Cantá

Cantá seja lá cumu fô
Si a dô fô mais grandi qui o peito
Cantá bem mais forte qui a dô

Cantá pru mor da aligria
Tomém pru mor da triteza,
Cantano é qui a natureza
Insina os ome a cantá

Cantá sintino sodade
Qui dexa as marca di verga
Di arguém qui os óio num vê
I o coração inda inxerga

Cantá coieno as coieta
Ou qui nem bigorna no maio
Qui canto bão de iscuitá
É o som na minhã di trabaio

Cantá cumu quem dinuncia
A pió injustiça da vida:
A fomi i as panela vazia
Nus lá qui num tem mais cumida

Cantá nossa vida i a roça
Nas quar germina as semente,
As qui dão fruto na terra
I as qui dão fruto na gente

Cantá as caboca cum jeito,
Cum viola i catiguria
Si elas cantá nu seu peito
Num tem cantá qui alivia

Cantá pru mor dispertá
U amor qui bati i consola
Pontiano dentro da gente
Um coração di viola

Cantá cum muitos amigos
Qui a vida canta mio
É im bando qui os passarim
Cantano disperta o só

Cantá, cantá sempri mais:
Di tardi, di noiti i di dia
Cantá, cantá qui a paiz
Carece de mais cantoria

Cantá seja lá cumu fô
Si a dô fô mais grandi qui o peito,
Cantá bem mais forti qui a dô

Autoria de Gildes Bezerra.

Escrito como uma resposta a um cartão de fim-de-ano de Rolando Boldrin. Mais detalhes pelo próprio autor.

11 thoughts on “Cantá

  1. Cara, procura uma banda chamada Anima, de campinas e a musica chamda Beira Mar/Cantá…
    Tem esse poema ae no meio da musica, mto bom.
    A proposta do grupo tb eh mto boa e deveria ser propagada.
    Uma pena eh q eles nunca iriam distribuir as musicas em uma licenca libre/aberta…
    Falou!

  2. Poema maravilhoso! Estou feliz em tê-lo conhecido, vc deve ser um ser muito especial…
    um beijo
    Celinha

  3. Eu choro ao recitar esse poema, em que procuro lembrar sempre de Ivan Vilela. Maravilha.

  4. Gildes Bezerra nasceu em Campina Grande, Paraíba, e provavelmente compôs o poema em Itajubá, sul de Minas Gerais, onde reside atualmente.
    Este poema está publicado em seu livro “Cantações”.

  5. Também partilho dessa opinião, esse poema é lindo e recitado na música Beira cantada pela Isa Taube, É COMOVENTE!!!
    Conheço o Ânima e o poema eu ouvi através do grupo, me sinto orgulhosa de morar em Campinas e ter um grupo tão rico de repertório.
    Abraços
    Celinha
    Hoje apresento meu artigo na faculdade e finalizo com o poema…que medo…

  6. Avi, tudo bem?

    O poema transcrito nesta página não é “Tradição Oral Brasileira”, é de minha autoria. É uma resposta a um cartão de fim-de-ano que recebi do Rolando Boldrin na década de 80′, por ter participado do “Som Brasil”, que ele apresentava, na Globo.

    Nasci em Campina Grande-PB, mas a partir dos quatro anos de idade já morava, com os meus pais, em Itajubá, Minas, onde moro até hoje.

    Obrigado pela consideração.
    Um abraço.
    Gildes

Leave a Reply

Your email address will not be published.