Um Tratado sobre Padrões Abertos e ODF

Bob Sutor, diretor da IBM que tem a missão de fomentar Padrões Abertos e Open Source no mercado, tem também a responsabilidade de comunicar a importância do OpenDocument Format (ou ODF).

Publicou em seu blog um pronunciamento feito ao congresso do estado do Texas, que está em fase de votar uma lei a favor da adoção do ODF. É um tratado edificante sobre a importância social e mercadológica dos Padrões Abertos (instanciados aqui no ODF). As idéias e raciocínio deste documento podem ser facilmente adaptados para serem ouvidos por qualquer orgão governamental, instituição pública ou privada do Brasil também, quanto mais agora devido a criação da nossa própria Aliança ODF.

Eis uma tradução integral:

2007/04/09: Revisada a tradução, a semântica, sintaxe e gramática por Tatiana Cymbalista.

Boa tarde/noite, Sr. Presidente e membros do Comitê. A IBM apóia este projeto de lei. Este projeto de lei trata do futuro, de mais concorrência e inovação e de dar mais opções para o Texas. É completamente consistente com a direção tecnológica e de propriedade intelectual da indústria do software.

Os atuais formatos de arquivos nos quais alguém grava documentos de escritório, usados pela maioria dos senhores e de seus cidadãos, são baseados em tecnologias e práticas dos anos 70, 80 e 90, pelas quais algumas companhias “prendiam” clientes a seus produtos e atualizações. Isso não é mais aceitável hoje em dia.

Quando os senhores e seus cidadãos encontram-se realmente restritos a um único fornecedor de software para acessar informações governamentais, vocês e eles pagam o que eu considero taxas. Padrões abertos evitam isso.

A primeira taxa é a diferença entre o que você precisa pagar para aquele fornecedor versus o custo mais baixo que pagaria se múltiplos fornecedores existissem e os preços tivessem que ser competitivos. Você também teria que pagar uma taxa de inovação. O fornecedor único tem motivos limitados para melhorar o produto. Idéias refrescantes de atores novos como os empreendedores do Texas, são mantidas fora da categoria do produto. Isso é ruim.

Aqueles que são contrários a este projeto de lei estão, em essência:

  • confortáveis em ter um único fornecedor;
  • satisfeitos com as políticas de licitação que permitem haver um único fornecedor de software de documentos para o governo;
  • razoavelmente felizes em pagar as taxas financeiras e de inovação acima.

A IBM não se contenta com este status quo. Nem os autores desse projeto de lei. Nem a maioria das indústrias; aquelas nas áreas de ciências naturais, educação, saúde, e assim por diante, que estão tendendo para padrões abertos. Com o advento da Internet, beaseada em padrões abertos como HTML, o valor dos padrões abertos reais tem sido comprovado.

Pensem sobre quão mais fácil, mais acessível, mais transparente é para vocês colaborar dentro do governo e se conectar com seus cidadãos graças à Internet e ao correio eletrônico, a blogs e a tudo aquilo que surgiu a partir de padrões abertos. É chegada a hora de levar esse poder de colaboração aos documentos e abri-los, dando controle aos governos e escolha aos cidadãos.

A IBM se juntou aos nossos colegas da indústria para trabalhar em um padrão aberto para formatos de arquivos, chamado de OASIS/ISO OpenDocument Format (ODF). Formatos de arquivos são meras especificações de como um documento é estruturado — cabeçalhos, rodapé, parágrafos — e de como ele deve ser salvo e intercambiado. O formato OpenDocument tem sido desenvolvido aberta e ativamente por uma comunidade global de especialistas de muitas organizações e tem sido amplamente implementado por vias independentes, tanto de código fonte aberto como proprietário.

Sua taxa de adoção está aumentando. Adolescentes estão usando-o. Políticos estão usando-o. Alguns diretores de tecnologia em organizações que oficialmente só usam formatos proprietários estão usando ODF em casa, quando chega a hora de gastar seu próprio dinheiro e experiência técnica para escolher produtos para seu uso pessoal. A enorme e crescente base de usuários de Open Office está gravando e distribuindo arquivos em formato ODF. A próxima geração do Lotus Notes da IBM irá suportá-lo ainda este ano.

Então por que vocês precisam de legislação sobre isso ?

Primeiro, porque o Texas, como um estado soberano e uma potência no mercado de TI, deve, na minha opinião, ser capaz de fazer o que bem entender com os documentos de escritório que cria. Isso se aplica aos documentos de hoje, mas também aos documentos que serão criados amanhã e que serão os registros históricos daqui a cinqüenta anos. Vocês têm a oportunidade de claramente afirmar a posição de que o Texas não será refém de nenhum fornecedor para acessar as informações do próprio estado.

