o vôo para o Brasil.
  • Tati me levou a estação correndo e me pôs no trem. Poderia ter feito isso sozinho, mas como estava atrasado, uma francesinha esclarecida foi importante para me colocar no trilho certo sem perder tempo. A despedida foi encurtada pela chegada do trem. Ela voltou para a festa da Clarie, e eu estava a cominho do Brasil.
  • O trem quase vazio parou em todas as estações e ninguém entrou nem saiu. O caminho era longo e fiquei apreensivo em chegar tarde. Mas cheguei bem na hora do embarque.
  • No vôo fechei os olhos tranqüilo, alimentando a saudade que em breve estaria morta. Saudade da família, sobrinhas, de casa, dos amigos, do bairro conhecido. Da língua que domino as gírias, o sotaque, a cultura local.
  • Compilei um pouco as memórias das últimas semanas e cheguei a conclusão que além do muito que descobri sobre muitas coisas, aprendi também sobre mim mesmo, sobre a Tati, sobre o que é viajar. E que viajar é, em parte, voltar para casa crescido e com vontade de abraçar o mundo.
  • Gilberto Gil já dizia: Antes mundo era pequeno porque Terra era grande / Hoje mundo é muito grande porque Terra é pequena / Do tamanho da antena parabolicamará.

Moscow do Kremlin

Este relato é parte de uma viagem à Ásia Central que começa aqui.

  • Fomos tratar do desjejum o mais longe possível do barzinho do dia anterior. O Izmaylovo Alfa-Beta era um edifício similar ao nosso, mas mais orientado a serviços, ou seja, tinha pequenos restaurantes, cafeterias e lojas de todos os tipos lá dentro. Um restaurante árabe exibia doces típicos e folhados salgados com ótima aparência. Escolhemos um de queijo e outro de queijo com alho. Estavam excelentes. Mas não aceitavam nem dolar nem cartão, e tive que ficar novamente como garantia enquanto a Tati trocava no guichê ao lado.
  • Gastamos o resto da manhã inteira mandando e-mails para os amigos que encontraríamos em Paris no dia seguinte e fazendo ligações. Só conseguimos sair do hotel às 13h.
  • Tomamos o metro até o Kremlin e compramos o ingresso por 300 rub.
  • Segundo o guia, as melhor atrações são fechadas ao público, visto que ali é ainda a sede do governo central. Dentro de seus muros, o Kremlin parecia um bairro bonito de largas ruas arborizadas e poucos carros. Além dos inúmeros prédios históricos que ainda serviam ao goveno russo, havia também um teatro ativo, muitos dos canhões que Napoleão perdeu na guerra, monumentos, um sino gigantesco (o maior sino do mundo, que nunca tocou pois se quebrou antes de ser implantado) e uma praça dominada por igrejas que foi o principal alvo de nossa visita. Todas as igrejas tinham a mesma decoração medieval soturna. Já havia me acostumado.
  • Em uma delas, alguns distintos homens e mulheres vendiam juntos CDs de coral religioso russo por €15 ou $20. Perguntei se dava para ouvir e um deles disse que cantavam a cada 10 minutos na igreja, para minha alegria. Montei em cima e fui contar para a Tati que havia encomendado uma surpresa para ela. Claro, ficou curiosa.
  • Sentamos e esperamos. Poucos minutos depois eles tomaram posição e soltaram lindamente a voz. Não durou 5 minutos. Bem, era só uma demonstração. No fim não comprei o CD de preço salgado.
  • Visitamos outras igrejas na mesma praça. Algumas eram usadas pelos reis e tinham seus tronos. Outras tinham túmulos de nobres famosos. Mas todas com a mesma imagem de um Jesus magro, triste e de cabelo estranho, e outra da Maria com seu filho pródigo com cara de adulto que parecia um mini ET.
  • Batemos perna de baixo de chuva mais um pouco pelo Kremlin e saímos.

A Catedral Colorida

  • Demos a volta por fora do Kremlin para chegar na famosa Catedral de São Basílio que é o ícone mais famoso de Moscow. É de fato muito colorida e pelo ângulo que vinhamos parecia totalmente assimétrica, o que conferia uma beleza irreverente.
  • Tínhamos poucos Rublos e tivemos que dizer que um de nós era estudante para conseguir meia entrada. A inteira custava 100 rub. Lá dentro não impressionava muito. Uma igreja ortodoxa comum. Não fosse por outro ótimo coral, desta vez inteiramente masculino, dando uma canja para vender CDs diria que nem precisávamos ter entrado.

