New Laptop

I am sort of away this days because I got a new laptop. Check it out.

Lenovo T61

My previous laptop was a IBM Thinkpad T40, Pentium M, 512MB RAM, 1024×768 screen size, CD-RW, Cisco WiFi/b, no bluetooth. Served me well for 4 years.

The new one is a Lenovo Thinkpad T61, Intel Centrino Pro (dual core), 2GB RAM, 1440×900 screen size, DVD-RW, Intel WiFi/g (see this comment to make it work), bluetooth, integrated SD/Memory Stick/xD/etc card reader, Firewire interface. Much better. Details on Smolt.

I am writing this while Fedora 8 (including some Livna packages) is being installed over the network, as you can see.

Homembit e Seu Novo Blog

Homembit parece nome de super-herói.

Apesar de isso só existir em quadrinhos, há um Homembit circulando entre nós e seus atos tem sido bastante heróicos ultimamente.

Estamos falando de Jomar Silva, diretor da ODF Alliance Brasil, pessoa com quem tive o prazer de trabalhar em diversas frentes, principalmente na saga da definição do voto do Brasil/ABNT no caso OpenXML.

Ele acabou de migrar seus pensamento para algo que finalmente podemos chamar de blog. Como de costume, seu feed está exposto na minha barra lateral e sugiro assinarem.

Se vocês achavam que o meu blog era fonte para as últimas novidades de ODF e padrões, esperem só até ver o dele. Um dos posts mais chocantes ainda está na primeira página, sobre o real compromisso da Microsoft com o OpenXML.

Chico Buarque e Seu Tanto Mar

Quem é que já foi ao bar Bom Motivo em São Paulo e não ouviu a canção Tanto Mar de Chico Buarque? O público no bar se empolga e bate palmas sincronizadamente durante a música. Coisa que só se vê lá.

Este é o video da música:

Poucos sabem que essa canção, que parece ingênua e alegrinha, parabeniza Portugal pela sua Revolução dos Cravos que derrubou a ditadura daquele país.

A letra foi censurada no Brasil porque ela é claramente uma nostalgia antecipada desejando que o mesmo acontecesse por aqui, bem no meio do nosso período de ditadura.

A versão que ouvimos em todo lugar tem uma letra atualizada de um período pós-ditadura. Mas a nostalgia ainda está lá: “Foi bonita a festa pá, fiquei contente. ♫ Ainda guardo renitente um velho cravo para mim. ♫ ”

Segue a letra original da canção, censurada e rara no Brasil.

Sei que estás em festa, pá
Fico contente
E enquanto estou ausente
Guarda um cravo pra mim

Eu queria estar na festa, pá
Com a tua gente
E colher pessoalmente
Uma flor do teu jardim

Sei que há léguas a nos separar
Tanto mar, tanto mar
Sei também que é preciso, pá
Navegar, navegar

Lá faz primavera, pá
Cá estou doente
Manda urgentemente
Algum cheirinho de alecrim

Se você for ao Bom Motivo, se o Luiz estiver ao violão, se tiver sorte, ele vai tocar a versão censurada da canção. Se não tiver sorte, tu podes protestar e pedir que ele toca.

Linux por todo lado

Seguindo o espírito de bisbilhotar os sistemas alheios, este feriado observei mais algumas novidades:

Sabrico Volkswagen
Ajudando minha namorada a comprar carro, observei o uso do emulador de terminal seguro PuTTY na loja da Sabrico. Parece que o sistema de estoque e preços deles é centralizado e acessado por SSH. Apertando o olho em partes da tela, uma barra de status mostrava o logon do vendedor e a palavra “LINUX”, provavelmente para indicar a plataforma daquela sua versão do sistema de gestão. Ou seja, esse sistema crítico roda em Linux na Sabrico e é acessado com segurança usando tecnologias Open Source: SSH.

