Dicas para uma Paris alternativa

Eis uma lista de dicas que costumo mandar para amigos que vão para Paris. Dicas que não são encontradas em qualquer lugar.

Tem um mapa com alguns desses pontos aqui.
Instale o Google Maps no seu celular e copie esse mapa pro seu Google Drive prá fazer os landmarks aparecerem no seu celular.

  1. Passeie pelo bairro Marais. É antigo mas cheio de jovens, ruazinhas, falafel e crepe.
  2. Imperdível: no Marais, na minúscula rua Bourg Tibourg tem a minúscula perfumaria L’Artisain Perfumeur. Olhe pro lugar não como loja mas como um museu de cheiros sensacionais. Eu acho esse lugar incrível. Torre €90 prá comprar um frasco. Tinha uma época que a davam 20% de desconto na segunda compra, então compre uma coisa barata na primeira compra e a coisa cara na segunda. Prá presente, eles tem caixas com amostras de diversos perfumes. Peça também amostras grátis que eles dão de montão.
  3. Ao lado, tem o Mariage Frère, uma loja antiga de chás muito bons. Vendem a granel. A loja é bonita e pode-se tomar chá lá também, mas eu prefiro comprar prá fazer em casa, no Brèsille. Vá de Plain Lune, Marco Polo ou um chá salgado que eles tem. Ou escolha outros pelo cheiro.
  4. Suba o morro até o Sacré-Cœur. O lugar é bem turístico, cheio da juventude, não falha. Desça pelo outro lado, prá conhecer mais bairros.
  5. A torre Eiffel é muito interessante de se visitar, mas tem filas enormes prá subir. Eu nunca subi. Repare nos nomes de dezenas de cientistas e engenheiros gravados no mezanino. Muito emocionante.
  6. No verão acontece o Paris Plages que transforma o Sena numa longa praia com pequenos eventos na beira do rio. Legal prá passear, correr, alugar bike de graça, sentir a vida parisiense.
  7. Há o serviço Batobus no rio Sena que pára em várias estações. Você entra e sai onde quiser, tipo torre Eiffel. Compre passe diário e divirta-se.
  8. Vá ao Louvre, tire fotos com nas pirâmides no pátio, mas sugiro entrar somente se você for um estudioso entusiasta da arte. O museu é enorme, precisa-se de semanas para conhecê-lo direito e não vale a pena se vc tiver pouco tempo. Minha esposa conhece e gosta de arte e usou passe de longo prazo quando morava lá. É massante. Veja a Monalisa na Internet com mais calma. Eu fui prá Paris umas 4 vezes e nunca entrei no Louvre.
  9. Vá ao museu d’Orsay. É pequeno (2 ou 3h prá visitar tudo) e muito muito bonito. Tem Rodin, Degas, Monet, Toulouse-Lautrec e outros impressionistas. Acho que existe app pro iPhone que serve de guia.
  10. Jarim Luxembourg
  11. Jardins des Tuileries
  12. O Arco do Triunfo na Champs Élysées é uma região muito turística, cheia de gente, mas ele fica no meio do Axe historique onde uma série de monumentos se alinham e pode-se vê-los um dentro do outro
  13. …e o melhor lugar prá ver isso acho que é no Place de la Concorde, onde há o original obelisco egipcio.
  14. Ile de La Cité é a ilha central onde a cidade começou e é onde fica a Catedral Notre Dame. As pontes que conectam a ilha ao continente tem cadeados que as pessoas deixam lá como promessa.
  15. Tem uma sorveteria muito famosa numa das ilhas. Não lembro o nome…
  16. As pontes do Sena no verão são chão para piquenique dos parisienses no fim da tarde. Galera senta no chão e abre o vinho. Cada ponte tem uma história. A Pont Neuf é a mais antiga.
  17. Onde se lê “é” fale “ê”. E onde se lê “è” fale “é”. Demorei prá descobrir isso.
  18. Imperdível: vá a Fromagerie Laurent Dubois. Fromagerie é “queijaria”. Evite sábados e domingos de manhã pois há fila e você precisará de atendimento premium prá provar lascas de tudo. Prove os queijos, escolha e peça para embrulhar a vácuo e traga de presente para amigos no Brèsille. Os que mais gosto são o bleu (tipo rockfort ou o próprio rockfort verdadeiro e de origem controlada), o comté (tipo suiço) e o camembert e variações, mas tem uns 800 outros tipos lá, de cabra, de ovelha etc. Compre a vácuo prá trazer ao Brèsille no dia que você estiver voltando. Não antes. Mantenha em geladeira até o último momento e não espere muito prá comer no Brèsille. Eu costumo colocar 3 pedaços pequenos de queijos diferentes em cada envelope a vácuo e cada envelope vai de presente prum amigo diferente. Se o Dubois for fora de mão, há outras queijarias, mas não encontrei outras tão impressionantes e tradicionais. Última viagem trouxe uns 12 envelopes da felicidade prá distribuir. Não compre queijos no supermercado.
  19. Compre também saussiçon, um salame defumado muito cheiroso.
  20. Vende-se também nos supermercados latas de escargot e de patês de fígado de pato e de ganso. Fique à vontade…
  21. Vá a boulangers (padarias) porque os pães são ótimos, principalmente os com sementes. Tem em todo canto. Nos boulangers há o famoso pain au chocolat, uma espécie de croissant recheado de chocolate. E também o com amêndoas.
  22. Nas patisseries (tipo de docerias) há o famoso macaron de vários sabores, que é uma espécie de sanduichinho colorido com massa de farinha de amendoa. Delícia total. Dizem que o melhor macaron de Paris é o Ladurée Royale, mas é super metido a besta; fica perto do metrô Madeleine. Sugiro não trazer pro Brèsille pq é super frágil. Coma em Paris.
  23. Vá ao Le Calbar, um bar minúsculo numa rua minúscula cujo dono e barman é mundialmente premiado e faz uns coquetéis diferentes e decliciosos. Um amigo parisiense me levou lá e adoramos. É coisa de local, turista não conheçe.
  24. Verão na Europa produz melões rosados sensacionais, pêssegos, ameixas e nectarinas suculentos. Dificil encontrar assim no Brèsille.
  25. Fique atento a postes baixos de metal com uma placa em formato de brasão. São pontos históricos. Nesses lugares há casas medievais curiosas e entortadas pelo tempo, ou outros monumentos históricos.
  26. Repare na arquitetura art nouveau das estações de metrô. Adoro.
  27. Jantamos um dia num restaurante chamado La Terrasse Saint Catherine, apinhado de gente. Nem lembro da comida, mas fica numa praça charmosíssima onde músicos de rua se apresentavam e crianças brincavam. Super idílico. Paris é cheia dessas micro-praças ultra-lindas. Ligue antes para reservar.
  28. Outro jantar maneiro foi no judaico Chez Marianne, no Marais. Nada de especial, mas cito porque só tenho boas lembranças. As mesas geralmente são na calçada em todos os restaurantes… as pessoas adoram ver outras pessoas passando na rua.
  29. Aproveite a diferença de fuso prá fazer noites extendidas. Vale a pena.