Ovos Fabergè

Fabergè Egg

  • De lá corremos de volta para o museu Kremlin Armoury, que tínhamos comprado ingresso junto com o do Kremlin, por 350 rub cada. Tínhamos hora marcada para às 16:30, provavelmente para espalhar com previsibilidade os visitantes.
  • O Armoury é um museu exuberante de roupas, carruagens, armas e armaduras, jóias, tronos, louças, prataria e arte da monarquia pré-soviética. Suas peças encarnavam o melhor estilo rococó como uma carruagem toda dourada com relevos barrocos. Uma beleuza.
  • Entramos de bico num grupo cujo guia era simpático e cativante. Aprendemos um monte.
  • Um dos pontos altos era a pequena vitrine que exibia os famosos ovos Fabergè entre outras jóias dessa antológica joalheria de São Petersburgo. Era de fato impressionante a outra categoria a que pertenciam essas peças de lindos detalhes e mistura inusitada de materiais.

Caça ou Vegetariano ?

  • Não tínhamos almoçado e estávamos famintos. Decidimos ir jantar de metro no único vegetariano que aparecia no guia: Mantram. Era um restaurante-loja natural-boutique de roupas zen com ar de descolado. Tinha uma variedade grande de comidas expostas e com boa aparência. Mas o esquema não era muito familiar: escolhia-se algo individual, uma salada de brócolis por exemplo, que então colocavam numa cumbuca e custava ± 50 rub cada. O preço individual para cada coisa inibia montar um prato com diversidade. Fomos embora chateados comentando que o Brasil precisava exportar a idéia de restaurante por quilo para a Rússia, talvez para o resto do mundo.
  • O guia falava de um restaurante chamado Bege, perto dali. De fato todo bege, bonito, moderninho mas pequeno. Tanto que a recepcionista disse que toda as mesas estavam reservadas. Pena.
  • Decidimos sair andando, passamos em frente ao Mantram novamente, e mais abaixo topamos com um restaurante em que muita gente se amontoava na porta. A Tati ficou na fila enquanto entrei para ver. No bar tentei me comunicar com mímica, a mulher do caixa não entendeu nada, a garçonete idem, mas o barman tinha mais vontade e nos entendemos.
  • Tinham uma mesa bem bonita de saladas e algumas coisas quentes. Resolvemos ficar e a garçonete nos levou para uma mesa no andar de baixo. O teto era baixo, meio abobadado e de tijolos e a decoração era de temas rurais e de caça. Tudo isso conferia um ar de taberna ao lugar. Havia outras mesas vazias nesse andar e não entendemos porque as pessoas esperavam na fila.
  • Demorou para sermos atendidos, o garçom precisava trazer pratos para a nossa mesa para podermos nos servir. Mas ai rolou e mandamos ver o self-service por 270 rub por pessoa.
  • Uma menina muito loira da mesa ao lado, de uns 6 anos, ficou brincando com a Tati tirando fotos dela. E a Tati entrou na brincadeira.
  • Era sexta-feira e depois do jantar resolvemos dar uma volta nas ruas lá perto, pois estávamos perto de um dos bairro elegante e boêmios de Moscow. Vimos novamente a loja de departamentos Цум (Tsum), hotéis novos, etc.
  • Voltamos ao hotel e fomos dormir.

Moscow com Estilo

Este relato é parte de uma viagem à Ásia Central que começa aqui.

Péssimo Café

  • Não jantamos e acordamos com fome. Perto do hotel haviam diversos estabelecimentos que eram uma mistura de microsupermercado e padaria. Numa delas dois rapazes comiam de pé salgados e tomavam café e isso nos inspirou a ficar lá.
  • Erro crasso. Dividimos algo como um pastel frito de 25cm de comprimento recheado de repolho. Só uns 10% de sua área continha recheio, e mesmo assim era pouquíssimo e mal temperado. Tinha sido frito horas atrás, esquentaram no microondas o que garantiu textura de borracha, e a massa nem sequer era boa. Tínhamos também pedido um outro de maçã, assado, igualmente péssimo. Ao pedir o chocolate quente, perguntei se era feito com leite, e de fato era, mas só com o suficiente para poder dizer que levava leite, ou seja, umas duas gotas. O café da Tati estava igualmente aguado.
  • Aquilo foi tão péssimo e de mal gosto que nos perguntamos se faziam de propósito, ou se lhes faríamos bem em avisar que serviam coisas intragáveis. Deixamos pra lá.
  • Pegamos o eficiente metro e saímos por acaso na frente de uma loja-conceito da Nokia onde gastei meia hora enquanto a Tati estudava o guia.

