Sem Leilão mas Com Responsabilidade

Sobre a Receita Federal ter suspendido o leilão de compra de licenças do Microsoft Office, isso é uma notícia aparentemente boa para a comunidade livre, mas é preciso tomar cuidade para o tiro não sair pela culatra.

A experiência mostra que é IMPOSSÍVEL trocar uma aplicação de usuário final sem fazer um planejamento técnico e cultural de migração. É imprescindível também um alto cargo da empresa apoiar esse projeto. Gerente de informática sozinho não faz verão.

Se não, a cultura das pessoas simplesmente vence. Ainda mais quando o número de usuários é do tamanho de R$41M em software.

Eu espero que a Receita Federal tenha planos para a migração para ODF e outra suite de escritório. Do contrário essa notícia pode virar um fiasco.

Linux as a Standard Compared to OOXML

When Microsoft says OOXML is good because it promotes choice for users, they are telling a fallacy. They are transfering to the standard a role that should be on the product side.

The OOXML standard versus the Microsoft Office product.

Everybody knows that to have many products that use the same standard is the right thing for the standard and for the users.

GNU/Linux (not just the kernel) positioned as an OS standard and as a brand gets weaker when many different distributions package it in different ways and flavors. The result is that the mindset of what GNU/Linux is is not a consistent concept across the industry in general.

Of course in the case of OOXML Microsoft is pushing it in an artificial way, and on the Linux scenario to have many distributions is a natural process, but just think about it.

Basic Subversion Repository Management

(This is a shared personal note, suggestions are welcome.)

Create a Subversion repository for a project, say The SVG Blog Icons:

  1. Create the repository on the hosting panel with a project name (e.g. Blog Icons) and project ID (e.g. blogicons).
  2. Import the files:
    bash$ cd src/
    bash$ ls
    bash$ export EDITOR=vi
    bash$ svn -m "First import" import blogicons
  3. Start over with a fresh copy:
    bash$ mv blogicons blogicons.old
    bash$ svn co blogicons
  4. Create a repository for pointers to official releases and register the official release the files imported represent:
    bash$ svn -m "Links of official releases" mkdir
    bash$ svn -m "Official 20070518 version" cp
  5. Check how it looks pointing the browser to

Manage project files:

  • Add files
    bash$ cd blogicons
    bash$ svn add newfile.svg
    bash$ svn add newfiles.*
  • Remove files
    bash$ cd blogicons
    bash$ svn rm oldfile.svg
    bash$ svn rm oldfiles.*
  • To embed the file’s meta information in itself as a comment
    bash$ cd blogicons
    bash$ echo "<!-- $Id$ -->" >> file.xml
    bash$ echo "/* $Id$ */" >> file.c
    bash$ echo "// $Id$" >> file.cpp
    bash$ echo "# $Id$" >>
    bash$ echo "# $Id$" >> Makefile
    bash$ svn propset svn:keywords Id file.xml file.c file.cpp Makefile

    Every time changes and commits happen, the $Id$ tag will be replaced as this examples:

    <!-- $Id: file.xml 148 2007-07-28 21:30:43Z username $ -->
    /* $Id: file.c 148 2007-07-28 21:30:43Z username $ */
    // $Id: file.cpp 148 2007-07-28 21:30:43Z username $
    # $Id: 148 2007-07-28 21:30:43Z username $
    # $Id: Makefile 148 2007-07-28 21:30:43Z username $

    People use to put the $Id$ tag in the beginning of source files. The example show how to put in the end, but that’s because it is easy to represent it here in the documentation. You should put $Id$ tags in the beginning of the file.

  • Commit changes to repository
    bash$ cd blogicons
    bash$ svn -m "Changed color to red on icon A, moved the circle shape to left on icon C" commit

    Use descriptive comments favoring WHAT changed on files and not which files changed.

