Adeus Lavrador, espero poder te reencontrar

O Lavrador de Café

Para lembrar o triste dia de hoje em que você, Lavrador de Café, um belíssimo Portinari, deixou o MASP para viver noutro lugar. É de ti que mais sentiremos falta.

Se cansou de ter o Trianon como vista do outro lado da avenida, espero então que encontre um cafezal sem fim para contemplar.

Como cantou Mercedes Sosa, na composição de Horacio Salinas:

Para Cándido Portinari la miel y el ron, y una guitarra de azúcar y una canción, y un corazón.

(imagem gentilmente roubada do blógue Ritual Café)

Worshiping Joyce in Rio

Some time ago, my New Yorker cousin came to visit Brazil and I wanted to make sure she was leaving with her iPod full of brazilian specialities. A few weeks later we exchanged this conversation by e-mail.

  • “Im listening to music you sent me while writing (I really like Joyce!…although right now im listening to Paulo Bellinati)” — she said
  • Joyce is a godess. I worship her every time I need a good something-between-samba-and-bossa-nova in my ears.”— in my reply

Joyce’s voice singing Bossa-Nova is probably what gets closer to the true spirit of Rio de Janeiro city.

Ipanema beach, Rio de Janeiro

Enough talking. This is some of her works. While listening, close your eyes and imagine a calm sunday walk in Ipanema beach.

(pictures link to the location they where found)

A Música Celestial de Bach

Depois de ler o artigo sobre a apresentação anônima de Joshua Bell no metrô, revisitei minha querida coleção de Bach para ouvir a Gavotte em Mí Maior da Partita n°3 para Violino Solo que Bell usou para abrir a sua experiência.

Que peça de extraordinária beleza !

Na mesma obra há também o Prelúdio que lembro muito bem a primeira vez que ouvi, em uma versão mais elétrica da Vanessa Mae que alguém me mandou pela Internet. Estava no trabalho, me fez fechar os olhos e quase chorar de emoção.

O gênio foi praticamente esquecido após a sua morte. Felix Mendelsson o redescobriu 1829 e desde então Bach não parou de influenciar músicos até os nossos tempos.

Há quem toque Bach em versões jazzísticas, como Jacques Loussier e outros. Há quem faça belíssimos arranjos vocais, como os Swingle Singers. E músicos brasileiros como Altamiro Carrilho, Villa-Lobos e Paulinho Nogueira vivem dizendo que Bach foi o primeiro compositor de choro do mundo. Comprovam isso com releituras em choro de suas composições, ou compondo novidades ao estilo Bach. Bach é inconfundivelmente brasileiro! Veja por exemplo as Bachianas de Villa-Lobos.

A técnica do contraponto vigoroso de Bach, sobrepondo diversas melodias similares em tempos defasados, exige um absoluto e matemático controle da harmonia, coisa que não é problema para o mestre. Um dos momentos mais vibrantes e perceptíveis dessa técnica é o último movimento do Concerto Brandenburgo n°3, onde uma avalanche de cordas e melodias cresce sem fim elevando nossa alma para justamente onde Bach queria nos trazer: perto de Deus.

Em momentos de graciosidade, Bach nos presenteia com clássicos como a Badinerie de sua Suite Orquestral n°2 ou o primeiro movimento do Brandenburgo n°5. E quando é hora de buscar nossa paz interior Bach nos deixa a sós com a famosa Ária da Suite Orquestral n°3.

Copiando Beethoven é o mais belo filme que fizeram sobre os grandes compositores eruditos. Apesar do pano de fundo do pequeno romance, as intrigas com o sobrinho etc, o foco do filme é a intensa relação emocional e espiritual do compositor com sua música, de onde vem a inspiração, e seu poder transformador na humanidade.

Mozart, Schumann e outra vez Beethoven também tiveram seus filmes populares. Bach ainda não. Uns dizem que é porque sua vida foi sem graça e não merece um filme. Mas a verdade é que o cinema ainda não é crescido o suficiente para comportar a paixão que é Bach.

Bach dizia que a função da música era elevar a alma para louvar Deus. Não um deus obsoleto das páginas da bíblia, do pecado, da igreja, das velhas tradições. Mas o Deus que é e está em tudo, no bem e no mal, e cuja multipolaridade inspirava em Bach seus belos contrapontos.

A Little Bit of Jazz

Capa do CD VoodoobopQuando vou aos EUA faço questão de ouvir rádio.

Já não ouço muito Rock e Pop, e a Cultura FM de São Paulo é dez vezes melhor que qualquer rádio de música classica de qualquer cidade que já visitei ali. Já até ouvi maestros internacionais dizerem que em matéria de erudito, a Cultura FM é a melhor rádio do mundo. E pelas minhas andanças eu preciso concordar.

Então, ao contrário do Brasil que mal se encontra rádios de Jazz nas maiores cosmópoles, ali, qualquer cidade de interior tem ótimas radios que tocam do Bebop ao Jazz contemporâneo. E é nelas que sintonizo nessas viagens.

Já algumas vezes mudei minha rota imediatamente para uma loja de CDs após ter ouvido lindos temas de Jazz no rádio.

Foi o que aconteceu quando ouvi VooDooBop do Astral Project, que soa como um Bebop mas tem uma pegada surpreendentemente funky, groovy. Nunca ouvi coisa do gênero. Depois fiquei sabendo que eles são um dos melhores grupos de Jazz da atualidade, lá de New Orleans. Do mesmo album Voodoobop, The Queen Is Slave To No Man tem alucinações típicas das últimas canções de um album, mas é um tema dos mais belos.

