RIO D’JANEIRO É NOSSOOOO !!!!!!!!!!1111

Quando o Brasil votou NÃO ao OOXML em agosto, anexou também sessenta e tantos comentários justificando o porquê dessa rejeição. Muitos países fizeram o mesmo, inclusive alguns que votaram SIM.

Desde novembro a ECMA tem respondido a esses comentários em forma de alterações e melhorias a especificação OOXML para remediar os problemas apontados. O Grupo de Trabalho instaurado pela ABNT que esteve analisando essas respostas terminou seu trabalho hoje e foi um sucesso. A reunião aconteceu no Rio de Janeiro.

Semana que vem acontece a reunião final da ISO em Genebra onde os países terão chance de discutir as respostas da ECMA, quais aceitaram e quais não resolveram problemas de interoperabilidade, padronização etc do OOXML. O Brasil vai levar as seguintes resoluções:

  • De fato vários problemas principalmente editoriais foram resolvidos e as modificações propostas pela ECMA foram aceitas.
  • Há ainda diversos problemas de inconsistência como multiplos formatos de datas não padronizados e que chocam entre sí.
  • Há problemas de interoperabilidade: um documento OOXML pode conter trechos binários cujo formato do conteúdo não é aberto nem está especificado. Exemplo:
    <o:ink i="AMgFHQSWC+YFASAAaAwAAAAAAMA...">
  • Há problemas de interoperabilidade com itens “deprecated”, ou seja a especificação suporta sub-formatos proprietários antigos junto com novos para coisas do tipo representação de funções matemáticas, desenhos vetoriais etc. Neste ponto, a posição do Brasil é de que só deve entrar na especificação ítens “deprecated” que não se pode converter automaticamente, por exemplo, de .DOC para .DOCX.
  • Outros aspectos relacionados a falta de documentação na especificação.

A somatória desses ítens por enquanto mantém o voto do Brasil: NÃO ao OOXML.

Além disso, o grupo varreu e classificou também diversos comentários de outros países — e suas respectivas respostas da ECMA — para que a delegação brasileira possa argumentar quando esses pontos forem discutidos na reunião da ISO.

O trabalho do grupo foi excelente, de alto nível, pragmático e saudável. E por isso eu gostaria de agradecer e rasgar a seda:

Fernando Gebara da Microsoft que coordenou as reuniões, fez o “trabalho sujo” de documentação, agendar calls, administrar portais, wikis etc, manteve a neutralidade técnica que sem ela todo o trabalho teria empacado na guerra ideológica. Jomar Silva da ODF Alliance, o Homembit, que foi o catalisador e hub de toda a comunidade livre nessa empreitada, além de mergulhar de cabeça na missão técnica. Deivi Kuhn do SERPRO que se envolveu em cada detalhe e mereceu ser o chefe da delegação a Genebra. Marisa Rublescki do SERPRO também superenvolvida, responsável e dona de um olhar clínico para debulhar especificações gigantescas. Murilo Barreto do Banco do Brasil, pela dedicação e magia negra contra sua agenda apertada. Daniel Assad e Leandro Jekimim, da facção da UNESP a favor do OOXML, por trazerem argumentos técnicos para a discussão. Cezar Taurion da IBM, articulador, blogueiro, evangelista e fonte de inspiração para todos. E tantos outros que trabalharam na linha de frente ou retaguarda para esse trabalho sair, um muito obrigado.

Como essa reunião era do comitê que trata de padrões de documentos, foi feita também uma deliberação para acelerar a aprovação do ODF como o padrão brasileiro de documentos. E, na verdade por causa disso, RIO D’JANEIRO É NOSSOOOO !!!!!!!!!!1111

PS: O Jomar publicou mais alguns detalhes, alguns bem irônicos. Confira.

6 thoughts on “RIO D’JANEIRO É NOSSOOOO !!!!!!!!!!1111

  1. excelente, fico feliz com esse tipo de vitória. Um país como o nosso precisa que se leve a sério esse tido de proposta.

  2. Pingback: Under-Linux.Org
  3. Enfim alguém que entende de tecnologia para lidar com ela nesse país!!!!

    Parabéns a todos da equipe…o mundo precisa disso, gente competente, imparcial e bem informada para lidar com as armadilhas corporativas nesta era digital.

  4. Parabéns pelo trabalho! E obrigado a todos pela dedicação. Mesmo aqueles que são a favor.

    Particularmente, gostei da decisão brasileira de dizer “NÃO”. 😀

Leave a Reply

Your email address will not be published.