Nokia E Series with Wireless LEAP Authentication

So looks like some people are having problems to configure LEAP in their Nokia E-series phones as E61i or others. This is a guide:

  1. Go to Settings->Connection->Access Points
  2. Create a new access point with any name you want
  3. Use the following configuration:
    1. Data bearer: Wireless LAN
    2. WLAN network name: the SSID of your WLAN which is found by a WLAN scan or provided by your sysadmin
    3. Network status: it is probably Public, but my company’s WLAN name is not broadcasted, so I need to select Hidden
    4. WLAN network mode: Infrastructure
    5. WLAN security mode: although some people report WPA/WPA2 work for them, 802.1x is the only option that works for me
    6. Enter the WLAN security settings subpanel
      1. WPA/WPA2: EAP
      2. EAP plug-in settings: leave only EAP-LEAP enabled/checked using the Options menu
      3. Put the cursor over EAP-LEAP and select Options->Configure
        1. User name: Put the user name they gave you, in my case is my e-mail address
        2. Prompt password: I use No
        3. Password: your password (for LEAP use a very complex password for security reasons)
    7. Homepage: so you will have bookmarked the source of this information 😀

With this configuration I am able to connect to my company’s WLAN, which uses Cisco routers and access points. By the way, EAP-LEAP is a proprietary WLAN authentication protocol created by Cisco, and looks like it is considered obsolete.

I also noticed that if the GSM SIM chip is not inserted (offline mode), the phone behavior of getting connected is more difficult. It does not recognize a Hidden WLAN and I had to force the connection. With a GSM SIM chip inserted everything works nicely and as expected.

Looks like only Nokia E-series phones (E61, E61i, E70 etc) running the S60 platform can connect to LEAP WLANs. Same generation Nokia N-series phones (N73, N80, N95) can’t, because they were not designed for business environments — the kind of environments that uses Cisco’s EAP-LEAP.

Bossa Nova to Samba to Choro

Before the famous Brazilian Bossa Nova type of music we had Samba and before that, Choro. Each style evolved from its predecessor.

Many will translate the word choro as cry but nobody is sad. In old Portuguese, choro refers to the vibration of the strings of the acoustic guitar. But yes, it makes me cry when I listen to such a beautiful music.

Choro is a style being played for more than one hundred years. In the 1950’s people started to forget it because the Bossa Nova movement was flourishing and stealing the scene. But then a bandolinist called Jacob do Bandolim took it over playing in bars his wonderful compositions as Doce de Côco and since then Brazilian big cities, specially Rio de Janeiro, find enough room for all styles. In fact, one can find Choro shows 7 nights per week in Brazilian cities as Rio and São Paulo.

Around the end of the 1890’s Samba appeared as a direct descendent of Choro. Identical in rhythm and as melodic as Choro. But while Samba values more percussion and dancing, choro is more concerned with musical solos and harmony between instruments, as we can hear when the trombone plays together with the trumpet on O Trombonista Romântico.

Choro is Brazilian Jazz since before Jazz even existed.

The samples here are played by the outstanding duo of Zé da Velha e Silvério Pontes playing trombone and trumpet, a very uncommon combination of instruments for Choro, together with other excellent musicians from groups as Nó em Pingo D’Água, and other independent musicians.

Zé da Velha e Silvério Pontes first albumThe harmony between them is so unique that I can say they are the best “chorões” in their old school style nowadays. Particularly about Zé da Velha, the trombonist, some people say he plays as he speaks, and his voice recalls his trombone playing. Just listen the famous Alvorada to understand that.

Other wonderful songs they registered in their recordings:

Wireless Gratuito

Enquanto no Brasil falamos de custos de R$6 por megabyte para acessar a Internet a partir de nossos smartphones, nos EUA isso é gratuito e público em muitas cidades.

Quando estava lá, fiquei surpreso em ver na mídia o projeto WiPhi, onde a prefeitura de Philadelphia está cobrindo a cidade inteira com roteadores WiFi. De graça. Para qualquer cidadão, turista ou empresa.

Lembrei disso ao ver hoje um post no blog do Google comemorando 1 ano de cobertura WiFi gratuita na cidade de Mountain View, sede do Google perto de San Francisco.

É obvio como o Google ganha dinheiro com isso: aumentando o número de usuários, número de geradores de conteúdo (bloggers e outros), e por conseqüência o número de impressões de AdSense.

San Francisco, capital do Vale do Silício, é outra cidade que tem um projeto similar. Mas enquanto não sai do papel, o Google fez uma parceria com a Earthlink para já prover esse serviço gratuitamente.

Para isso ser viável no Brasil, nossa economia terá que crescer muito ainda. Apesar de sermos uma país continental, a população economicamente ativa é muito pequena, talvez menor que a de muitos paises da Europa.


Comprei o tal Nokia E61i desbloqueado fora do país.

