O judaismo e sua “não definição”

Sou de família judaica e já pensei muito sobre este assunto (comentando um artigo de minha amiga Andréa Kogan), decorrente de, na minha adolescência, começar a achar certas coisas muito esquisitas e essencialmente preconceituosas.

Conclui que há o judaísmo religião e há o judaísmo cultura (relacionado a história de um povo etc). E tomei a posição de ser um péssimo judeu religioso por achar a religião judaica, encarnada aparentemente em tradições que não fazem nenhum sentido, deveras obsoleta e desatualizada. Em termos de conhecimento e cultura espiritual, acho que há coisas melhores hoje em dia, como o espiritismo e bahai (não sei se é assim que se escreve).

Mas também me considero um judeu-cultural por excelência, pela forma como sinto a conexão com minhas raízes, com a história. É-me emocionante. Ah, e sou também um excelente judeu que vai em festas pois adoro as pessoas, comidas típicas e tal.

Promover a comunidade, quando não há intenções de segregação, é a melhor e mais duradoura característica do judaísmo.

Este meu comentário também apareceu no Facebook.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>