E numa outra viagem aconteceu de novo com a Mother Nature’s Son de Lennon e McCartney (editado pela primeira vez no White Album dos Beatles), numa versão suave, instrumental e linda, no sopro e piano de Joel Frahm e Brad Mehldau respectivamente.

Para baixar os MP3 em alta qualidade, clique com o botão direito do mouse sobre o nome das músicas e selecione a opção correta.

Nostalgia Titânica

Sabe, as vezes bate uma saudade dos velhos amigos. De épocas bem vividas. Não que os dias de hoje não sejam, mas em outros carnavais nossa mente estava em outra sintonia, que nos fazia levar a vida por caminhos diferentes.

Fico muito feliz quando conheço artistas e suas músicas que tocam minha alma diferente da média que a gente vai ouvindo por aí. Isso acontece poucas vezes por ano. E certos anos simplesmente não acontece.

Titane é uma cantora praticamente desconhecida que me levou para esse mundo da nostalgia. A saudade dos amigos que a gente pouco vê bate mais forte, ao mesmo tempo que rola uma esperança de estarmos mais próximos muito em breve.

Descobri suas músicas por aí, fui conhecendo mais e me encantei. Ela tem trabalhos que são deslumbrantes do começo ao fim. E que voz !

Zensider, de Edvaldo Santana e Ademir Assunção, era tocada às vezes na Rádio USP aqui em São Paulo, mas a Moda do Fim do Mundo, de Alice Ruiz e Chico César, do mesmo album mas jamais ouvida, é prá lá de mais interessante e melódica.

Curtam seus amigos. Agora, antes do fim do mundo.

Mais Sons Inspiradores

Como fiz com o Buddha-Bar, agora foi a vez de compactar toda coleção Café del Mar em 2 CDs de MP3 para ouvir no carro.

Café del MarQuer saber? Gosto mais do Café del Mar do que do Buddha-Bar. Enquanto o último se preocupa em sobrevoar sons étnicos de todo o mundo, o Café del Mar é independente, e bem mais zen. É simplesmente delicioso adormecer com a delicadeza etérea desses sons nos ouvidos.

Há muitíssimas coisas ótimas, que remetem a imagens de jardins verdejantes e folhas de palmeiras balançando ao vento, respiração profunda, um êxtase sereno, e sempre a lembrança de que o mundo é maior do que a nossa percepção abafada pelo dia-a-dia é capaz de sentir.

Selecionei (com muita dificuldade) a Northern Lights do Lux, 8:00 AM de Lazybatusu e Adios Ayer de José Padilla, o organizador da coleção. Selecione com o botão direito para baixar e ouvir.

Ah! Tem também algumas rádios de Internet que ainda não estão 100% exploradas, mas vale a dica: Drone Zone, Space Station Soma e Groove Salad, todas no site da Soma.fm.

Os Novos Sons do Mundo

CDs Buddha-BarCaí na estrada com todos os 16 CDs dos 8 albuns Buddha-Bar compactados em práticos 2 CDs de MP3. Para quem não sabe (eu não sabia até uns 3 meses atrás) os Buddha-Bar são belíssimas compilações de DJs do bar-restaurante-lounge Buddha-Bar de Paris, e trazem sons do mundo todo, parte no estilo lounge/chill out/ambient, parte em ritmos mais animados.

Alguns anos atrás eu diria que isso é música alienante e me manteria fiel a MPB, ou ao Instrumental Brasileiro; como a mais uns anos antes diria que qualquer coisa fora do hard rock seria “fagot-music”. Incrível como os gostos mudam quando agente mantém a mente aberta…

Hoje tenho me sintonizado mais com essas pulsações globais. São sons que me fazem sentir parte de uma coisa maior, que amplificam a visão, a respiração, sei lá. Fazem os nossos problemas precerem menores ainda porque insistem em nos lembrar que o mundo não termina na nossa cultura.

No meio de um monte de coisas interessantes, há canções realmente lindas, e separei algumas degustações para vocês: a etérea Tibet (a passage to…) de uns tais de Tibet Project, e a maravilhosa Onón Mweng de Oliver Shanti.

Essas canções fizeram as paisagens de Ilhabela ficarem ainda mais paradisíacas nesse final de semana.

Paco de Lucia’s Monasterio de Sal

If there is one single song in the world that deserves its own home page, it is Paco’s Monasterio de Sal [click with right button to download +192kbps high-quality MP3Paco de Lucía & Carles Benavent ▸ 1975 • Entre dos aguas ▸ Monasterio de Sal] colombianas-type flamenco song. It is soberb.

From Solo Quiero Caminar, and Entre Dos Aguas albums, it is a duet with flamenco bass player Carles Benavent. I tend to see the hand of God in simple compositions or arrangements, but this song sounds to me extremely complex for both musicians, and they still can play together, being in the same time single extraordinary solits, and completing each other as one inseparable masterpiece.

If you tune your stereo left-right balance you’ll have a surprise. I have to admit that sometimes I prefer to listen only the left side. Yes, the left side.

Carles Benavent, as a co-star, excels in the entire song, but specially around this playing times: 0:45, 0:58-1:25, 2:01, 2:11, 2:38, 3:05, 3:30, 3:45, 4:00-4:06.

Paco de Lucia of course excels too specially in the inspired and soft introduction, and: 1:17-1:24, 1:30-1:46, 2:00-2:04, 2:10-2:14, ah…. nevermind…. it is all extremely beautiful. Tune your left-right balance and you’ll understand.