Gorki Art Nouveau

  • Descemos uma alameda arborizada mas lá embaixo nos demos conta que era o sentido errado. Não perdemos a viagem porque encontramos por acaso o restaurante Кафе Пушкинъ (Cafe Pushkin), restaurante elegante que vimos no guia e fizemos reserva para o jantar.
  • Voltando pela avenida chegamos na bela casa-museu do escritor Maxim Gorki. Por fora a casa não tinha nada de mais, um jardim comum e tal. Mas dentro, do chão ao teto, tudo era arquitetado e decorado no melhor estilo Art Nouveau. Destaques: a madeira do piso tinha linhas arredondadas que se encaixavam e desenhavam formas da natureza. As portas e batentes eram grandes e bem feitos sempre com relevos de formas arredondadas e fluentes. Mas nada se igualava a lateral/corrimão da escada. Toda de pedra polida, começava em baixo com uma luminária com braços de polvo e subia em arranjos fluidos, ao longo da escada em meio-caracol, até o próximo andar. O peso e grossura da pedra cinza eram contrabalançeados pelas leves linhas naturais e se equilibravam na função de segurança de um corrimão. O belo ou o funcional? A boa arquitetura nunca vai deixar você escolher somente um. Os dois devem estar sempre juntos.

Almoço Moderninho

  • Ao leste da casa de Gorki, caminhamos por Tverskoy até a Kamergersky Per que é uma calçadão só para pedestres, moderninha, com gente bonita e restaurantes fancy. Aproveitamos para almoçar numa lanchonete meio natural que vendia baguetes, saladas e sopas em vitrines chamada Праим Стар (Prime Star) parecida com a Prêt-à-Porter de Londres. Comemos uma baguete com atum e salada e um roll de frango satay, mais bebidas e salada de frutas por 290 rub. Não queríamos comer muito pois estávamos reservando apetite para o jantar.
  • Ainda assim, fomos para outra lanchonete fancy e mandamos ver uma torta de frutas vermelhas. Ainda ficamos lá muito tempo observando as pessoas que entravam frenéticas em busca de um almoço rápido.

Шоколад (Chocolad)

  • Depois fomos para Teatralnaya, uma região com muitos teatros, inclusive o Bolshoi, e lojas de marcas famosas. Começou a chover e nos refugiamos em algumas delas, dando uma de excêntricos conhecedores de moda. Os artigos eram muito caros e de alta qualidade.
  • Em uma loja italiana de sapatos masculinos, a música ambiente era erudita e os sapatos tinham uma qualidade e mistura de materiais que eu nunca vi na vida. Os modelos não iam muito com o meu gosto, mas mesmo assim fiquei impressionado. Os preço estavam na casa dos 43000 rub ou algo em torno de R$4100 por um par de sapatos.
  • Numa cafeteria da rede Кофе Хауз (Coffee House, que estava em todo lugar) chamaram uma garçonete que arranhava o inglês um pouco melhor. Queríamos um chocolate (шоколад) quente e ela sugeriu um que era diferente do que imaginávamos. Muito grosso, muito forte, praticamente para se comer de colher. Bem bom, por 129 rub cada. O WiFi da cafeteria não era gratuito.

Metropol e Coral Russo

  • Então fomos atrás de conhecer o famoso Metropol Hotel seguindo o guia. Chegamos em uma avenida larga e movimentada e do outro lado havia o restaurante Metropol, a boutique Metropol, o night-club Metropol e outros estabelecimentos Metropol bem elegantes. Nada de hotel. Ele ficava no mesmo bloco, mas se entrava por uma travessa pequena que custamos a encontrar.
  • Era chique, decorado em estilo entre art nouveau e algo anterior, mais romântico. Ostentava riqueza e elegância. O que impressionava era seu restaurante. Um salão enorme mas aconchegante com um teto ligeiramente abobadado todo feito de vitrais com temas floridos. Algo impressionante. Nos grandes hotéis de Las Vegas pode-se encontrar réplicas deste estilo mas só ali respirava-se a autêntica vibração de uma Rússia exuberante, monárquica e pré-revolução. Não dá para imitar isso e poucos lugares do mundo ainda sustentam esse espírito além da decoração.
  • Voltamos para a rua e nos demos conta que estávamos muito próximos da Praça Vermelha, que estava nos planos só para o dia seguinte, mas fomos espiar mesmo assim caminhando por ruas apertadas.
  • Chegamos na Praça Vermelha umas 17h por um canto onde havia uma igreja cujo sino estava tocando a chamar para o horário da reza. Só nos demos conta disso quando o sino parou e a voz do padre e de um coral saíram pelos alto-falantes da rua. Estávamos do lado, resolvemos ver a reza.
  • Tinha acabado de descobrir algo novo na vida: corais religiosos russos são uma jóia da música erudita e bastante populares. Três homens e duas mulheres cobertas por véus mal eram vistos atrás de uma divisória, mas cantavam tão lindamente! Eram afinados, harmonizados e imprimiam todo seu coração e fé no cantar.
  • Enquanto isso o padre circulava a igreja balançando um incenso em pêndulo. As pessoas chegavam e saíam, geralmente fazendo o sinal da cruz e demonstrando devoção.
  • A igreja era decorada com aquelas pinturas medievais tristes e magras carregadas de ouro. A certa altura o padre entrou numa saleta separada por uma portinhola e conduziu a liturgia de lá, revezando o que se ouvia com o coral, que era o que mais me interessava, e um outro auxiliar que lia ou rezava coisas em diversos pontos fixos da igreja. Este último era um tanto veloz e procedural e, portanto, frio. Mas graças ao coral e algumas vibrações do padre, foi uma cerimonia tocante e emocionada no geral.
  • Ficamos lá um bom tempo, mais para ouvir as incursões do coral. Muitas pessoas ascendiam velas em estações dedicadas a isso e resolvi fazer o mesmo. Comprei a mais barata por 5 rub, acendi, agradeci a oportunidade de ter conhecido a jóia cantada e voltamos ao circuito turístico.