Hospital São Luiz
Encontrei com um amigo antes de uma aula de Yoga. Começou ter dores fortes e acabei levando-o ao pronto socorro do hospital. Como não tinha muito o que fazer, observei novamente o uso do PuTTY nos PCs da sala de enfermagem. No conteúdo da tela não havia muitos indícios de o servidor acessado rodar Linux, mas julguei que a probabilidade era altíssima. Outra coisa que me chamou a atenção foi o nome do servidor acessado pelo PuTTY: SRVIBM. Mais chance ainda de ser Linux, porque todos os servidores da IBM suportam este SO. Agora, há uso mais crítico para Linux do que em um renomado pronto socorro ?

Houve uma época em que empresas gastavam fortunas com licensas de emuladores de terminal, para acessarem seus servidores UNIX. Ah, e eles eram inseguros e sem criptografia, usando telnet puro e simples. Hoje Open Source está, com segurança, de ponta a ponta: do servidor ao emulador. Soluções de segurança são importantes o suficiente para terem que ser um commodity: devem ser baratas e fáceis de usar por toda parte. E o movimento Open Source tem o mérito de ter barateado e “commoditizado” esse mercado.

Parabéns às duas empresas !

E você? Onde mais tem visto o uso de Linux?

BlogPlex IBM

Tenho lido os bloggers da IBM todos agregados em um BlogPlex. Tem um time fera ali:

  • Cezar Taurion. Analisando com insights refrescantes simplesmente tudo o que acontece em TI. Open Source, Second Life, Web 2.0, Grid, Mobilidade, ODF.
  • Mario Costa. Web 2.0, colaboração e ferramentas, ODF.
  • Carlos Sena. Web 2.0, colaboração, ferramentas para gerir portais e dicas muito interessantes.
  • Edson Oliveira. Ferramentas Lotus.
  • Avi Alkalay. Eu pego carona na sabedoria deles e falo de mais de tudo um pouco. A facção TI do meu blog é agregada no BlogPlex.

Não deixem de conferir.

Cerveja Que Late Não Morde

Ainda da série traduções espetaculares, tem também esta foto de um cardápio onde o proprietário do estabelecimento se preocupou em traduzir algumas palavras para que turistas não se percam. Não sei se funcionou.

Cerveja que late

Juro que não coleciono essas coisas. Simplesmente aparecem na minha frente.

Esta, um amigo que acabou de voltar do Nordeste me mandou. Segundo ele, é do cardápio do restaurante Canion, na praia de Coqueirinhos, localizada ao sul de João Pessoa, Paraíba. Devem ter usado essas ferramentas de tradução online.

Coloque-se no lugar de um turista que não fala português e vai ler este cardápio. Acho que eu sairia correndo.

Please Encrypt Your BitTorrent Client !

Some evil ISPs implement traffic shaping to specifically limit BitTorrent bandwidth. This brings slower downloads to you and your peer.

All modern BitTorrent clients have encryption capabilities but most of them came disabled by default.

Please configure your client to encrypt connections. You will have faster downloads even if your ISP does not limit your traffic, but because your peer’s ISP does that.

By the way, today I started to use the ultimate BitTorrent client for Linux, BSD and UNIX: rTorrent. It is text and console-based, superlight, superfast, runs very well in my K7/192MB machine, accessible from anywhere through SSH and a screen window.

To install it:

Debian: bash$ sudo apt-get install rtorrent
Fedora/Red Hat: bash$ sudo yum -y install rtorrent

To enable encription I added this line to ~/.rtorrent.rc:

encryption=allow_incoming,try_outgoing,enable_retry

Linux no SERPRO

Não é novidade para ninguém que o SERPRO usa Linux massivamente.

Mas só para constar, hoje fui na unidade de São Paulo e logo na recepção, o PC da moça do cracha rodava Linux. Bisbilhotando a tela, vi no taskbar o Firefox, Thunderbird e a aplicação que cadastrava visitantes rodava dentro do Lotus Notes, tudo sobre Linux e KDE.

Na sala de conferências, o PC disponível para os apresentadores também rodava Linux e as apresentações eram esperadas no formato ODF.

Parabéns SERPRO.

Mobile Codes for Increased Productivity

Man, this is the coolest thing I discovered this month.