Segundo, porque as mudanças estão acontecendo agora e os usuários vão, ao longo do tempo, usar novas aplicações com novos formatos de arquivos baseados em documento. Eu nunca encontrei um diretor de tecnologia ou pessoa da área de finanças que me dissesse que nunca usará um novo software. Então, uma encruzilhada aproxima-se rapidamente e vocês precisam fazer uma escolha: escolher um único fornecedor e pagar essas taxas que mencionei, ou adotar formatos de documentos verdadeiramente abertos, que não são ditados por um único fornecedor, fomentam competição e inovação de várias origens e provêm verdadeira escolha de provedores e seus produtos.

Eu posso garantir que o software que teremos em cinqüenta anos vai funcionar de formas radicalmente diferentes e será fornecido por provedores completamente diferentes dos que conhecemos hoje. Devemos manter nossas opções abertas e, felizmente, com ODF temos uma excelente escolha comparada com qualquer alternativa. Além do mais, pessoalmente, eu apostaria na “inteligência das massas”, na coletividade de experts em TI que verdadeiramente domina padrões abertos e poderá nos preparar para o sucesso nos próximos anos. Depender de um único fornecedor para otimizar as ferramentas de seu próprio sucesso é solução do passado.

Em terceiro lugar, para ser claro, QUALQUER UM pode implementar um padrão aberto. Esse projeto de lei trata de escolha. ODF e padrões abertos para formatos de arquivos fomentam escolha de aplicações, usos inovadores da informação, mais competição e queda de preços. Pessoalmente, eu acho que essas coisas são boas.

Em conclusão, o mundo está se deslocando para padrões abertos, não-proprietários, baseado no incrível sucesso da Internet, um sucesso que foi bem mais importante do que a posição de mercado de um único fornecedor ou as suas idéias sobre o que seria correto para o mundo.
Nós podemos fazer isso novamente, mas temos que fazê-lo com cuidado. O Estado do Texas está em posição de mostrar aos seus cidadãos e ao mundo que esse sucesso pode ser repetido e que pretende liderar esse processo. O Texas pode mostrar que a frase “padrão aberto” significa mais do que um departamento de marketing de uma empresa diz que é.

Sr. Presidente e membros do comitê, padrões abertos de documentos são a apólice de seguro para seus documentos, em oposição ao risco de perda de documentos históricos esperando para acontecer. Eu vos agradeço pela oportunidade de testemunhar a favor do projeto de lei, e estou a disposição para responder a qualquer dúvida que tiverem.

2 thoughts on “Um Tratado sobre Padrões Abertos e ODF

  1. Achei o pronunciamento excelente, principalmente ao destacar dois custos que quase nunca são levados em consideração pelos gestores de TI atuais.

    O que sinto falta já faz tempo no mercado é a existência de profissionais de TI com formação, qualificação e uma pequena dose de boa vontade, que os propicie especificar “requisitos” e não especificar “produtos”.

    A meu ver, esta cultura de especificação de produtos é a maior barreira a uma adoção mais ampla de soluções baseadas em software livre, padrões abertos e será agora um grande desafio para o ODF. O que me preocupa bastante é que existe hoje uma geração de profissionais de TI, que apesar de ter alguns anos de experiência na área nunca tiveram a necessidade (ou oportunidade) de especificar um produto ou uma necessidade.

    Essa falta de hábito em especificar, tira dos profissionais uma das características que considero mais interessantes em nossas profissões: “A de definir claramente o seu problema, e com base nele desenhar a sua solução”. Hoje se “descreve o problema” e se busca no mercado um produto que o resolva… é a comoditização da TI, tão contestada em artigo passado da Harvard Bussiness Review.

    Fazendo uma analogia com a medicina, temos formados médicos que conhecem mais medicamentos de prateleira do que sintomas de doenças… e isso é um problema muito grave.

  2. Jomar, certa vez um pessoa ligada ao governo e a comunidade de SW Livre usou um termo meio forte para descrever +/- isso que você disse.

    As pessoas não são treinadas a usar as funcionalidades de um produto baseado no que intuitivamente querem fazer, e sim adestradas a encontrar os botões certos na tela.

    Ainda bem que não foi numa conversa aberta. Mas cá entre nós, não deixa de ser verdade.

Leave a Reply

Your email address will not be published.