Tem os landmarks famosos aqui, mas não é o roteiro que eu focaria: https://en.wikipedia.org/wiki/Landmarks_in_Paris

Receita de Pimentões Assados

pimentoes-assadosIngredientes

  • Pimentões vermelhos e verdes
  • Sal, vinagre, açúcar (ou adoçante)
  • Azeite de oliva

Preparo

  1. Asse os pimentões diretamente no fogo da boca do fogão até queimarem em todos os lugares.
  2. Insira-os em sacos plásticos fechados até esfriarem. Continuarão cozinhando dentro do saco com seu próprio calor.
  3. Remova a fina pele dos pimentões debaixo de água corrente da torneira e sobre uma peneira grande, até ficarem limpos. Remova também as sementes.
  4. Corte ao meio de forma que se tire 2 “bifes” de cada pimentão.
  5. Tempere a gosto e misture com sal, vinagre, azeite de oliva e um pouco de açúcar ou adoçante.

US bank account for non-US citizens

I’ve searched for a long time and finally found a US regular bank that will let me open a free checking account. It is BBVA Compass bank.

All these services are free: ATM withdraw and deposit (BBVA’s and AllPoint ATMs), full featured Internet banking, full featured mobile banking, Visa debit card, Apple Pay and more. The non-free services are listed here and exact rates depend on the US state where the account was opened.

bbva-logo

To open a checking account, you must personally visit a physical branch in US and spend 40 minutes on an interview. You will leave the branch with an open account and routing numbers containing a $26 balance plus valid user and password that can be used on BBVA’s app and Internet banking. Free Visa debit card will arrive to some US address in a week or two, so no ATM until then.

They have 2 free checking account types. You should chose the one that includes free or charge AllPoint ATM usage which are very popular throughout US, and can be found in almost every 7 Eleven store. Use the AllPoint app to find one near you. (more…)

Impressões sobre o show do Vento em Madeira

VentoEmMadeira
Ontem, 16 de junho de 2015, fui ao show do Quinteto Vento em Madeira no Centro Cultural Cachuera. Dividiram o palco com Mônica Salmaso. Apesar da presença da cantora, não foi um show de MPB. Mônica novamente exercitou seu lado B jazzístico, deixou as letras de lado e ficou só no tum-dá-chibum dos scats.

O quinteto é liderado pela ótima flautista Léa Freire que tem um longo currículo de composições e gravações muito boas. Há também Teco Cardoso, que já me fez perder a conta de quantos álbuns monumentais da Música Instrumental Brasileira ele participa. De Ulisses Rocha a Orquestra Popular de Câmara, ao Pau Brasil, enfim… Em boa parte do show os sopros de ambos participaram de exuberantes diálogos: sax baixo de Teco subia quando a flauta de Léa descia e assim por diante.