Before what I am going to show you now, the only ways to transfer data from your computer to your mobile device was to send an e-mail to yourself and read it in your cell, or through bluetooth, or infrared.

There is a new thing (for me) called Mobile Codes (or QR Codes according to Wikipedia, or Datamatrix) that combined with your mobile’s camera and simple software, will let you actually read the content from your computer screen.

OK, lets explain it with some images to make the concept more user-friendly. Look at the following image.

Think Open :: Think Linux

Yes, I know the image says nothing to you, but your camara-equiped mobile device is able to read “Think Open :: Think Linux”.

We can play with more stuff. The URL for this blog post is here (with a note attached):

http://avi.alkalay.net/2007/11/mobile-codes.html

Lets add some semantics. You can directly call an international number as 00551112345678 using the following barcode:

qrcode

Or SMS “Hi, I just discovered this barcodes that will make my life easier” to same number with this code:

qrcode

The Details

Some modern Nokia phones already come with the software needed to decode this datamatrix. For my Nokia E61i to work, I installed on it a free (registration required) program called Kaywa Reader (their site doesn’t list my model so I selected E65 and it worked fine). So I just shoot the software, point my mobile’s camera to the datamatrix and it instantly decodes the content.

To generate this images, I used the QR Code Generator by Winksite and the Nokia mobile code generator. In fact it all started when I found the Nokia Mobile Code website, almost by an accident.

Oh, and there is a handy Mobile Barcoder Firefox plugin to help me transfer URLs from browser to cellphone.

Install in your cellphone and have fun.

The iPhone Accelerometer

A sophisticated mobile device can do more than just play MP3s or make calls.

I had a lunch with a friend that hacked his iPhone to work in Brazil. Many people are doing that (or paying somebody to do it for them) around here. And he showed me something very interesting.

The component that causes the screen to rotate based on the position of the iPhone is called Accelerometer, and it can do much more than that. It can provide programs the spatial position of the device.

Same accelerometers were used in IBM laptops to stop and protect hard drives if the user is shaking the computer too much.

Watch the following video I just made at lunch. It shows an old mechanical game that we all played when we were kids to learn about gravity, control and concentration. Now in the iPhone.

The game objective is to change the angle of the “table” to let the gravity make the ball move to the desired position. Thanks to the embedded accelerometer and fast graphics processor, the game feels very real.

Voltando às Raizes na UNESP Rio Claro

Tive a honra de ser convidado a palestrar sobre ODF no SECCOMP — evento de TI da UNESP Rio Claro. A coincidência é que eu mesmo me formei naquele curso, naquele campus, 12 anos atrás.

Já rodei o Brasil visitando diversas universidades de tecnologia e é bom ver como o nível do curso de Ciências da Computação da UNESP Rio Claro ainda está entre os mais a altos do país, ainda mais nesses tempos em que universidades (particulares) aceitam alunos sem nem sequer prestaram vestibular.

No meu tempo, o campus era conhecido por seu enfoque em hardware e robótica. Hoje os alunos mostravam cartazes sobre diversos trabalhos orientados a Web Services, posicionamento geográfico, aplicações distribuidas, mídia, etc.

Os alunos nem sabiam do antigo e esquecido foco em robótica. Tudo mudou porque entre o meu tempo e os dias de hoje, houve um divisor de águas gigantesco: surgiu a Internet, que aumentou o interesse em padrões, interoperabilidade etc.

A palestra foi sobre o Formato OpenDocumet e muitos alunos já conheciam e estavam engajados nesse assunto. Foi legal conectar idéias de ODF com a Web 2.0, evolução das comunidades e Open Source.

A certa altura, perguntei no auditório quais linguagens os alunos conheciam. Fiquei pasmo em observar que a linguagem oficial ainda é Pascal estruturado. É claro que os autodidatas depois (ou antes) se aventuram por C++, Java e outras.