Aí coloquei o tal chip GSM e consigo fazer e receber ligações mas só receber SMSs (ou torpedos). Não conseguia enviar porque quando tentava ele pedia um tal de número do centro de mensagens. Vai saber o que é isso…

Investiguei os menus do aparelho e realmente pode-se cadastrar centros de mensagens, cada um com um respectivo número. Ou seja, se quero mandar um SMS para o número 1234-5678 o que de fato acontece é que o aparelho envia para um número especial da operadora, e esta por sua vez trata de redirecionar para 1234-5678 ou outra operadora.

Restava agora descobrir que número era esse. E uma pequena saga começou.

Liguei umas 5 vezes para a central de atendimento da VIVO (em cada tentativa fui recirecionado umas 4 vezes, tendo que passar cada vez meu CPF etc) e ninguém nem sabia do que eu estava falando.

Liguei na Nokia, e com tom de “sabemos do que se trata” disseram que é a operadora quem tem que fornecer esse número, obviamente.

Impaciente, fui até uma loja da VIVO para pedir ajuda. Quem me atendeu também tentou ir via central de atendimento, e nessas fui redirecionado mais umas 4 vezes, sem a menor possibilidade de êxito. Em paralelo, o gerente muito atencioso foi tentando falar com seu suporte de loja, que também batia com a cabeça na parede.

Resumo da ópera, tive que pedir um aparelho similar da vitrine, tipo E62, N73, etc, ligá-lo com o meu chip e entrar nas configurações do Centro de Mensagens para ver qual era o número que aparecia. Ligá-lo sem o chip não funcionava.

Ai foi só criar um centro de mensagens com um nome qualquer, tipo “Vivo SMS” e copiar o número +55-01-0110-2010 do outro aparelho. E lá vai o bichano mandando SMS com sucesso.

Mas me tiraram a alma até eu poder manusear um aparelho da vitrine para que eu mesmo possa descobrir a solução do problema !

Espero que esse número seja útil para outros que compram celulares fora do país.

Some SVG Games

I’ve been using SVG more as an offline drawing language and not much as a technology for the web. But I met a friend in a bloggers conference this weekend and he mentioned something obvious, but that I never looked for: an SVG Tetris game. Of course there are many other SVG games.

Check it out:

SVG is just the language to represent graphics and get input. Game logic is actually written in JavaScript.

Web developers are used to mix (X)HTML with JavaScript. Maybe it is time to start thinking about mixing SVG and JavaScript to see proprietary technologies as Flash or Silverlight to be less massively used. For that, better IDE tools for JS+SVG will be required and browsers and platforms must find a more standard way to render audio and video (a feature covered by Flash and SL, but not by SVG).

Manchetes de Hoje no Rádio

O que não se aprende ouvindo um pouco de CBN ao vir para o trabalho.

  • Brasil precisa investir quase R$90bi sem parar ao longo dos próximos 10 anos para resolver nossos problemas de infraestrutura. Isso sem contar o investimento necessário para levar infraestrutura para todos os brasileiros. Falta de investimento foi a causa de problemas como o apagão aéreo. Esqueci qual era a fonte da pesquisa.
  • Um restaurante em São Paulo está oferecendo algo suigêneris. Diferente de restaurantes gregos onde simplesmente se quebra pratos no chão, o cliente pode entrar numa sala e jogar objetos em alvos que lembram pessoas, e a idéia é que os alvos personifiquem pessoas odiadas pelos fregueses. Os objetos quebráveis variam de R$2,50 a R$50.
  • Um homem exige indenização de R$15000 de sua futura ex-mulher por tê-lo traido e ter criado uma filha que não é sua.

Cesar Brod e seu SIM ao OOXML

Cesar Brod registrou sua opinião sobre OOXML antes e depois da votação.

Eu acho essa questão muito complicada. Não acho que ele deve ser crucificado nem nada. A comunidade só está espantada com o fato de que ele não teve a postura padrão que todos esperavam.

A surpresa que tive no dia do voto foi o meu lado preconceituoso falando mais alto. Depois de minha mente retomar o controle, eu acho que apesar de não concordarmos sobre a diferença entre padrão e documentação, OOXML é uma oportunidade de mercado, Cesar Brod é um ser muito pensante, tem feito trabalhos técnicos com a tecnologia, está inserido num contexto diferente do meu, e só isso me indica que teve seus motivos para votar SIM.