Como bons representantes da cena instrumental paulistana, o Quinteto Vento em Madeira é vanguardista. Digo isso como um contraponto à cena carioca, que é mais renovadora do bom e velho choro/bossa/samba em roupagem instrumental. Mas voltando à vanguarda paulistana, ela é avançada, ou seja, exige algumas boas “escutadas” por ouvidos já amaciados para que seja apreciada. É o caso do Duofel, Grupo Medusa, Feijão de Corda, D’Alma e outros daqui da Pauliceia, que preferem a jornada do experimentalismo dissonante ao invés do pop instrumental.

Mas esse não é, repito: NÃO É, o caso do Vento em Madeira. Apesar de claramente soarem como a geografia vanguardista paulistana, eles conseguem ser fáceis e deliciosos. Ocupam assim um espaço incomum, difícil de preencher e é isso o que faz o Vento em Madeira extraordinário. Talvez pelo comando da natureza melódica dos instrumentos de Léa e Teco, talvez porque se projetaram assim, sei lá. E não importa. O que importa é que foi um dos melhores shows que fui nos últimos tempos, composições automaticamente inspiradoras e melódicas à moda antiga, só que tudo novinho em folha.

Acho também que eles tinham que sequestrar a Mônica de vez e virar um sexteto. Esse negócio de “participação especial” já não cola mais porque a gente sabe que ela tá em todas. E se arriscar muito ela passa a Joyce que para mim é ainda a maior “scater” do Brasil.

Uma coisa que me deixa mordido de feliz são os maracatus que aparecem do nada no meio das músicas. Adoro maracatu. Não há nada mais brasileiro, intenso e chacoalhante do que maracatu. E é tudo culpa do baterista Edu Ribeiro. O pianista Tiago Costa também se destacou como autor de ótimas composições.

Ponto marcante do show foi o veterano pianista Amilton Godói (ex-Zimbo Trio) roubar a cena com Léa, ele no piano, ela na flauta contra-baixo, instrumento este que eu nunca tinha visto nem ouvido. Do tamanho de uma pessoa de pé, soa grave e delicado, acompanhamento perfeito para a suave composição de Amilton.

Tem que ser muito petulante, ou escravo de rádio ruim, ou tremendamente desinformado prá dizer que a Música Brasileira está perdida, que não se faz mais coisa boa por aqui. O Vento em Madeira está aqui prá desdizer isso.

Fiquei feliz também que veio meu amigo Luiz e ganhei dele um álbum do violeiro Levi Ramiro que adoro. E que também consegui convencer meu ocupado colega de trabalho Alvaro Guimaraes, flautista, a adiar seus afazeres profissionais e vir ao show.

SMS sem Ansiedade

SMS, WhatsApp, iMessage, Hangouts mudaram a forma como nos comunicamos.

Só não podemos nos deixar cair na armadilha de achar que a mensagem entrou no cérebro do destinatário quando aparece ✔✔. Evite ansiedade desnecessária pois o destinatário pode estar ocupado, esqueceu de responder ou simplesmente viu mas não leu direito.

De resto essas Apps são adoráveis mesmo.

Publicado também no Facebook.

O problema em fazer tudo o que seu filho quer…

O problema em fazer tudo o que seu filho quer não é exatamente ele ficar mimado. Se ele ficar, no futuro (um tempo e espaço que ainda não existe), depois a vida conserta, é um problema menor.

O verdadeiro dilema, hoje, é isso transformar a vida dos pais num inferno. Dá prá medir isso por quanto você, pai/mãe, sucumbe aos caprichos dos filhos. A palavra chave aqui é “capricho”. Pais devem saber diferenciar capricho de necessidade real dos filhos. Choro de criança é uma força extremamente potente da natureza, tipo, é muito difícil não se comover e não agir, principalmente para as mães e avós, que são mais sensíveis. Mas agir sempre no sentido de parar o choro é, de certa forma, sucumbir aos caprichos, então quem cuida deve aprender a ser forte, eventualmente deixar chorar, saber identificar o verdadeiro motivo do choro, conseguir interpretar se está realmente doendo ou se simplesmente quer o iPad ou chocolate na hora errada. E fazer tudo com ternura, mas se permitir endurecer quando necessário. Essa é a sabedoria que se adquire na paternidade/maternidade.

Você só possui o presente, o futuro não existe. Não aja de forma a moldar seus filhos, é sacrifício demais para algo que está 1000‰ fora do seu controle.

Eu acredito que a melhor paternidade/maternidade é aquela que é regada de amor. Inclusive amor próprio.

Publicado também no Facebook.

Se você tiver vontade de abandonar o Brasil…

Se você tiver vontade de abandonar o Brasil, ir embora de vez porque está cansado disso tudo, deve parar e perguntar se a sua vida está mesmo tão ruim assim. E se essa ruindade toda é mesmo culpa do país onde você vive.

Há muitas pessoas que displicentemente falam mal de tudo com bem pouca profundidade. E isso é enormemente amplificado pelas usinas de circulação de pensamento que são as redes sociais. Tem certeza que você não está sendo facilmente influenciado por isso ? (more…)

Ode às Redes Sociais e à Livre Circulação de Pensamento

Tirando uns 60% de conteúdo ainda meio supérfluo, redes como Facebook e Twitter são ferramentas sem precedentes na história da humanidade.