Mas em pleno 2007, época em que Programação Orientada a Objetos reina absoluta em qualquer ambiente de desenvolvimento profissional, o primeiro contato dos universitários não pode mais ser só com Programação Estruturada. Hoje, POO já tem novos aliados como Programação Orientada a Aspectos e outras.

Isso é na verdade culpa da grade aprovada no MEC ou outras burocracias deste tipo. Para mudá-la, os estudantes devem se unir, tomar a mão dos professores e pedir a mudança dessa grade.

Vamos fundar o movimento Crie Objetos Já !

Android and the Open Handset Alliance

I like this kind of announcements and alliances. Makes me feel that openness and the right things can be successful.

Open Handset Alliance

The Android (formerly GPhone) platform (or parts of it) will compete with Windows Mobile, Symbian, S60, QTopia and other Open Source initiatives as Open Moko.

For developers there is nothing to download yet (expected for November 12).

Currently there is no single mobile platform that makes me truly happy. Symbian+S60 is the most advanced but still very proprietary. Windows Mobile seems to have a great future, and all Open Source initiatives are currently mediocre. Access (former Palm Source) is also going towards Linux but still feels proprietary.

If Android takes off — I mean, in a mature way — we will have the chance to use mobile devices as our computers: installing whatever OS we want.

I wish to welcome the OHA initiative and hope they can learn from the problems and mistakes of the GNU/Linux community to avoid them: ecosystem fragmentation because of too much platform packaging (a.k.a. too many distributions), overall lack of project management with architectural vision, too much religion, lack of true integration between different software components (because there is no real cross architectural vision), and lack of true support from proprietary hardware components manufacturers (a.k.a. lack of descent device drivers).

From the list of alliance members I miss names like Nokia, Red Hat (as a big Java player) and IBM. But I believe this is question of time.

Jogo Sobre !

Adivinha qual é o texto que aparece quando você perde o jogo Brick Breaker em um Blackberry 8700 configurado em Português ? Blackberry 8700

Vou dar outra chance, para você ver mais de perto.

Se te pedissem para traduzir “Game Over” ao pé da letra, palavra por palavra, o que você diria?

Jogo Sobre !

Game Over:Jogo Sobre

Apesar do FUD na Mídia, ODF Está Vencendo

Graças a algumas notícias rasas e um tanto irresponsáveis que andaram saindo na mídia brasileira e internacional sobre um tal “abandono do ODF pelos seus criadores”, algumas pessoas ficaram confusas. Saibam que é tudo distorção de fatos.

Aconteceu que a OpenDocument Foundation, que não criou o ODF, começou a se interessar por uma tecnologia do W3C chamada CDF, que é interessante mas bastante imatura ainda. Fiz uma análise mais técnica no post anterior.

Jomar — o homembit — da ODF Alliance Brasil também fez alguns comentários em um artigo na SoftwareLivre.org e em seu blog.

Nos e-mails que andaram circulando por aqui sobre o assunto, um bem interessante foi o do Roberto Salomon, integrante ativo da ONG BrOffice.org, que me liberou um Ctrl-C+Ctrl-V para cá.

De: Roberto Salmon (Arquiteto de TI na IBM Brasil e integrante do BrOffice.org)
Data: 05/11/2007 15:03
Assunto: Re: ODF abandona apoio a padrão próprio

Li essa notícia mas não fiquei tão surpreso quanto outros com a súbita mudança de opinião da OpenDocument Foundation. Em especial com o novo posicionamento do Gary e do Sam (com quem troquei muitos e-mails no passado). Acho que no novo posicionamento reflete um ressentimento pessoal e não uma posição técnica.

Apesar do nome, a OpenDocument Foundation foi criada para acobertar um projeto comercial que seria constituído no plug-in “DaVinci” que seria capaz de dar ao MS Office a capacidade de ler e gravar arquivos ODF de forma transparente e com total fidelidade de formato. Este plug-in foi anunciado, alardeado mas nunca mostrado e nem teve o seu código liberado.

Em pouco tempo, no entanto, o Sam descobriu que não havia financiadores disponíveis para custear o projeto. Os grandes, em especial a Sun, ou se posicionavam por um modelo 100% ODF nativo ou produziram seus próprios plug-ins. Estas ações derrubaram a possibilidade da OpenDocument Foundation se estabelecer como a referência para a conversão de documentos.

