Nefasta campanha de estatísticas de audição do Spotify

Sem chance de eu obter qualquer estatística sobre meus gostos musicais, artistas e músicas que mais ouço. Ora, porque não uso Spotify. Ouço música majoritariamente de meu acervo pessoal (via Jellyfin, Kodi e outros tocadores) ou no Tidal que ganhei do plano de telefonia. E também em rádios como Soma.FM, Mixcloud, Rádio USP FM e Cultura FM onde o repertório é feito diretamente por humanos.

Read More
Relaxing Orient album

Relaxing Orient album

Relaxing Orient album

Relaxing Orient” is an album I’ve been listening to for years to meditate, relax, calm down, or work with focus. It consists of 21 instrumental tracks, virtually percussion-free, very slow, and featuring textures, melodies, and instruments from the Far East. It takes me on a journey.

The artists on the album are Wayne Jones, Karen Hua-Qi Han, and Amy Hayashi-Jones. Wayne Jones, in particular, has other excellent albums of completely different styles that are worth checking out.

It’s available on all music platforms.

TidalYouTube Music

Also on my Facebook.

Barbie Girl

Andei muito pela Av. Paulista e diversos xópens nos últimos dias e vi uma enormidade de gente vestindo cor-de-rosa para celebrar o filme da Barbie.

Para mim isso é um grande e bem-vindo déjà vu à belíssima canção Barbie Girl de 1997 do Aqua, que deixo aqui em inúmeras versões deliciosas.

Somos todos pela cultura pop!

A canção original de 1997, do Aqua
Read More

Estação de Rádio a partir de uma Música

Todas as plataformas de música têm uma função incrível que cria uma estação de rádio a partir de uma música. Aí comecei com «The Captain of Her Heart», da banda suíça Double, e o que se seguiu foi um pé na jaca das coisas mais melecadas e saudosas dos anos 80. Já salvei a playlist como “Cheesy 80s”.

Não preciso nem dizer que é prá você experimentar também a função com a música que mais estiver a fim de ouvir no momento.

Chamamé Latino-americano

O Chamamé latino-americano está para a bacia do Rio da Prata (Pantanal brasileiro, Misiones na Argentina, Pampas paraguaio, Uruguay) assim como o Blues americano está para a bacia do Rio Mississippi.

— Almir Sater, violeiro pantaneiro

Lembre-se disso sempre que for ouvir um Blues americano sem nunca ter ouvido um Chamamé latino-americano.

O violeiro gaúcho Valdir Verona faz essa ponte com seu Chamamé Blues #2.

Publicado também no Facebook.

Canção Um Índio, de Caetano

Esta canção voltou à minha cabeça creio que por causa das coisas que ando lendo sobre mudança climática, decadência social de grande quantidade de pessoas etc.

Fala de uma Terra depredada pela civilização e aí vem um índio-messias que deixa todos atonitos por falar e fazer nada mais do que o óbvio.

Uma pessoa — Caetano Veloso — que escreve uma letra profética como esta, já em 1976, 45 anos atrás, merece todo o meu respeito.


Um índio descerá de uma estrela colorida e brilhante
De uma estrela que virá numa velocidade estonteante
E pousará no coração do hemisfério sul
Na América, num claro instante
Depois de exterminada a última nação indígena
E o espírito dos pássaros das fontes de água límpida
Mais avançado que a mais avançada
Das mais avançadas das tecnologias
Virá, impávido que nem Muhammed Ali, virá que eu vi
Apaixonadamente como Peri, virá que eu vi
Tranquilo e infalível como Bruce Lee, virá que eu vi
O axé do afoxé, filhos de Ghandi, virá
Um índio preservado em pleno corpo físico
Em todo sólido, todo gás e todo líquido
Em átomos, palavras, alma, cor, em gesto, em cheiro
Em sombra, em luz, em som magnífico
Num ponto equidistante entre o Atlântico e o Pacífico
Do objeto, sim, resplandecente descerá o índio
E as coisas que eu sei que ele dirá, fará, não sei dizer
Assim, de um modo explícito
Virá, impávido que nem Muhammed Ali, virá que eu vi
Apaixonadamente como Peri, virá que eu vi
Tranquilo e infalível como Bruce Lee, virá que eu vi
O axé do afoxé, filhos de Ghandi, virá
E aquilo que nesse momento se revelará aos povos
Surpreenderá a todos, não por ser exótico
Mas pelo fato de poder ter sempre estado oculto
Quando terá sido o óbvio

Publicado também no Facebook.