Se você consegue enxergar além da piadinha, da foto do bebê e do bichinho, perceberá que tratam-se de verdadeiras usinas de difusão e circulação de pensamento que mantém a mente fascinada, o raciocinio arejado e o coração aberto.

Não menospreze essas ferramentas alegando que prefere relações pessoais cara a cara. É como rejeitar voar só porque a natureza não te deu asas. É como esnobar Paris só porque você é carioca da gema. Já superamos isso, é uma desculpa ingênua, que não cola, que soa mal e não “cool”.

Seja um partícipe na circulação do pensamento. As idéias, a informação, o pensamento, tudo isso quer ser útil, de alto alcance, para transformar. Não exclusivo, não de difícil acesso e nem caro. Esses sistemas de engajamento podem completar e potencializar o melhor de você como qualquer ferramenta quando usada para o bem, só que de uma forma nunca antes vista na história desta humanidade.

Paz de Espírito

Não vim aqui para ter paz. Paz terei quando morrer.

Vim aqui para interagir com as pessoas, com as coisas e com o mundo. Despertar interesses, sensibilidade que vai além dos sentidos físicos e assim superar as aparências. Vim experimentar relacionamentos com o mínimo de diplomacia possível, pois esta esconde a essência e as verdadeiras intenções.

Sou muito jovem para ter paz. Há muito o que observar e aprender sobre o universo. Há muito o que se pensar e concluir, pois a opinião pronta dos outros me servirá no máximo como mais um parâmetro para a construção do meu próprio pensamento. E tudo isso é interessante e inquietante, fomentado pela minha infinita sede de saber. Ainda não há espaço para paz e isso é bom, pois é o tempo natural das coisas.

Desconfio de jovens com paz. Isso tem outro nome. Eu chamo de letargia, conformidade, desinteresse. Isso também é porta aberta para pensamentos alheios que não lhe são necessariamente úteis ou saudáveis. Publicidade, a ciência que estuda como fazer você desejar o que não precisa, quer essa porta aberta na sua cabeça. Quer você com “paz”.

No fim da vida, quando tiver acumulado diversas experiências edificantes, quando e se tiver a clara sensação de que cresci e junto ajudei o mundo a crescer, aí sim haverá espaço para paz na minha alma. E será um novo começo, leve e bem-vindo como a manhã fresca de um dia de folga.

Publicado também no Facebook

O judaismo e sua “não definição”

Sou de família judaica e já pensei muito sobre este assunto (comentando um artigo de minha amiga Andréa Kogan), decorrente de, na minha adolescência, começar a achar certas coisas muito esquisitas e essencialmente preconceituosas.

Conclui que há o judaísmo religião e há o judaísmo cultura (relacionado a história de um povo etc). E tomei a posição de ser um péssimo judeu religioso por achar a religião judaica, encarnada aparentemente em tradições que não fazem nenhum sentido, deveras obsoleta e desatualizada. Em termos de conhecimento e cultura espiritual, acho que há coisas melhores hoje em dia, como o espiritismo e bahai (não sei se é assim que se escreve).

Mas também me considero um judeu-cultural por excelência, pela forma como sinto a conexão com minhas raízes, com a história. É-me emocionante. Ah, e sou também um excelente judeu que vai em festas pois adoro as pessoas, comidas típicas e tal.

Promover a comunidade, quando não há intenções de segregação, é a melhor e mais duradoura característica do judaísmo.

Este meu comentário também apareceu no Facebook.

Inovação e o Filme do Steve Jobs

Jobs movie Ashton KutcherBom mesmo o filme sobre Steve Jobs, para mostrar como é árida a jornada para a Inovação. Como é solitário, como todos ficam te falando que está tudo errado.

Inovar não é repetir essa mesma palavra 800 vezes em PowerPoints. É ter Visão (A Centelha Motivadora), se preocupar com Detalhes e Persistir. Sendo que Visão é o fator menos importante porque ela muda, refina e se adapta durante a jornada. Persistir é deveras mais dispendioso para conseguir atravessar o mar de antiquados que tentarão te impedir.

Essa é pros loucos, pros deslocados, rebeldes, encrenqueiros, pros pinos redondos nos buracos quadrados… pros que vêem as coisas diferente — eles não curtem regras… Você pode citá-los, discordar deles, glorificar ou denegrí-los, mas a única coisa que você não pode fazer é ignorá-los, porque eles mudam as coisas… eles empurrar a humanidade prá frente, e enquanto alguns os vêem como loucos, nós vemos genialidade, porque aqueles que são loucos o suficiente prá achar que podem mudar o mundo, são os que mudam.

Rob Stiltanen & Ken Segall

Seis dicas para passar uma cantada ou iniciar uma conversa com qualquer pessoa

Vi estas dicas num blog, acho que é por aí mesmo e traduzo aqui as partes principais.

  1. Não fique só ouvindo, inicie um assunto.
  2. Procure no interlocutor(a) interesses em comum.
  3. Não entre em assuntos muito pessoais como política ou religião. Guarde esses para quando a sintonia já estiver mais armada.
  4. Mantenha amplos os tópicos da discussão, não entre em detalhes de mais.
  5. Deixe o interlocutor(a) falar também e escute. Especialmente as mulheres adoram serem ouvidas.
  6. Saiba a hora de parar, às vezes a química simplesmente não acontece.

