Limpeza Mental no Kyrgyzstan

Este relato é parte de uma viagem à Ásia Central que começa aqui.

Tudo (de) Novo

  • Pousamos umas 3 da manhã com um pouco de dor de cabeça pelo barulho das turbinas do avião russo.
  • O aeroporto de Bishkek (FRU) consegue ser mais organizado e prestativo no meio da madrugada do que o de Tashkent no meio do dia. O visto saiu rapidinho, havia fila organizada para os passaportes, vários agentes atendendo e as malas vieram rapidamente. As instalações pareciam melhores também.
  • Encontramos Natalia, nossa guia para os próximos dias, no meio de uma multidão de taxistas e carregadores oferecendo serviços. Pequena, clara, de nariz arrebitado e cabelo muito curto. Tanto que quase parecia um rapaz afeminado. Falava inglês bem e com pouquíssimo sotaque.
  • Viajamos os 40km até Bishkek em rodovia duplicada e bem sinalizada. A primeira impressão era de um Kyrgyz que se esforça mais que o Uzbek para andar para frente. Bishkek de madrugada parecia uma cidade europeia com avenidas largas e arborizadas.
  • O hotel era uma casa grande estilo montanhês, decorado com muita madeira crua, belos quadros, rochas, ambiente familiar e é a sede do International Trekking Center do Kyrgyzstan. Todos eram russos, não pediram passaporte para o check in e a burocracia foi quase zero. Marcamos para 10:30 e fomos dormir um pouco.

Nas Alturas

  • Acordamos antes do despertador. Depois do banho descemos para o café bem adiantados. Cereais bons, ovos cozidos e recheados com ervas, pães meio velhos, saladas de beterraba, de couve flor, pepino, tomate etc e música francesa meio brega. Chanson française mesmo.
  • Catamos a Natalia no escritório da Asia Mountains no porão do hotel e caímos na estrada antes da hora marcada.
  • A cidade de dia era bem movimentada e tinha trânsito. A variedade de carros era bem maior que a dupla Daewoo-Lada do Uzbekistan porque traziam carros importados do Japão. Isso também garantia carros com direção no lado direito que estavam sendo proibidos recentemente.
  • Todo nosso orgulho de termos começado mais cedo o dia foi por água abaixo quando descobrimos que o fuso horário havia mudado. Então o que achamos ser 10:15 da manha era na verdade 11:15.
  • Na saída da cidade passamos por um bairro de casas grandes e aparentemente caras. A paisagem estava ficando mais campestre e começamos a avistar uma cordilheira altíssima lá longe. Em certas partes havia córregos de águas cristalinas acompanhando a estrada que já era só subida.
  • Já penetrando numa cordilheira entramos num parque-reserva com seguranças na porteira. Estacionamos perto de um grande chalé que era um hotel e fomos caminhando.
  • Céu azul se misturava com nuvens esparsas que se moviam rapidamente. Estávamos na abertura de uma garganta cercada por montanhas altíssimas de rochas pontudas que alcançavam 4000m: Ala Archa. Em algumas delas via-se neve. Para nós brasileiros era uma paisagem completamente nova e de tirara o fôlego.
  • O começo da trilha era asfaltado beirando um rio de uns 4m de largura, de águas rápidas e cor opalina que abriam seu caminho entre as rochas. O branco da água ficava marcado nas pedras com a decantação de minerais. Esse rio era um dos que abasteciam a cidade e haviam pessoas fazendo picnics em alguns pontos.
  • O asfalto logo terminou e foi substituído por trilhas de terra cercadas de pinheiros de natal e outros arbustos. E também por grandes trechos de rochas que deslizaram montanha abaixo como se fossem rios. Em alguns pontos dessas formações pudemos ouvir agua passando por baixo das pedras.
  • Era só subida e a paisagem foi ficando mais ampla. A pura visão de um paraíso perdido. As montanhas não eram muito verdejantes. Quanto mais alto menos arbustos tinham, até rocha nua se mesclar com neve. Depois de mais de uma semana de pó e construções religiosas medievais, ver tanta natureza era um alivio para nossas mentes e pulmões.
  • De repente uma surpresa: começou a nevar! Até Natascha ficou surpresa por ainda ser muito cedo no ano para isso. Mas durou pouco e foi substituída por chuva que também passou rápida.
  • Continuamos subindo garganta a dentro conversando com Natalia desde politica e sociedade até música e sotaques. Ela era séria, de pouca prosa, mas uma boa moça.
  • Já mais de 14h, paramos para almoçar os sanduíches, pepinos e maçãs que Natascha trouxe. A paisagem era tão vasta que ofuscou a avançada idade do pão e a questionável qualidade do queijo. À frente da trilha avistamos a cachoeira mirrada que comia a rocha verticalmente.
  • Era tempo de começarmos a voltar. Essa história de que para descer todo santo ajuda não é bem verdade. Vários trechos escorregadios exigiam muito mais concentração. Se subimos cantarolando e conversando, a descida foi em silêncio, focada nos passos e no chão. Mas depois de certa altura voltou a ficar fácil e chegamos em baixo bem.
  • Entramos na van com e mente limpa e descarregada, graças a paisagem e o foco na descida, e por isso apagamos quase imediatamente, até chegarmos no hotel. Subimos ao quarto e ficamos lá ate nos chamarem duas vezes para jantar umas 19h.
  • O jantar foi enervante. Salada de repolho, pepino, pimentão, um pouco de tomate e muito óleo para entrada. As pessoas não aprendem que pepino não combina com repolho e que pimentão só serve ao consumo humano sem a pele que é celulose pura e indigesta. Mas isso não foi o pior. O prato principal continha uma versão quente da mesma salada, inclusive o pepino, mais um purê insosso de batata. Supernutritivo. A Tati recebeu um sobrecoxa frita requentada. Que imaginação essa gente tem para culinária! A sobremesa eram uns crepes já frios com mel, que estavam bons graças ao mel.

Centro de Bishkek

  • Um chá de jasmim depois, resolvemos ir conhecer a cidade. Elnura, a recepcionista simpática e sorridente, nos explicou como ir e voltar ao centro de taxi, com nomes de ruas e direções por escrito. Trocamos também $15 com ela, por 37.34 som por cada dólar.
  • Ela chamou um taxi que nos levou ao centro. Para pagar, assim que chegamos perguntei quanto custou a corrida com um gesto. Não entendi nada do que ele disse mas lembrei que Elnura informou que custaria 75 som. O radio do carro sintonizava 107.4 MHz e apontei para o 7.4 que lembra 75. Ele entendeu, concordou, pagamos e pulamos fora. Quem não se comunica se estrumbica.
  • No centro havia grandes edifícios públicos, praças e muita gente batendo perna ou de bobeira. Havia karaokês, bares e buracos vendendo sanduíches de churrasco grego que chamavam de Гамбургер (Gamburger).
  • Caminhamos sem destino e devagar, testando nosso conhecimento do alfabeto cirílico. Passamos por floriculturas, lanchonetes, casas de câmbio. O trânsito era caótico e dirigiam como loucos.
  • Uma hora depois pegamos um taxi que nos levou ao hotel com a ajuda das anotações da Elnura por 70 som e fomos dormir.

One thought on “Limpeza Mental no Kyrgyzstan

Leave a Reply

Your email address will not be published.