Encontro com Caetano Veloso

O coração pulou num show praticamente privado que Caetano Veloso nos concedeu na Casa do Povo. Uma hora de canções conhecidíssimas, que ele poderia ter extendido por muito mais tempo, pois tem repertório para tal. Performou super afinado, em ótima forma e técnica e fez questão de espontaneamente se declarar “de esquerda” no palco.

Caetano Veloso na Casa do Povo em 2018-05-27

Após o show tive o privilégio de conversar com a figura quase mítica. Contou histórias sobre as décadas de 60, 70, 80 etc. Contei que ao longo de seu show lembrei de sua canção «Prá Ninguém» e ele por sua vez contou sua história, desconhecida para mim. Em 1993 Chico Buarque escreveu a música «Para Todos» que Caetano ouviu pela primeira vez na casa do autor e chorou de emoção ali mesmo. «Prá Ninguém» é a resposta de Caetano para a canção de Chico, poema musicado que cita um monte de cantores e suas canções famosas compostas por outros. Disse também, quase como um segredo, que João Gilberto adora a canção de Chico, e a partir daí contou diversas histórias malucas sobre João.

Que noite !

Canção Paratodos, de Chico Buarque
Canção Prá Ninguém, de Caetano Veloso

Impressões sobre o show do Vento em Madeira

VentoEmMadeira
Ontem, 16 de junho de 2015, fui ao show do Quinteto Vento em Madeira no Centro Cultural Cachuera. Dividiram o palco com Mônica Salmaso. Apesar da presença da cantora, não foi um show de MPB. Mônica novamente exercitou seu lado B jazzístico, deixou as letras de lado e ficou só no tum-dá-chibum dos scats.

O quinteto é liderado pela ótima flautista Léa Freire que tem um longo currículo de composições e gravações muito boas. Há também Teco Cardoso, que já me fez perder a conta de quantos álbuns monumentais da Música Instrumental Brasileira ele participa. De Ulisses Rocha a Orquestra Popular de Câmara, ao Pau Brasil, enfim… Em boa parte do show os sopros de ambos participaram de exuberantes diálogos: sax baixo de Teco subia quando a flauta de Léa descia e assim por diante.

Como bons representantes da cena instrumental paulistana, o Quinteto Vento em Madeira é vanguardista. Digo isso como um contraponto à cena carioca, que é mais renovadora do bom e velho choro/bossa/samba em roupagem instrumental. Mas voltando à vanguarda paulistana, ela é avançada, ou seja, exige algumas boas “escutadas” por ouvidos já amaciados para que seja apreciada. É o caso do Duofel, Grupo Medusa, Feijão de Corda, D’Alma e outros daqui da Pauliceia, que preferem a jornada do experimentalismo dissonante ao invés do pop instrumental.

Mas esse não é, repito: NÃO É, o caso do Vento em Madeira. Apesar de claramente soarem como a geografia vanguardista paulistana, eles conseguem ser fáceis e deliciosos. Ocupam assim um espaço incomum, difícil de preencher e é isso o que faz o Vento em Madeira extraordinário. Talvez pelo comando da natureza melódica dos instrumentos de Léa e Teco, talvez porque se projetaram assim, sei lá. E não importa. O que importa é que foi um dos melhores shows que fui nos últimos tempos, composições automaticamente inspiradoras e melódicas à moda antiga, só que tudo novinho em folha.

Acho também que eles tinham que sequestrar a Mônica de vez e virar um sexteto. Esse negócio de “participação especial” já não cola mais porque a gente sabe que ela tá em todas. E se arriscar muito ela passa a Joyce que para mim é ainda a maior “scater” do Brasil.

Uma coisa que me deixa mordido de feliz são os maracatus que aparecem do nada no meio das músicas. Adoro maracatu. Não há nada mais brasileiro, intenso e chacoalhante do que maracatu. E é tudo culpa do baterista Edu Ribeiro. O pianista Tiago Costa também se destacou como autor de ótimas composições.

Ponto marcante do show foi o veterano pianista Amilton Godói (ex-Zimbo Trio) roubar a cena com Léa, ele no piano, ela na flauta contra-baixo, instrumento este que eu nunca tinha visto nem ouvido. Do tamanho de uma pessoa de pé, soa grave e delicado, acompanhamento perfeito para a suave composição de Amilton.