Seu voto de forma alguma arranha o respeito que tenho por ele. Talvez o respeite mais ainda pela coragem de tomar uma postura contra a opinião média da comunidade livre do Brasil, que como toda comunidade, tem conceitos pré concebidos, é segregacionista e costuma ser plana por natureza.

Do pouco que conheço Cesar consego mapear sua personalidade afável, conciliadora e bem aventurada. Em outra vida, Cesar seria um bom diplomata.

OOXML: Brazil Says NO

After a very difficult and inconclusive meeting in ABNT (Brazilian Technical Standards Organization) office last tuesday, the standards process director had to analyze the audio recording of all the meeting, review some facts, review again all 63+2 comments produced by the technical group about the ECMA specification, and conclude that a NO for OOXML is the correct position for Brazil in ISO Fast Track process.

Brazil will fill the ISO form with a NO and will attach the 63+2 technical comments to it.

I was a member of the technical group that have studied OOXML specification extensively. I learned that it is unbelievable how ECMA (same guys that put together the JavaScript standard!) can think that a wannabe spec like OOXML is ready for submission. It is incomplete (does not provide mappings with legacy standards, since compatibility is OOXML goal), too long (6000+ pages), fully tied to a single product, uses deprecated substandards, promotes bad practices (embedded binary objects), has clear proprietary hooks (like “formatAsWord95” XML tags), reinvents the wheel all around (date and color formats etc), and most of all does not have a standards-grade look and feel required for a universal and (virtually) eternal document format (doesn’t have to be perfect, but can’t be that imperfect).

Shame on you, ECMA. Your position as a trusted standards organization was severely damaged.

In my opinion, the YES-voting countries are not reading the OOXML specification, are making a pure political decision or simply don’t have a standardization process. This is not to mention that they completely ignored the fact that a similar standard — ODF — already exists. Neither is the case of Brazil and our ABNT.

Countries that will absent their vote probably had a tough time in the decision process with a lot of conflicts between political ramblings and technical facts. This was almost the case for Brazil and our ABNT, but we got the courage to do the right thing.

In parallel, ABNT is turning the OpenDocument Format into a national standard and will adopt and promote as it is: a truly open, universal and independent format for digital documents.

This is a happy day.

Media news that link here (a.k.a. egotrip):

Links to other sources:

Impressões Sobre Reunião Final da ABNT

Era uma incógnita absoluta como iria terminar a reunião de votação do OOXML. E de fato terminou de forma inédita.

Não é responsabilidade da ABNT definir tecnicamente um padrão, e sim somente estabelecer e liderar o processo para que os interessados da sociedade decidam sobre ele.

Hoje a ABNT viveu uma reunião como nenhuma outra em sua história, acredito. As opiniões estavam tão divididas e irredutíveis que Eugênio, o diretor de normatização, teve que assumir uma posição de muita responsabilidade e ele próprio decidir pelo voto baseado nos relatos gravados da reunião. Ele teve presença de espírito suficiente para perceber que a discussão poderia demorar mais 8 semanas e não chegar num consenso.

O processo funciona mais ou menos assim:

  1. A ECMA/Microsoft submeteu a especificação OOXML para se tornar uma norma ISO.
  2. A ISO instala o processo Fast Track onde as National Bodies (ABNT no caso do Brasil) de vários países analisam a qualidade da especificação para votar SIM, NÃO ou abstenção na ISO. Votos SIM e NÃO podem vir acompanhados de comentários.
  3. A ABNT criou um Grupo de Trabalho (GT2) a uns meses atrás para fazer um estudo técnico do OOXML. Participaram do estudo empresas e entidades a favor e contra o OOXML. Eu participei pela IBM.
  4. O trabalho do GT2 como um todo se consolidou em 63 comentários de melhoria à especificação, mais 2 comentários muito polêmicos que foram tratados de forma separada, mais algumas dezenas de comentários muito pertinentes que ou não houve tempo de incluí-los na mesma lista dos 63, ou concordou-se que deveriam ficar de fora. Esse trabalho terminou nesta segunda, 20 de agosto, um dia antes da reunião de hoje.
  5. O processo da ABNT dita que para eliminar um desses 63+2 comentários técnicos, deve-se apresentar uma contraposição fundamentada. Caso contrário, tal comentário é categorizado como um consenso de que é válido. Este é um ponto muito importante do processo.
  6. Há quem ache que os comentários não são relevantes, e nesse caso vota SIM ou SIM com os comentários. E há quem ache que são relevantes, e no caso vota NÃO ou NÃO com os comentários.

