Kashgar: Uma China das Arábias

Este relato é parte de uma viagem à Ásia Central que começa aqui.

  • O café era servido das 7:30 às 8:30, horário nada amigável para turistas. Chegamos mais de 8h, muitas coisas já haviam acabado e não tinham o costume de repor. Nada de frutas, nem queijo, nem suco, nem água. Só alguns tipos de pães fritos ou no vapor, dumplings recheados de verduras, ovos fritos, umas verduras cozidas, chá e cafe. Nos safamos com uma geleiazinha escondida atrás do repolho refogado com pimentão.
  • Às 9h encontramos com o Anwar e fomos à parte histórica da cidade, que tinha muito em comum com as cidades antigas que vimos em Tashkent, Khiva e Bukhara.
  • Fomos primeiro na mesquita Id Kha, a maior e mais antiga da China. Foi construída com o dinheiro de uma milionária que estava indo em peregrinação para Meca, não pode seguir em frente porque havia problemas na Índia e acabou presuntando por aqui mesmo. Daí pegaram a grana da véia e construíram a bela mesquita. O mais bonito mesmo era o jardim de rosas e árvores (poplars) interno à mesquita. Dentro, a estrutura conhecida de gesso colorido, pilares decorados e uma curiosa influência chinesa na decoração dos tetos, com flores e brilho de naca.

Esconda Seu Rosto, Mulher !

  • Saímos da mesquita para ver a rua dos artesãos, próxima. Andamos pelas ruas cheias de lojas de artesanato e outras coisas lá perto. Uma loja de instrumentos vendia dutors de vários tamanhos e também violinos, contra-baixos, e outros instrumentos feitos ao estilo dessa região. A Tati comprou um de brinquedo para o Leozinho.
  • Vimos um ourives trabalhando o ouro, um carpinteiro rapidamente transformando tocos de madeira crua em peças acabadas para moveis, com ajuda do torno elétrico.
  • Haviam também muitas mulheres com o rosto completamente coberto por véus grossos e 2 meia-calça sobrepostas. Anwar disse que isso servia para que mulheres casadas não sejam olhadas e cobiçadas nas ruas. Ele achava isso correto. Argumentei que isso era problema de quem olhava e não da mulher, mas disse que isso é uma superstição que respeitam.
  • Chegamos numa esquina onde dezenas de pessoas se amontoavam em pequenos círculos. Estavam comprando e vendendo celulares usados em frente a uma galeria de lojas e oficinas focadas em celulares. É o mercado de pulgas de celulares. Olhei alguns preços mas fomos embora.
  • Almoçamos cedo e sem fome em um restaurante popular onde se divide a mesa com outras pessoas. Anwar decidiu horário, local e o que iriamos comer sem fazer demais pesquisas de mercado. Nem esquentamos. Pediu uma sopa de macarrão com carne para a Tati, lamen vegetariano para mim e dumplins (pão cozido no vapor) supostamente vegê de abobora, mas tinham pedacinhos de carne dentro e muito gosto de gordura animal. Anwar esperou fora porque estava em jejum do Ramadhan e não queria ficar olhando a comida.
  • Fomos ao Banco da China trocar dinheiro. $1=7.43 yuan.

Conflito de Culturas

  • Depois fomos ao túmulo de Apa Hodja, líder local do seculo XVII que foi para o Tibet, descolou um grau de monge e voltou para reinar e cometer um monte de atrocidades. Há divergência na história contada pelos Han-chineses e os uyghur. Segundo os han, lá estaria enterrada a concubina do imperador chinês (the fragrant concubine), então pouco importaria o Apa Hodja. Para os Uyghur, a concubina decidiu espalhar os seus perfumes por outras bandas e jamais foi enterrada lá. Não soubemos direito por que, mas era uma questão importante. Tanto que a placa oficial do local fazia questão de frisar que o governo chinês respeitava a liberdade religiosa e vivia em paz com suas minorias. Falô, então.
  • Usamos uma placa trilíngüe de No Smoking para aprender a caligrafia árabe e chinesa e um pouco da língua uyghur.
  • Anwar queria nos levar para ver artesanato numa fábrica de tapetes mas preferimos tomar sorvete. 6 yuan compraram 2 copos com 3 bolas médias cada de um sorvete nota 6.5. Anwar também não chegou perto devido ao jejum.
  • Começamos às 9h, trocamos mais dinheiro e fomos ao famoso mercado de domingo de Kashgar.