Números de uma Pizzada

  • Número de pessoas presentes: 19
  • Quantidade de pizzas: 7
  • Cobertura mais pedida: margheritta
  • Preço aproximado de cada pizza em Reais: 60
  • A conta total em Reais, incluindo serviço: 790
  • A parte da conta em pizzas, em Reais incluindo serviço: 420
  • A parte da conta em caipirinhas, cervejas, bebidas e algumas sobremeses: 370
  • Peso da conta para a pizza (centro do programa): 53%
  • Peso da conta para bebidas e sobremesas (acessórios, apetrechos): 47%

Esses números foram coletados (e as pizzas comidas e o evento celebrado) na pizzaria Veridiana de Higienópolis. Pizza excelente, companhia excelente.

Conclusões:

  1. Pizza era um programa barato
  2. Beba antes de sair de casa
  3. Trace a sobremesa só quando voltar para casa

Como comprar e quanto custa um iPhone usado

Furtaram meu iPhone 3GS 32GB na festa de aniversário fechada da minha filha. Fiquei chateado, principalmente porque usava até o último recurso do aparelho de forma muito produtiva.

Decidi comprar outro, desta vez no Brasil mesmo, mas eu tinha um complicador: minha linha é corporativa. Isso significa que minha conta tem tarifas muitíssimo baixas, tanto que no longo prazo não compensaria abandoná-lo e mudar para outro plano que incluísse iPhone. Linha corporativa significa também que não acumulo pontos, coisa que é usada pelos mortais para trocar por aparelhos melhores [e, nas letras miudas do contrato, por mais fidelidade com a operadora].

Então fiquei com as seguintes alternativas: (more…)

Quanto Custa Não Ter Carro em São Paulo

Em abril contei para vocês que deixei de ter carro argumentado que minha vida ficaria mais verde e mais barata. Bem, vejamos.

Valorizo meu tempo e muitas vezes preciso chegar rápido aos meus destinos, então não penso duas vezes antes de chamar um taxi.

Mas cuidado. Não troquei um carro por um taxi. Esforço-me para encontrar carona (desenvolvi cara-de-pau para isso) e uso metrô e ônibus quando possível. Taxi é minha última opção quando não há nenhuma outra disponível.

Então vamos aos números:

  • Dias corridos que fiquei sem carro até hoje (8/abr — 15/dez): 251
  • Número de corridas de taxi nesse período: 65
  • Dinheiro total gasto com taxis: R$1.198,35
  • Gasto médio com taxi por dia (incluindo os dias que não usei taxi): R$4,79
  • Média de corridas por semana, no período: 1,82
  • Valor médio da corrida: R$18,43
  • Gasto médio mensal com corridas de taxi: R$143,2

Quando tinha carro, acredito que gastava uns R$300 por mês em combustível. Fora IPVA, seguro, manutenção, estacionamentos, preocupações, depreciação anual do carro, perda de custo de oportunidade. E multas, muitas multas injustas.

Novamente, cuidado ao interpretar esses números pois este é meu contexto de vida:

  • Minha esposa ainda mantém seu carro. Temos somente um carro na família — um Honda Fit. Carro pequeno, pois temos pavor ideológico e racional de carros grandes.
  • Minha esposa e eu trabalhamos próximos um do outro então é comum eu ir de manhã com ela de carro. Às vezes, se os horários coincidem, voltamos juntos de carro também.
  • Nos finais de semana as coisas acontecem mais em família então vamos juntos, de carro, para onde for.
  • Trabalho numa empresa enorme e sempre encontro uma boa alma que me dê carona para casa ou para muito próximo de casa.
  • A mesma coisa de manhã. As vezes vou com uma colega de carona. E, em seus dias de rodízio, ela vem comigo de taxi — eu pagando integralmente, como forma de retribuir a carona.
  • Quando o clima é mais ameno e quando tenho mais tempo, adoro usar transporte público. É um tempo que ganho para mim, para ouvir música, observar as pessoas, ler, ouvir podcasts, resolver coisas por telefone etc. Usaria muito mais se os pontos fossem mais próximos de meus destinos.

Mesmo com esses fatores favoráveis, acho que não sou ponto fora da curva. Acredito que existam muitas famílias que poderiam reduzir o número de carros na garagem com um esforço mínimo e sem perder o conforto que um carro dá.

E claro, ainda por cima economizando dinheiro.

Para quem quiser ver os detalhes, trajetos, valores etc, anotei e continuarei anotando todas as corridas de taxi numa planilha pública.

E lembre-se: seu carro poluiu em sua fabricação muito mais do que você poluirá ao usá-lo em toda a sua vida útil.

Por que Castanha de Cajú é tão cara ?