Jantar Chique

  • Já anoitecia e a Praça Vermelha ficaria para o dia seguinte. Mas precisávamos enrolar até as 20h para o jantar que havíamos marcado. E nada melhor que um shopping center para passar o tempo.
  • Uma das laterais da Praça Vermelha é o enorme Shopping Gum (Гуm) com seu edifício gigantesco e de linhas aristocráticas. Não conseguia imaginar o que um edifício daquele tamanho era nos tempos Soviéticos.
  • Dentro havia lojas das marcas mais sofisticadas da Europa e do mundo. E preços altíssimos também. Eram três corredores a perder de vista de tão compridos, ligados por pontes em seus andares superiores. Haviam também chafarizes inteligentes e decoração neo-clássica.
  • Paramos para descansar e matar o tempo em um restaurante cujas mesas ficavam sobre uma dessas pontes. Na mesa ao lado, dois rapazes de uns 13 anos treinavam suas aulas de perspectiva, desenhando as compridas linhas do edifício enquanto conversavam e riam. Aquele era um bom lugar para isso, devido à altura e visão panorâmica do shopping.
  • Fomos, debaixo de chuva, até o metrô, pegamos o trem e descemos na estação Mayakovskaya porque o guia dizia ser a mais bonita da cidade. No teto da estação, havia mosaicos cujos temas se intercalavam entre a aviação e algum esporte, sempre com detalhes soviéticos como a estrela e a Foice e o Martelo. Não saímos para a rua e pegamos outro trem para chegar no Кафе Пушкинъ (Cafe Pushkin) que reserváramos de manhã.
  • Às 20h o restaurante estava cheio, mesmo com chuva. Ainda bem que fizemos reserva, a recepcionista lembrou de nós assim que entramos e imediatamente nos levou para uma boa mesa. A iluminação era bem baixa e aconchegante. Mantinha a decoração de uma aristocracia do século XIX e junto com a iluminação dava a sensação de realmente estarmos jantando naquela época.
  • Enviaram um garçom com um inglês razoável que nos entregou o cardápio inglês-francês. Era divertido notar que as descrições dos pratos em inglês eram bastante diferentes dos mesmos em francês, então lemos os dois e interpolamos para entender melhor o que iríamos comer.
  • A Tati pediu duas entradas: cogumelos gratinados em bastante creme em uma cumbuquinha de barro, e pelmeni (um tipo de ravioli russo) recheado de salmão temperado com ervas por cima e creme de leite a parte. O primeiro estava ótimo e bem consistente e o segundo foi bom. Eu achei que as ervas dominaram de mais o sabor e fizeram o salmão sumir.
  • Eu pedi uma salada individual de folhas, tomate, pepino, aspargos e outras coisas, que por si só já era uma refeição de tão bem servida. E um peixe que não reconheci o nome acompanhado de espeto de legumes, batatinhas assadas com molho de creme, e não-lembro-mais-o-que. Veio um peixe com cabeça e tudo (que eu dispensaria) e o prato no geral estava ótimo. Era bastante comida.
  • Demos uma olhada na carta de vinhos. Reconhecemos o argentino Alta Vista, vinho barato, de razoável a simples, cujo preço no restaurante era tão alto e incompatível que apaguei da memória. Com base nisso comparamos os outros vinhos da carta e resolvemos que seus preços eram altos de mais para o alto risco de levar coisa ruim. Não pedimos vinho.
  • A conta saiu 2480 rub que pagamos com cartão. Não dava para incluir o serviço e tivemos que deixar cédulas a parte para o garçom. Foi uma ótima noitada e valeu a pena.
  • O restaurante foi elegante e caro, mas voltamos de metrô mesmo para o hotel, debaixo de uma chuva intensa. Às 23:15 estávamos na cama.

Moscow Circense

Este relato é parte de uma viagem à Ásia Central que começa aqui.