Apesar do nome, a OpenDocument Foundation nunca foi uma organização oficial do ODF. Lembre-se que o padrão é mantido pelo Consórcio OASIS e não pela fundação.

A declaração do Gary, citada como sendo “A verdade é que o OpenDocument nunca foi concebido para atender às exigências de mercado”, na verdade foi a de que o ODF não foi pensado para atender às exigências de interoperabilidade impostas pela Microsoft com a sua “convergência” para o OOXML. Isso é fato. A função do ODF não é ser compatível com o MS Office, na verdade, o ODF deve ser implementado por produtos e não se dobrar às peculiaridades de cada fornecedor de software.

Dizer que o ODF reflete a maneira como o OpenOffice.org faz as coisas é no mínimo desconsiderar os anos de discussão onde Boeing, o Estado de Massachussets, IBM, Sun e outras entidades definiram o que hoje é o ODF.

Infelizmente, acho que esta nota é o canto do cisne de quem já foi um grande incentivador mas que resolveu sair atirando por não contar mais com apoio nem da comunidade nem das empresas que um dia lhe deram atenção.

Só complementando, o Rob Weir tem um comentário que vale a pena no seu blog: http://www.robweir.com/blog/2007/10/cracks-in-foundation.html

Um apelo à mídia: por favor exercitem sua responsabilidade tradicional que sempre demonstraram e pesquisem mais sobre o assunto, ouvindo outras fontes e outras opiniões antes de escrever algo tão sensacionalista como aquela matéria.

ODF versus CDF

There are some news popping on the web about ODF to be substituted by W3C’s Compound Document Formats.

Read them carefully, read other sources too and try to understand first before making judgements.

Entities like OpenDocument Foundation are switching opinions in a quest for some sort of Universal Format, that still doesn’t exist, promoting CDF.

CDF is a W3C specification about mixing various XML idioms in one document. Things like SVG or MathML inside XHTML, etc. It is a good thing and an inevitable consequence of XML per se.

In my opinion, CDF is more suited to be used in web browsers and online. Some of its sub-specifications are still unifinished or incomplete — as CSS3, required for essential things like pagination.

The most irritating statement by OpenDocument Foundation is a chart from their site that says some several bizarre things:

  • OOXML would be compatible with legacy MS formats. If they can explain how a textual XML format can be compatible with a binary-only one I can accept it. Well, I won’t because I know they can’t.
  • CDF would be compatible with legacy MS formats. This is even worse. While a OOXML document may have same structure as its MS legacy binary equivalent, CDF is still completely different, built on top of technologies created for completely different purposes. If even OOXML can’t be compatible, CDF for sure isn’t compatible too. This is just a CDF-overselling incorrect argument.
  • ODF does not have an interoperability framework. What an “interoperability framework” means for people that does not even understand what is compatibility? In the Open Standards era, the proper use of them is already a simple path to interoperability. Want more sophisticated ways? Build tools around these Open Standards and you are done.
  • CDF would be big vendor-independent. That’s OK if W3C wants to stay independent. But CDF will go nowhere if no big vendor adopts it. And to be a real viable alternative to ODF it must prove its value to these big vendors.
  • ODF does not converges desktop, server, web and devices. Just one example that kills this argument is Google Docs. They are making a good (server) job letting (web) users upload, edit, maintain and download ODF documents. Google Docs is starting to be available for mobile devices too.

There are some people playing with CDF, mostly developers. Nice articles can be found in IBM developerWorks about it.

A successful format also needs user friendly software that implements it, cause I don’t expect my mother to write rich CDF docs in Notepad. That’s were the importance of OpenOffice.org (and all its derivatives) appear to help the ODF ecosystem.

So yes, use CDF to make great standards-oriented web pages, instead of proprietary Flash or Silverlight. But to say that CDF can be a universal format for office applications and documents is to overload the technology a little bit.