Fernando Gebara repassando os 63 comentários.Os 63 comentários foram lidos na parte da manhã e gastamos quase a tarde inteira para discutir calorosamente somente um dos 2 comentários polêmicos. Soa como discutir o sexo dos anjos: ninguém parece estar errado nem certo.

No fim do dia, Eugênio voltou para o desenrolar e se deparou com uma total indefinição. Analisou rapidamente a situação e colocou a reunião num trilho de raciocínio lógico. Primeiro constatou que todos concordavam com os 63 comentários e que eles não tinham contraposições fundamentadas. Depois verificou que as pessoas não queriam que a posição do Brasil fosse abstenção. Sobrou o SIM ou o NÃO.

A Microsoft e algumas empresas parceiras não aceitavam um NÃO mas ao mesmo tempo concordaram que os comentários eram pertinentes. Corinto Meffe, do Ministério do Planejamento, argumentou, e todos concordaram, que comentários anexos a um NÃO teriam mais força de transformação da especificação do que os mesmos acompanhados por um SIM. Neste último caso, não se sabe se a ECMA/Microsoft iriam acata-los, o que desvalorizaria o trabalho do GT2 e a opinião técnica do Brasil no mundo. O NÃO com comentários fazia mais sentido. Aparentemente inclusive aos olhos do Eugênio.

Era evidente o balanço de opiniões. Todas as empresas e instituições governamentais como MCT, ITI, MP, Banco do Brasil, Caixa Econômica, Correios, Serpro, Celepar, etc, mais organizações como, Rede Livre, ODF Alliance, mais empresas do calibre da Sun, Red Hat, 4Linux, IBM, Metrô de São Paulo, Google e outras, votariam NÃO.

O SIM era mantido pela Microsoft, UNESP, SUCESU-SP, Associação de Parceiros Microsoft, e mais uma porção de empresas regionais ou de alcance menor.

Numa votação informal deu 27 NÃOs e 24 SIMs. Mas isso não representa a sociedade, e o objetivo é chegar a um consenso, e não resultado por votação.

Eugênio assumiu uma missão para as próximas horas. Ele deve analisar o teor dos argumentos na reunião e provavelmente medir o peso das divergências. Por exemplo, talvez ele calcule que o opinião de um parceiro regional da Microsoft tem uma relevância mais focada que o de uma empresa global como o Google, ou não estaria tão sintonizado com os desejos intrínsecos da sociedade em geral como as instituições públicas.

Isso é um exemplo de critério que faz sentido para mim, mas não sei que linha ele vai tomar. E é importante não pressionar a ABNT nem o Eugênio por que é comprovadamente uma questão muito difícil.

De qualquer forma, tudo indica, mas sem nenhuma certeza, que o Brasil dará um NÃO com comentários ao OOXML.

Há especulações que outros fatores podem influenciar a decisão final. Mas na minha opinião, o processo da ABNT tem sentido e lógica, é bem formal, e foi seguido na medida do possível. Aos meu olhos somente o processo em sí, e nenhum outro fator político externo, definiram o trilho para se chegar ao voto do Brasil.

Seja qual for, vamos saber nas próximas horas, e não vamos cantar vitória antes disso.

Indefinição Marca Fim da Votação do OOXML na ABNT

Escrevi neste post detalhes minuto a minuto da reunião de hoje na ABNT, que vai decidir se o Brasil é SIM favorável ao Microsoft Office Open XML, ou se vai dizer NÃO porque prefere usar bons padrões abertos como o ODF.

Se você não entendeu nada, leia outro post que explica algumas coisas.

O resultado de hoje definirá a posição oficial do Brasil na reunião mundial da ISO, para tornar o MooX um padrão aberto ou não.

Hoje, o SIM é ruim para a comunidade livre. É o NÃO que buscamos.

Há uma chance de o dia de hoje levar o Brasil a se abster. Isso potencializa duplamente os outros votos SIM e NÃO na ISO, mas acima de tudo colocaria o Brasil numa posição indefinida, vergonhosa na minha opinião, para uma questão tão importante. A abstenção é o destino de uma reunião que não entrará em consenso.