Metrô de Moscow

  • Acordamos antes do despertador, umas 7h, comemos frutas e milho em lata no quarto e preparamos uma mochila com tralhas para passar o dia caminhando em Moscow.
  • Descemos umas 10h e trocamos só uns $20 rublos porque o cambio do hotel não parecia ser dos melhores.
  • Caminhamos até o metro praticamente seguindo o fluxo das pessoas. A estação Partizanskaya tem estátuas bem soviéticas de partidários, homens e mulheres armados.
  • Tudo no metro é pesadão e feito para durar para sempre. Não necessariamente bonito. Todas as paredes são de mármore branco, cinza ou cor de carne, os trens são muito compridos, de metal grosso, robustos, rápidos e barulhentos. Tanto que não dá para conversar sem gritar durante a viagem e é comum ver pessoas com fones de ouvido engraçados e enormes que anulam ruídos externos. A viagem é longa e veloz de uma estação a outra, o que mostra que a cidade é grande, mas vê-se estações em toda parte, o que prova que a malha do metro é densa e eficiente.
  • Uma coisa que chama muito a atenção são as escadas rolantes. Tinham aparência industrial pesadona, bem soviética, antigas mas que transmitiam confiabilidade eterna. Feitas para durar para sempre. Nunca vimos uma quebrada e nem havia opção de escada tradicional ao lado. Nem pudera, pois transportavam pessoas por uns impressionantes 70m diagonais. Nunca vi escada tão comprida.
  • Elas não eram uma conveniência. Se quebrassem as pessoas provavelmente não teriam forças para subir a pé e esperariam serem consertadas. A viagem até em cima era veloz, íngreme e longa o suficiente. A Tati teve uma leve tontura pela mudança de referência de equilíbrio.
  • Eu bati uma foto lá de cima e saímos na rua. Uma mulher decidida me puxou pela mochila e reclamou algo em russo sem parar de andar. Fiz cara de “não entendi nada” com um sonoro “what ?” e ela fez sinal de fotografia com gesto negativo. Ou estava comunicando que era proibido tirar foto na estação — o que achamos improvável — ou avisava que não permitia tirarmos foto dela, usar sua imagem, etc. Ah, faça-me o favor. Coisa de ocidental ultracivilizado. Sem parar de andar, desistiu de reclamar pela ausência de meio de entendimento.

Spa, Consulados e Catedrais

  • Descemos na estação Arbatskaya e caminhamos pelas ruas de Arbat e Kropotkinskaya. Conseguimos trocar dólares num banco a 24.7 rublos por dólar. Uma boa taxa.
  • Para um brasileiro médio, Moscow é uma cidade cara. Em media, as coisas têm valores um pouco mais elevados que a parte cara de São Paulo. Apesar disso, pode-se encontrar coisas baratas também.
  • Bateu uma fominha e numa barraca no calçadão de Arbat e comemos umas burekas gostosinhas por uns 16 rublos cada. 600ml de Coca Light custavam 32 rublos nessa mesma barraca.
  • No fim do calçadão havia um supermercado elegantérrimo que vendia importados e outras delicadezas. Caríssimo também.
  • Entramos num bairro de ruas apertadas onde estavam todos os consulados: México, Canada, Áustria, Camboja e outros. Alguns ficavam em casas históricas ou de arquitetura art-nouveau.
  • Numa venda compramos um picolé Mega de cassis e frutas vermelhas, uma variedade que nunca vi no Brasil. Num dos congeladores havia caixas de produtos Sadia. Fiz questão de conferir que era feito no Brasil. E em outro dia vimos produtos da Perdigão mas que só reconhecemos pelo logo. Na Rússia chama-se Фазенда (Fazenda).
  • Um spa zen bem bonito, pequeno e escondido tinha serviços de massagem de 1.5h de duração por 2600 rub.
  • Entramos numa igreja ortodoxa pela primeira vez e vimos um estilo completamente diferente da católica: não há onde sentar, é perfumada de incenso e cheiro de velas queimadas, menos profunda, menor e decorada com pinturas de Jesus, santos e santas por toda parte. O estilo das pinturas é seco, simples, triste e plano, como as pinturas medievais pré-renascentistas, no pior estilo século XI. Incrível como 10 séculos depois o estilo não muda.
  • De lá fomos à Catedral Cristo Salvador que foi reconstruída em 1997. Seu estilo e magnitude não combinam mais com esta era e gerou muita revolta quando foi construída.
  • Almoçamos no restaurante Artist’s Gallery por 335 rub por pessoa num self-service que chamam de business lunch. Foi a gloria poder escolher entre tantas saladas frescas de folhas e com menos óleo. O restaurante era bonito também, uma casa antiga e bem conservada. Um dos salões tinha pé direito altíssimo e vitrais coloridos. Dava quase a sensação de estarmos a céu aberto.
  • Siando do restaurante vimos um prédio de arquitetura muito moderna, com vidro, estruturas expostas e formas inquietantes.