Veja que preços estranhos:

Preço do kg Origem
Castanha de Cajú graúda R$39,90 Norte e Nordeste brasileiros
Macadâmia R$38,90 Australia, Hawaii, África do Sul
Amendoa R$29,90 Oriente Médio

Alguém pode me explicar por que a castanha de cajú é mais cara que essas outras castanhas importadas visto que o cajueiro nasce e cresce espontaneamente, quase como praga, em vastas regiões quentes do Brasil ?

Me parece que deve haver um monopólio na distribuição da castanha, falta de concorrência etc, que define o preço que quiser.

Lamentável.

YouTube na Turquia

Meu pai está a viajar pela Turquia e Bulgária e contou o seguinte:

Haaa. esqueci de dizer uma coisa: na Turquia não dá para acessar o youtube,  os e-mail que tentava abrir com links para youtube retornava com mensagem oficial do governo turco avisando que esta ligação é inapropriada pelo seu conteudo. Agora na Bulgaria consegui acessar os mesmos e- mail.

E mais uma coisa, estou-me deliciando da comida bulgara.

Eu, Felipão e o Uzbequistão

Um amigo me ligou contando que comentaristas da Band News não acreditavam que o Felipão seria o técnico de um time de um tal país chamado Uzbequistão. Perguntaram no programa quem conhecia o Uzbequistão. Perguntaram também quem conhecia alguém que conhecia o Uzbequistão.

Pois bem, Band News, aqui estou eu em carne e osso como prova de que o Uzbequistão existe sim e é legal. Fomos prá lá em 2007 e pode-se ver um monte de fotos (como a do lado) ao longo do diário da viagem.

Confesso que quando minha namorada me propos essa viagem tive a mesma reação do pessoal da Band News. No roteiro adicionamos o Quirguiztão e Kashgar também.

Então vamos ajudar o pessoal da Band News a encontrar o Uzbequistão no planeta: aos olhos do pessoal da Band News (e para mim também, até antes de 2007), Uzbequistão está para a Russia assim como o Piauí está para o Brasil visto pelos olhos dos uzbeques. Mas diferente do Piauí que é um estado brasileiro, o Uzbequistão é um país que outrora fazia parte da União Soviética. O que eu quero dizer é que o Uzbequistão é tão fim do mundo para os brasileiros (ainda) quanto o Piauí é fim de mundo para os uzbeques.

Nada contra o Piauí. Lá é bem legal também, devidamente visitado e apreciado.

E se ainda tiverem dúvidas sobre o pequeno tamanho desse mundo, deixo vocês com a genial poesia do Gilberto Gil:

Antes mundo era pequeno
Porque Terra era grande
Hoje mundo é muito grande
Porque Terra é pequena
Do tamanho da antena
Parabolicamará

A Melhor Sobremesa de São Paulo

Você pode ir lá e nem se maravilhar com as entradas inusitadas. Passar reto pelos pratos multiétnicos bem bons. E nem se preocupar com o hype descolado dos frequentadores. Deixe todo esse glamour para outro dia, outro jantar.

Vá ao Carlota, atravesse o cardápio em passo reto para as sobremesas e escolha o Carlota Pernambucana. Só eu aqui vou te contar que trata-se de um tipo de petit gateau de banana ainda na forma, acompanhado de sorvete de canela (o melhor sabor de sorvete, depois do de bacuri). Quando se parte o bolo, o creme de banana escorre quente e perfumado. A canela gelada faz um contraponto perfeito e equilibrado, tanto na temperatura quanto no balanço das especiarias. Mmmmmmm…

Pronto, contei. Estava devendo isso há tempos para meu blog e para meus leitores.

O Maior Sorriso do Mundo !!

Depois do grande anuncio em Bombaim, com vocês, o maior sorriso do mundo:

Get the Flash Player to see this player.

(antes que perguntem, “safta” é avó em hebraico)

Paranormalidade Observada por Médicos

Uma pessoa muito próxima e querida passou 3 semanas na UTI que culminaram em seu falecimento. Em seus últimos dias ela relatava que sua mãe — morta a muitos anos — vinha lhe visitar com freqüência.

Na última visita que lhe fizemos era evidente que tudo aconteceria nas próximas horas e o Dr. Carlos, veterano de UTI, veio dar umas palavras de consolo. Contamos sobre as “visitas” da mãe dela. Dr. Carlos explicou:

— Ah sim, olha, eu não acredito em espíritos perambulando nem nada disso mas nos nossos anos de UTI, a gente observa que paciente que vê parente morto é porque vai morrer também logo em seguida. Acontece até de vermos pacientes que estão próximo de terem alta, se vêem parentes mortos, nem dá tempo de dar a alta.

Visões na UTI são comuns e podem ser causadas por alguns fatores:

  1. Dificuldade em dormir longa e continuamente por causa de interrupções constantes para exames.
  2. Perda da noção de dia e noite pois sempre há luz, e o stress que isso causa.
  3. Químicos, remédios e toxinas que não saem do corpo e que podem causar alucinações.

Mas o mais interessante foi a observação do meu cunhado, psicólogo, e que também é meio cético:

— Engraçado que as visões nunca são de monstros de geléia, bruxas com verrugas cabeludas nem nada randômico. E sim sempre de parentes mortos vindo visitar.