Tem que ser muito petulante, ou escravo de rádio ruim, ou tremendamente desinformado prá dizer que a Música Brasileira está perdida, que não se faz mais coisa boa por aqui. O Vento em Madeira está aqui prá desdizer isso.

Fiquei feliz também que veio meu amigo Luiz e ganhei dele um álbum do violeiro Levi Ramiro que adoro. E que também consegui convencer meu ocupado colega de trabalho Alvaro Guimaraes, flautista, a adiar seus afazeres profissionais e vir ao show.

Coral Russo Sretensky no Mosteiro de São Bento

Conforme havia twittado ontem, assisti ao Coral Russo do Monastério Sretensky ontem no Mosteiro de São Bento.

Filas gigantescas e mosteiro lotadíssimo garantiram que assistiríamos de pé. Mas valeu a pena. Um coral de uns 30 homens soltaram a voz que ecoou forte no teto alto da catedral.

Quando fui a Russia, no ano passado, descobri os corais sacros de lá e fiquei exaltado. Esperava aquele tipo de música inspiradora mas a apresentação de ontem foi mais folclórica, popular e de ritmos mais rápidos. Bom também.

Devo parte da diversão de ontem à visão dos litúrgicos da Igreja Ortodoxa Russa, com suas longas barbas e que se vestem de forma peculiar aos nossos olhos brasileiros.

Sobre o Mosteiro de São Bento, no centro de São Paulo, nunca havia entrado antes. Muito bem decorado e preservado, com diversas inscrições em latim, imagens de santos, anjos etc. Vale a visita.

Almanaque Brasil

Que delícia que é ler o Almanaque Brasil. Faz um monótono vôo (da TAM no caso, onde ele é distribuido gratuitamente) passar bem mais rápido.

Creative Commons logoÉ o tipo de revista que a gente lê de cabo a rabo. E como o vôo foi longo, lá no comecinho descobri que todo seu conteúdo é Creative Commons, incentivando sua disseminação.

E já que é assim, vou copiar para cá algo que aprendi em sua sessão Lambe-Lambe da edição 111 da revista, sobre como nasceu a música mais famosa do Brasil, a Garota de Ipanema, num único célebre encontro de seus autores Tom Jobim, Vinicius de Moraes e João Gilberto em 1962 no restaurante Au Bon Gourmet no Rio. Conta que precederam a primeira apresentação com o seguinte diáglogo:

  • João: Tom, e se você fizesse agora uma canção que possa nos dizer, contar o que é o amor ?
  • Tom: Olha, Joãozinho, eu não saberia sem Vinicius para fazer a poesia.
  • Vinicius: Para essa canção se realizar, quem dera o João para cantar.
  • João: Ah, mas quem sou eu? Eu sou mais vocês. Que bom se nós cantássemos os três.
  • Todos: ♪ Olha que coisa mais linda, mais cheia de graça… ♪

Virada Cultural 2008

A Virada Cultural Fico sem fôlego de tanta emoção que me causou a Virada Cultural que aconteceu este final de semana. É um evento simplesmente fantástico, genial, alucinante, maravilhoso e qualquer outro adjetivo que você possa imaginar.

Para quem ainda não sabe o que é, instituiram que em um certo final de semana perto de abril e maio de todos os anos, a cidade de São Paulo inteira — mas principalmente o centro — abrigará 24 horas ininterruptas de atividade cultural gratuita, indiscriminada, intensa e a céu aberto. Vai de música, a teatro, a cinema, a dança e por aí vai. Começou sábado umas 17:00 e foi até o final da tarde de domingo. E olha, não dá pra descrever o que foi aquilo, mas vou tentar.