Circo

  • Atravessamos o rio Moscow que tem uma respeitável largura com o dobro do Tietê em São Paulo. Tentamos ir ao parque descansar um pouco, mas instalaram uma roda gigante dentro e outras diversões e cobravam entrada de 50 rub.
  • Desistimos e atravessamos a avenida para o parque anexo a exposição de arte e cochilamos num banco. O fuso horário da China ainda fazia efeito sobre nós.
  • Fomos pegar o metrô para nos levar ao Grande Circo de Moscow, perto da universidade.
  • Era uma construção redonda e relativamente moderna. Cabiam milhares de pessoas lá circundando o palco inteiro no centro abaixo. Parecido em forma mas menor que o MGM Grand em Las Vegas.
  • Compramos ingressos pelo preço: 300 rub. Haviam mais baratos e mais caros até uns 1700 rub que ficavam na beira do palco. Na sala de entrada vendiam tranqueiras e haviam bichos incomuns para as crianças segurarem e tirarem fotos.
  • A apresentação começou às 19h e tinha mais de duas horas de duração, um pouco comprida de mais apesar do intervalo. Palhaços modernos e talentosos, multinstrumentistas e que dançavam sapateado, cavalos e cavaleiros dando saltos perigosos, camelos, malabaristas e trapezistas aéreos, focas espertas enormes, leões e dançarinos e efeitos de raio laser dividiam o palco versátil que virava ringue de patinação no gelo e piscina profunda.
  • É um espetáculo bonito e que vale a pena, mas é bem tradicional e coisas como Cirque du Soleil já estão um passo a frente.
  • A mudança do fuso horário nos derrubou e fez a volta para o hotel parecer mais longa do que realmente era. E chegando lá ainda fizemos algumas ligações VoIP antes de chapar umas 23:30.

O caminho para Moscow

Este relato é parte de uma viagem à Ásia Central que começa aqui.

Voando na Sibéria

  • Vamos hoje fazer Kashgar-Urumqi-Novosibirsk-Moscow. Uma longa viagem com muita troca de aeronaves e re-check-ins.
  • Às 7:30 fomos fazer check out e encontrar com Anwar. A moça da recepção se ausentou e voltou minutos depois com uma camiseta que deixei no quarto para o santo, o que significa que ela mesma foi fazer a verificação de saída. Quando digo que esse hotel é meio miserável vocês precisam acreditar em mim.
  • No aeroporto, Anwar nos pôs na fila, deu o xerox do fax do bilhete dos vôos dizendo que isso era suficiente, se despediu e nos deixou. Não foi muito calorosa a despedida.
  • Varias pessoas tentavam furar a fila do check in no aeroporto. Impressionante como uma sociedade cheia de regras não consegue respeitar as mais óbvias.
  • Depois de respirar muita fumaça de cigarro na sala de espera, tomamos o vôo Kashgar-Urumqi da Hainan Airlines num Boeing moderno.
  • Já em Urumqi, um chinês de dentes completamente marrons nos pegou, deu o bilhete até Moscow, e nos levou ao outro terminal — o internacional —, concorrendo com os carros pois não havia calçada. Nos colocou numa fila qualquer que não andava e se despediu. Depois descobrimos que a fila era a do vôo para Baku no Azerbaijan. Mudamos para outra que só tinha loiros e que ia para a Rússia.
  • No check in a minha mala estava 3kg acima dos 20 permitidos. O funcionário colocou minha mochila de mão no lugar para passar no peso, mas despachou minha mala mesmo. Que trambique !
  • Queríamos gastar os yuan que sobraram, mas depois do check in não tem mais volta nem lojas. Os oficiais que carimbam passaporte só chegaram umas 14h. O Duty Free estava fechado. Só um bar/loja vendia de whisky a plantas e castanha de caju. As garçonetes andavam com um bolo de dinheiro na mão, vendiam agressivamente, e tinham olhar de “mani mani mani”. Falavam inglês precário, com muito sotaque e orientado a valores. Os preços obviamente variavam de acordo com a cara do cliente, e sempre perguntavam quanto ele pagaria depois que fizesse expressão de “está caro”. Uma bonita caixa de chá de jasmim muito perfumado começou por 150 yuan mas o levamos por 100 yuan. Uma barrinha de chocolate começou em 15 yuan e saiu por 10 yuan.
  • O vôo da Siberian Airlines estava vazio. Era um A319 novo decorado com cores fortes, modernas e bonitas. Tinha o mesmo espírito jovem da Gol. Voamos esticados, confortavelmente, conversando sobre a impressionante história da URSS/Rússia que líamos no Lonely Planet e o que iríamos ver nos próximos dias.