Talvez a lista devesse receber o seguinte fator novo:

  1. Pessoas prestes a morrer recebem “visitas” de entes queridos que já se foram, para ajudar na transição para outros mundos.

Termino então com uma pergunta: Existe vida após a morte? Você pode provar que existe? Você pode provar que não existe?

Cuidado com a sua argumentação sobre este assunto para não cair facilmente na armadilha de sua ignorância.

Salvo pelo Getting Things Done

Ontem meu pai veio me buscar de carro e disse que estava extremamente tenso, a ponto de arrebentar, estava quase tomando algum comprimido anti-stress ou calmante.

Perguntei por que e ele disse que estava com muitas coisas na cabeça, muitas preocupações, muito o que fazer. Detalhe: meu pai é praticamente aposentado e leva uma vida tranqüila. Entendi na hora que tratavam-se de atividades mal classificadas e rapidamente o introduzi ao GTD:

  • A mente é uma ferramenta poderosa de mais para ser usada como listadora de atividades. Digo mais, ela é uma péssima ferramenta para isso porque a memória tem dificuldade para apresentar uma mapa visual de tudo o que a precisamos executar.
  • Usar a mente para listar atividade ocupa-a com tralhas que limitam a imaginação e a criatividade, estas sim atividades dignas para nossa mente.
  • Falta de visão clara de o que e onde precisamos fazer as coisas gera stress. Exatamente o stress que meu pai estava sentindo.
  • A forma de contornar isso é remover essa lista de atividades da mente e delegá-la para uma ferramenta mais prática e “computacionalmente” mais barata: o papel e a caneta.

Seu semblante já mudou porque essa explicação lhe fazia muito sentido. Tasquei um pedaço de papel do porta-luvas e o dividi em categorias contextuais: CASA, TRABALHO, TELEFONE e INTERNET. E gastamos o resto do trajeto lembrando as coisas que ele precisava fazer e anotando-as sob o contexto onde ele precisava fazê-las. Quando estivesse em casa, faria as coisas que anotou para fazer em CASA e assim por diante.

Mais algumas dicas:

  • Sugeri manter sempre a mão papel e caneta para instantaneamente remover da mente qualquer nova atividade que ele possa lembrar. Poderia ser um PDA também. O importante é ter uma ferramenta confiável sempre a mão que deixa e mente num estado de “estou livre porque não preciso mais relacionar as coisas que estão anotadas naquela lista confiável e bem guardada”.
  • Execute as atividades por contexto e disposição e não por nível de urgência. Não adianta se estressar com o que precisa ser feito em casa enquanto se está no trabalho.
  • Relacione microatividades ou atividades físicas e não projetos. Por exemplo, use “ligar para João e obter lista de documentos necessários” ao invés de “resolver o problema do cartório”. Este último é exemplo de macroatividade que te deixa confuso por não esclarecer qual é a próxima coisa real a se fazer para ajudar a “resolver o problema do cartório”.

No final do trajeto, relacionamos só 12 atividades. Um número pequeno mas que se boiam soltas na mente ficam parecendo uma avalanche descontrolada.

O resultado foi que meu pai imediatamente ficou mais feliz e dirigiu com mais tranqüilidade. Grande parte porque livrou sua mente da famigerada lista de atividade, mas principalmente porque entendeu o que o deixava tenso e como esse mecanismo todo funcionava.

E eu fiquei feliz também.

Getting Things Done é uma metodologia simples de produtividade pessoal. Diria que é algo que qualquer Gerente de Projeto sabe mas David Allen nos mostrou como aplicar isso para atividades pessoais. E claro que ela vai além da explicação que dei para meu pai em 20 minutos.

Para quem está iniciando, a bíblia é o livro Getting Things Done (A Arte de Fazer Acontecer, título ruim em portugues que acho que deveria ser simplesmente “Mãos a Obra”) de David Allen. Sugiro também baixar, imprimir e pregar na sua mesa a página que resume graficamente a metodologia.

Treinamento para Correr

Raquel, minha professora de Pilates, me enviou este programa para eu começar a correr:

1ª Semana — Acostume o Corpo

  • Segunda-feira: 5 minutos de caminhada e 5 minutos de corrida alternados até completar 20 minutos
  • Quarta-feira: 5   minutos de caminhada e 5 minutos de corrida alternados até completar 25 minutos
  • Sexta-feira: 5 minutos de caminhada e 5 minutos de corrida alternados até completar 30 minutos
  • Sábado: 5 minutos de caminhada e 5 minutos de corrida alternados até completar 35 minutos

2ª Semana — Aumente o Ritmo

  • Segunda-feira: 10 minutos de caminhada e 10 minutos de corrida alternados até completar 30 minutos
  • Quarta-feira: 10 minutos de caminhada e 10 minutos de corrida alternados até completar 40 minutos
  • Sexta-feira: 10 minutos de caminhada e 10 minutos de corrida alternados até completar 50 minutos
  • Sábado: 10 minutos de   caminhada e 10 minutos de corrida alternados até completar 60 minutos