Tenho a sorte de morar perto do centro e fizemos todos os programas a pé. Os dias estavam lindos e nos divertimos à beça. Confira:

  • Madeira de Vento, Theatro São Pedro, sábado às 22:00
    Um quinteto de clarinetes que fez um show belíssimo de música instrumental brasileira, percorrendo várias composições de choro, maxixe etc. Os músicos têm formação erudita e trouxeram toda sua experiência sublime aos refinados arranjos para música popular. Na verdade a música popular também emprestou um cromatismo todo vivo e alegre à sua formação erudita. Um “sopro” novo na rica cena da Música Instrumental Brasileira.
  • Galera vibrando com o show do Teatro MágicoTeatro Mágico, palco da Av. São João com R. Aurora, domingo às 9:00
    Nunca ouvi esse grupo mas foram muito bem recomendados por amigos. Um show lotado de moçada que conhecia todas as letras, cantava as músicas em coro e usava camisetas com trechos de suas poesias. Seu estilo musical é bem legal com letras jovens e inteligentes que me lembraram os Smiths, mas sem sua conhecida melancolia. O Teatro Mágico faz sucesso sem tocar em rádio porque são independentes (ou seja, não têm uma gravadora por trás para ficar pedindo que as rádios toquem seus albuns). São conhecidos porque deixam suas canções disponíveis para download em seu site, e ainda por cima promovem que copiem suas músicas a vontade.
  • River Boat Jazz Quartet no terraço do Bar Brahma, Av. São João com Av. Ipiranga, às 10:30
    Este não estava no programa. Íamos para o Municipal e fomos dragados pelas deliciosas notas desse conjunto de músicos alegres e de instrumentos um tanto bizarros. Dançamos, tiramos fotos e nos divertimos com o resto do povo que também foi pego de surpresa.
  • Grupo de Dixieland no Bar Brahma

  • Eduardo Gudin, Paulo Cesar Pinheiro e Marcia no Teatro Municipal, às 12:00
    Depois da fila em baixo do sol do meio-dia, veio o conforto e beleza do Municipal. Paulo Cesar Pinheiro — marido de Clara Nunes e um dos mais importantes compositores de Samba e MPB — foi saudado de pé ao entrar no palco. Ele e os outros bambas mandaram ver como é que se faz a fina flor da nossa música melodiosa e de rimas ricas. Estávamos diante dos dinossauros da música brasileira.
  • Tarancón, palco da Av. Rio Branco com Av. Ipiranga, às 13:00
    Saimos às pressas do Municipal para ainda pegar este show, e conseguimos. A música do Tarancón é singular na Terra do Samba. Praticam um estilo musical mais popular na Bolívia, Chile e Peru, chamado de Latino Americano. Lançam mão dos charangos, tambores de pele, flautas de bambu e outros instrumentos indígenas e marcaram melodiosamente a raridade global da música deste continente, cantando em português, espanhol e quechua. O Canto Lunar foi deveras emocionante e sua apresentação fez as pessoas dançarem em roda como se fossemos integrantes de uma única grande tripo global. ♪ Ó Lua, navega serena, vai de Ipanema ao céu do Irã ♪.
  • Renato Borghetti, palco da Av. Rio Branco com Av. Ipiranga, às 15:00
    A música de Renato Borghetti fica em algum ponto nebuloso entre o totalmente gaudério e o totalmente jazz contemporâneo. E também surpreende indo do sul-anteroidal ao norte-gonzagueante. Cá entre nós, quanto mais ele se movimentar em todas as geografias mais a gente gosta, afinal, este país é ou não é um caldeirão de estilos? Tocou a gauchíssima Redomona com sua gaita-ponto junto com os dedos velozes e precisos de Daniel Sá no violão. Alucinante.
  • Renato Borghetti e sua Gaita-ponto

Mas o mais bonito da Virada foram “aquelas pessoas andando pelo centro da cidade como donas do local” — para usar as palavras do Andre que resumiu bem o evento. Outro grande amigo também disse exatamente a mesma coisa e eu tenho que concordar com ambos.

Lamento não ter ido nos Bossacucanova, Tetê, nos violeiros do Mercado Municipal, Pepeu, Kroma, Celso Pixinga, e tantos outros que queria ver e prestigiar, isso sem nem contar as apresentações de dança, maratonas de cinema, teatro etc.

Ano que vem não perco a Virada por nada. Se tiver viagem, desmarco. Compromisso inadiável, falto. Se adoecer, fico são na hora. Mas vou. E espero encontrar você lá.

Veja também o mapa do Centro e os locais destes shows:

center
markers

Minha Virada Cultural

Esta é a programação que pretendo fazer nesta Virada Cultural. São as coisas que eu quero ver, e em vermelho as coisas que mais quero e pretendo conseguir.

Este ano o foco vai ser só música. Não dá pra fazer tudo… 🙁

[link só prá planilha]