Tajiks na Sibéria

  • O pouso em Novosibirsk foi perfeito. Fica bem no meio do enorme pais, na Sibéria. A paisagem é completamente plana, sem nenhuma montanha para nenhum horizonte que se olhasse. E as cores eram de outono em todos os terrenos loteados, plantados e já colhidos para o inverno. Pena que não conhecemos mais da Sibéria.
  • No aeroporto entramos na fila do passaporte. Havia ao lado um bloco de rapazes chegando do Tajikistan. Uns 80, todos com os mesmos traços e cara de perdidos e inseguros, e só 2 mulheres. Estávamos em outra fila, não sei porque. Tinham dificuldade de manter fila e se amontoavam para serem atendidos. Quando chegava a vez do próximo, uns 4 davam passo para frente ao mesmo tempo mas só um vencia. Não os culpo pois não havia sinalização alguma de fila. Um funcionário gritava em russo de tempos em tempos algo como “ai, quero ver fila aqui, formem uma fila, aqui, bem aqui, por favor, uma fila gente, desamontoem”. Então davam uns passinhos para trás em bloco, nada que parecesse uma fila, e passava 1 minuto e reamontoavam de novo. Cena cômica.
  • De repente uma tal de Julia apareceu chamando pelos nossos nomes. Disse que iria nos ajudar na transferência para Moscow. Orientou na passaportagem, apresentou a Anastacia que iria ajudar com malas e tal. Esta nos levou para outro terminal, nos colocou para esperar numa sala elegante com WiFi de graça que não funcionava, levou nossos passaportes e voltou minutos depois com o cartão de embarque. Fomos superbem atendidos, também não sei porque (será que as mãos do Alê chegaram até Novosibirsk?). Até parecíamos VIPs.

O Poente Eterno

  • A entrada no avião russo foi sem finger, sem guarda-chuva, molhada e fria.
  • Decolamos em Novosibirsk às 19:50 GMT+7 e pousamos às 20:30 GMT+4 em Moscow. Demos 1/8 de volta ao mundo em 4 horas de viagem, quase tão rápido quanto a rotação da própria Terra.
  • Decolamos já a noite e voamos direto para o oeste, atrás do sol já posto. Com tanta vontade que ele chegou a nascer novamente para nós. De fato, durante as 4 horas da viagem o sol se manteve praticamente estático no horizonte e só desapareceu quando pousamos. Um fenômeno natural que só pode ser observado na nossa era de jatos.

Mapa: de Novosibirsk para Moscow

Universo Paralelo

  • O aeroporto de Moscow é enorme e iluminado. Havia um grande número de veículos de serviço circulando e muitos aviões. Mas onde estavam os nomes familiares? KLM, Air France, American Airlines, British Airways, Alitalia são substituídos por nomes que nunca vimos: Domodedovo, Kras Air, Berlin Airlines, Continental Airlines, S7 etc. Os aviões também eram diferentes, grande parte russos, com 3 turbinas na cauda, nenhuma nas asas e bico de outro formato. Era tudo muito igual e muito diferente, como pousar na capital de um universo paralelo.
  • Como nossos vôos foram todos mudados, chegamos em horário diferente do previsto pelo pacote e ninguém esperava por nós segurando plaquinha com nosso nome. Desesperamos. O aeroporto de Moscow, apesar de moderno, não eh exatamente amigável a quem não fala russo.
  • Muitos homens nos abordavam em russo oferecendo taxi de $80 a $50, mas dava medo. Eu só pego taxi assim no Brasil, onde sei julgar bem a intenção por trás do tom da voz. A única vez que tentei isso, em Buenos Aires, não foi uma viagem muito confortável e o cara tentou me enrolar. Então compramos esse serviço com cartão de crédito em um guichê por 1700 rublos, ± $70, e fomos acompanhados por um segurança até o carro. Dor de cabeça para que?
  • A saída do aeroporto foi intransitável e demorada. Vimos um novo terminal moderno, lindíssimo e enorme sendo construído.
  • Por volta das 22h, a viagem até o hotel durou uma meia hora sem nenhum trânsito. Começamos por algo que parecia a Rodovia Ayrton Sena, depois highways urbanas e um pouco de ruas de bairro até chegar no hotel. Moscow tem uma dimensão completamente maior que as outras cidades desta viagem. Muitos carros modernos, asfalto de primeira, placas claras, enormes e bem iluminadas, muitos outdoors, postos de gasolina e canteiros bem cuidados. Aroma de primeiro mundo. Moscow é uma velha Europa que contém a magnitude das highways americanas, uma mistura que me agrada.

Olá Internet

  • O hotel Izmaylovo é um complexo de edifícios enormes construídos para as olimpíadas. Tem 8000 camas e dizem ser o maior da Europa. Põe inveja também nos monumentais hotéis de Las Vegas. Ficamos no edifício Vega (Вега) de 3 estrelas.
  • Enquanto Tati fazia o check in, achei uma rede WiFi aberta e rápida disponibilizada pelo hotel. Liguei meu celular bacana, conectei-o por VoIP ao serviço do Gizmo e fizemos ótimas ligações para o Brasil. Checamos e-mail também, fiz backup deste diário e a Internet é linda.
  • O quarto parecia ter sido entregue ontem pelo reformador. Carpete novo, moveis modernos, banheiro limpíssimo de louça nova. Ganhamos inclusive um upgrade para um quarto com cama de casal.
  • Tomamos um banho maravilhoso sem molhar o chão do banheiro e fomos dormir quase meia noite.