Oração Fria

  • Depois Anwar me levou para rezar numa mesquitinha. Havia lhe pedido essa oportunidade. Levou-me primeiro a um banheiro público em frente. Avisou que seria mal cheiroso mas necessário. Comparados a uma pessoa do século VIII, ele e eu estávamos assepticamente limpos, mas fomos ao ritual da limpeza. Deu-me um jarro d’água e me mandou a um lugar semi-privativo para lavar as parte íntimas. Depois sentamos num banquinho e mandou lavar os pés. Perguntei se era necessário, porque estávamos atrasados e meus pés estavam limpos. Comandou que sim e obedeci. Lavei também o rosto e ouvi algumas pessoas limparem as vias respiratórias. Um detalhe: o lugar era tão mal cheiroso que só entrar lá já me fazia sentir mais sujo.
  • Atravessamos a rua, entramos na mesquita e pegamos uma espécie de segundo turno da reza daquela hora. Éramos uns 8 homens rezando num espaço para 15 pessoas. Um homem vestido bem simploriamente parecia dirigir. Durou uns 10 minutos. Ao terminar todos saíram como desconhecidos que eram.
  • Voltando ao carro, Anwar perguntou-me porque fiz movimentos diferentes dos demais e expliquei que, para mim, foi um pouco difícil ficar ajoelhado. Não estava acostumado a essa posição como eles, e por isso me mexi um pouco durante a reza. Ele disse que não era bom que eu fizesse a minha própria reza.
  • Essa foi a segunda vez que pratiquei a reza muçulmana. A primeira foi no deserto da Jordânia, indo para Petra, em um silêncio sem fim, com Ashraf, um muçulmano moderno e de cabeça aberta, sem restrições de horários ou dogmas de limpeza obsoletos ao homem urbano do século XXI, e que foi antecedida por ótimas discussões filosóficas inspiradoras. Se aquela vez foi sincera e simples, esta foi mecânica e rebuscada. Se a outra foi ampla e inspiradora, esta foi escura e cheia de graxa. Se aquela foi emocionante e inesquecível, desta vez foi para preencher o tempo.

Tecnorogia Chinesa, né?

  • Fomos à esquina dos computadores e no subsolo havia uma galeria bem parecida com os Standcenters de São Paulo, mas as divisões entre as lojas não eram claras e todos pareciam vender para todos. Olhei rapidamente algumas lojas e no fim comprei 1 leitor de cartão SD para USB, 1 adaptador bluetooth USB, 1 cartão micro-SD de 2GB para meu Nokia E61i, 1 hub USB 2.0, 1 pen drive de 2GB, 1 adaptador Sony de Memory Stick Duo Pro para Memory Stick normal, 1 HD Hitachi de laptop de 160GB e 1 adaptador USB para o HD, tudo por $156. No Brasil só o HD iria custar uns $250. Foi difícil convencer a vendedora aceitar uma das notas de $20 que estava mais gasta, mas deu tudo certo. Pedi para testarem todos esses storages transferindo um monte de MP3s uyghur e chineses para eles. Intercambio cultural é tão mais fácil nessa nossa era digital.
  • Dispensamos o Anwar e decidimos comprar tranqueiras no supermercado e comer no quarto. Tínhamos poucos yuan, mas compramos frutas e suco para o café da manha, salgadinho, milho em lata, chocolate e sabonete para não ter que usar o do hotel. No caminho a pé para o hotel, uma vendinha fazia nan (pão) no tandoor. Compramos 1 por 1 yuan. Estava quente, fresco e delicioso. Chegaram no hotel praticamente só as migalhas para contar historia.
  • Tomamos banho, assistimos TV com filmes nacionalistas chineses, vimos muitas propagandas incompreensíveis mas muito bem feitas e divertidas e 21:30 estávamos dormindo.

One thought on “Kashgar: Uma China das Arábias

Leave a Reply

Your email address will not be published.