3ª Semana — Curta o Esporte

  • Segunda-feira: 5 minutos de caminhada e 15 minutos de corrida alternados até completar 40 minutos
  • Quarta-feira: 10 minutos de caminhada e 15 minutos de corrida alternados até completar 50 minutos
  • Sexta-feira: 10 minutos de caminhada e 20 minutos de corrida alternados até completar 60 minutos
  • Sábado: 10 minutos de caminhada e 25 minutos de corrida alternados até completar 70 minutos

Amplie Seus Limites

  • Segunda-feira: 30 minutos de corrida e 10 minutos de caminhada, completando 40 minutos
  • Quarta-feira: 40 minutos de corrida e 10 minutos de caminhada, completando 50 minutos
  • Sexta-feira: 50 minutos de corrida e 10 minutos de caminhada, completando 60 minutos
  • Sábado: 60 minutos de corrida e 10 minutos de caminhada, completando 70 minutos

Algumas Dicas

  1. Faça uma refeição leve antes de sair de casa. Lembre-se de que o corpo precisa ingerir algum alimento a cada três ou quatro horas. Sem esse abastecimento, faltam nutrientes suficientes para manter o pique no treino, o que pode provocar tontura e mal-estar.
  2. A hidratação é absolutamente fundamental antes, durante — em pequenos goles — e depois do exercício. Ao correr você consome as reservas de água, energia e sais minerais armazenados no organismo. Assim, a reposição é essencial para evitar tonturas e queda de pressão.
  3. Recomenda-se o uso do tênis um numero acima do normal, pois os pés incham durante a atividade.
  4. Se for fazer alongamento antes da corrida, faça-o de forma ativa para aquecer o corpo; ou se preferir já iniciar a corrida, iniciar de forma mais lenta “trote”, e nunca se esquecer de um leve alongamento no final.

Arco-Íris

Ontem 17:30 a cafeteria estava lotada e resolvemos esquentar a garganta rapidinho na padaria da esquina. Esse maravilhoso arco-íris estava a nos esperar e encheu de cor a nossa tarde. Enjoy…

Arco Íris
Arco Íris

Não Tenho Mais Carro !!

Estou até me sentindo mais verde… Vendi meu carro esta semana simplesmente porque não estava mais usando-o.

Eu e Tati trabalhamos perto e tentamos casar os horários. Quando não dá, usamos ônibus, metrô, carona ou taxi na ida ou na volta, nunca nos dois.

Num contexto familiar, dois carros é muitas vezes um luxo desnecessário e caro para seu bolso. Acompanhe:

  1. Nos últimos anos gastei uns R$1300 por ano em impostos [R$110 por mês].
  2. Mais uns R$1200 por ano em seguro [R$100 por mês].
  3. Mais uns R$200 a R$300 por mês em gasolina.

Ou seja, sobra de R$400 a R$500 por mês para, eventualmente, gastar com taxis quando for necessário.

Isso sem falar no custo de oportunidade do dinheiro que estava materializado e depreciando num carro e que agora é líquido e pode ser investido e render juros. Comprei novo meu ex-Astra em 2003 e paguei R$33500. Vendi semana passada por R$24800. Se tivesse colocado esse primeiro valor num investimento conservador, a 13% ao ano, teria hoje uns R$45530.  Essa é uma conta bem por cima, meti numa planilha a seguinte fórmula:

=FV(13%;ANOS_QUE_FIQUEI_COM_O_CARRO;VALOR_DO_CARRO/ANOS_QUE_FIQUEI_COM_O_CARRO)

Um amigo me disse que a quantidade de poluição, emissão de carbono e desgaste a natureza que é necessário para fabricar um carro é infinitamente maior do que toda a poluição que você, usuário do carro, vai produzir ao usá-lo.

Hoje ainda não abro mão do conforto de um carro, mas estou convencido de que, num contexto familiar, é mais difícil um segundo carro se justificar.

Replaneje sua vida, faça as contas, livre-se de um carro e devolva um planeta melhor para seus filhos.

Um Novo Setor Industrial: Concursos

Este diálogo aconteceu poucos dias atrás:

  • — E de onde você é ? — eu perguntei
  • — De ${CIDADE}, interior de ${ESTADO_NO_MEIO_SUL_DO_BRASIL}
  • — Me conta mais, quantos kilómetros de São Paulo, quantos habitantes, etc ?
  • — Uns 1000km de São Paulo e somos 7000 habitantes.
  • — Puxa! Você conhece todo mundo quando anda na rua ?
  • — Sim, certamente, e todos me conhecem também.
  • — E o que você faz ?
  • — Sou baicharel em direito mas em breve quero ir para essa área de concursos [públicos].

Até aquele momento nunca veio ao meu conhecimento que prestar um concurso público é ingressar num novo setor industrial. Mesmo o que chamamos “setor público” é na verdade algo virtual que se divide entre os setores financeiros, jurídico e utilidades.

Mas francamente, como fazer para que mais desenvolvimento e oportunidades de trabalho alcancem lugares longíquos desse Brasilzão? Enquanto isso não acontecer, nosso país é meio comunista onde cria-se emprego quase que por se criar, muitas vezes sem uma real necessidade.

Uma pena…