O Lago Karakul

Este relato é parte de uma viagem à Ásia Central que começa aqui.

Himalaya e Pamir

  • O cafe servido no hotel era idêntico todos os dias. Mesmo pão, mesma geleia, mesmo iogurte. Ainda bem que compramos umas frutas para variar.
  • Às 9h encontramos com Anwar e o Sr. Gwan e nos mandamos ao lago Karakul por uma estrada asfaltada. Tentamos dormir o caminho todo mas aparentemente os motoristas chineses são formalmente instruídos a usar muito a buzina, com longos apertos irritantes.
  • Paramos no mercado de uma vila no caminho para comprar nan e romãs tao doces como eu nunca vi.
  • A paisagem foi ficando montanhosa e muito bonita, apesar de completamente árida. Rumávamos ao longo de um rio quase seco em direção a montanhas altíssimas de pico nevado que Anwar disse ser do Himalaya. Isso ergueu bastante o meu humor. Disse também que o Pamir era parte do Himalaya. A estrada levava ao Pakistan e era bem melhor que a que ia ao Kyrkyzstan.
  • O lago tem talvez o mesmo tamanho da Lagoa Rodrigo de Freitas no Rio, mas é mais comprido e com certeza mais raso. Era envolvido primeiro por planícies de pastagem rala e depois por montanhas nevadas. Anwar disse que sua água é potável. Era também de um verde-turquesa incomum e arbitrário que saltava aos olhos no meio da paisagem desértica.
  • Estava razoavelmente frio mas o forte vento gelado fazia ser um pouco sofrido ficar lá. Não estávamos preparados para aquilo. Depois de uma caminhada, voltamos para o carro.
  • Fomos para o outro lado onde havia uma grande planície bem delimitada pelas montanhas e o lago, e onde camelos, jumentos e iaks pastavam livremente. Pulamos uma cerca, corremos atrás dos bichos fujões, tiramos umas fotos e voltamos para o carro quentinho.

Caça ao Sorvete de Ouro

  • Dormimos praticamente toda a volta e chegamos em Kashgar umas 16:30 secos por um sorvete. Marcamos com Anwar jantar às 20h, despedimos e fomos bater perna.
  • Perto da rua das lojas e galerias encontramos uma feira que parecia a sucursal chinesa-han do Mercado de Kashgar do dia anterior, que era mais uyghur. Muitos restaurantes/barracas de lamen e umas carnes estranhas. Conforme passávamos nos chamavam para comer.
  • Nos enchemos de procurar um sorvete descente e tascamos uns picolés vagabundos por 1 yuan cada.

Regras Sociais

  • Ai entramos em um restaurante fancy chamado Eversun Cafe, de “westfood”. Tinha ambiente agradável, tocava uma musica zen e o cardápio era bem mais caro que a média, mas ainda barato para padrões paulistanos. Pensamos em pedir ao Anwar nos levar para jantar ali mais tarde, mas precisávamos arquitetar como burlar seu preconceito aos chineses-han, e ver se seu budget do dia para refeições cobria aquela conta.
  • Chegamos no hotel umas 19h e tentamos usar a Internet lá mesmo, em computadores bem piores, link mais lento, por 8 yuan a hora (contra os 2 yuan do outro dia). Deixaram-nos instalar o Gizmo para telefonar mas não funcionou. Respondemos uns e-mails, organizamos umas fotos e Anwar chegou.
  • Levou-nos a um restaurante paquistanês atravessando a rua que era feio, tinha moscas e não inspirava. Sugeri irmos ao uyghur do primeiro dia, pedimos basicamente as mesmas coisas e foi ótimo.
  • Conversamos sobre casamento e dote, virgindade, aborto, independência das mulheres e dos jovens. A certa altura não olhava mais para a Tati devido as coisas que ele dizia, como a mulher ter que casar virgem, ser impura caso contrário e ser inaceitável um casal morar junto sem estar casado. Ficou um pouco constrangido no final porque, acredito eu, nossos argumentos eram muito mais fortes e bem embasados.
  • Talvez Anwar não seja a melhor pessoa para defender sua civilização, mas todos os exemplos que dava mostravam como essa sociedade era materialista, voltada às aparências, machista e atrasada aos nossos olhos ocidentais, apesar de ter uma veste espiritual e altruísta. O mais impressionante para nós foi ver até que ponto esses códigos estavam gravados em seu Eu porque mesmo vivendo um casamento aparentemente infeliz — ou ao menos indiferente —, Anwar continuava defendendo a virgindade, a compra da esposa pelo futuro marido, a castidade antes — e até depois — do casamento, e desprezava a “sujeira” das relações sexuais e a vilania do prazer.
  • Depois de nos despedirmos, comemoramos a sorte de termos nascido numa sociedade como a nossa, mesmo com todas as suas imperfeições.
  • Chegamos umas 22h no quarto, fizemos as malas, tomamos banho e fomos dormir.