  • 9:45. Fila para entrar. Sala se enchendo rápido. Pessoas na reunião: Jomar Silva da ODF Alliance, Marcelo Marques da 4Linux, Marisa e Deivi do Serpro, Corinto Meffe do Ministério do Planejamento, outros do ITI, Bimbo da Red Hat, IBGE, outras pessoas do governo, Claudio do, estudantes da UNESP (provavelmente os que mais se aprofundaram na especificação do MooX), Cesar Brod, Pedro Rezende da Rede Livre, e várias pessoas usando bolsas de eventos da Microsoft.
  • 10:20. Sala lotada. Eugênio da ABNT abre a reunião dizendo que o papel da instituição é ser neutra e somente tocar o processo. Esclarece também alguns pontos questionados pelo Jomar sobre o que é voto “sim com comentários” e “não com comentários”, etc. Esclareceu também outros detalhes do processo da ISO. Contou também que é o maior quorum de uma reunião na ABNT. Ressaltou novamente que a ABNT não tomou nenhum partido.
  • 10:50. Ainda com o Eugênio ao microfone, Daivi do Serpro pediu a palavra para lembrar como a ISO define consenso. O voto será SIM ou NÃO se houver um consenso geral para isso.Fernando Gebara repassando os 63 comentários.
  • 11:00. Pessoas começaram a pedir para cumprirem a agenda, e começar a revisar as objeções a especificação OOXML.
  • 11:03. Marcia Cristina da ABNT contou que sempre, inclusive questões polêmicas, acabam em consenso. Quero ver como esta vai terminar.
  • 11:04. Fernando Gebara da Microsoft toma o microfone e se prepara para mostrar a lista de comentários a especificação.
  • 11:05. Cesar Taurion pede para citar quem participou do GT2. A partir da Parte 4, mais de 200 comentários foram postados no Wiki. UNESP, Celepar, Banco do Brasil, Serpro, Correios, ODF Alliance, IBM, Sun, 4Linux, Red Hat.
  • 11:10. Gebara conta como foi o processo de coleta de comentários, centrado num Wiki e com reuniões presenciais em SP, RJ e BSB, onde mais de 200 comentários foram consolidados em 61. Explicou também como é o template de documento da ISO para receber comentários de normas.
  • 11:18. Decide-se ler comentário por comentário pela voz de Fernando Gebara, conforme mostra a fotografia.
  • 12:03. Terminada a leitura dos comentários. Assuntos mais polêmicos como propriedade intelectual e reinvenção da roda em várias subespecificações como DrawingML versus SVG, MathML e outros ficarão para a tarde. Decide-se voltar as 13:15.

Foi uma manhã leve.

Na saida do intervalo, encontrei um velho amigo de uma empresa chamada Programmer’s. Perguntei qual seria seu voto. Ele respondeu que na opinião dele, quanto mais padrão melhor, ainda mais se é um padrão já muito usado. Isso é um total equívoco porque praticamente ninguém usa o OOXML ainda por ser extremamente novo.

Mas a Microsoft tem “vendido” o OOXML como um formato já antigo, na verdade como um formato de compatibilidade com os documentos legados do Microsoft Office. Como assim? Só pra começar, um é puramente binário e o outro é XML zipado? Não há absolutamente nenhuma compatiblidade entre os dois formatos.

Corcovado visto do escritório da ABNTCatedral de São Sebastião vista do escritório da ABNT

  • 13:40. Abriram a reunião discutindo a mudança do local da votação de Brasilia para o Rio e que isso não entrou de forma correta na ata da última reunião.
  • 13:50. Começaram a discutir os dois pontos mais polêmicos onde não se chegou num consenso se deveriam entrar ou não na lista de comentários.
  • 13:53. Ponto 1: se a especificação é para um formato de documentos e de compatibilidade com o legado, deve haver um mapeamento entre o OOXML e o formato legado, e isso não está incluido na especificação.
  • 13:56. A discussão fica mais quente quando Jomar explica que sem isso a especificação não se justifica.
  • 14:00. Pedro Rezende, Rede Livre, toma o microfone. Divaga sobre o uso livre da especificação e que ela está incompleta para uso livre.
  • 14:06. Raimundo da Microsoft diz que essa questão já foi discutida e que não deve voltar a tona.
  • 14:11. Ricardo Bimbo da Red Hat diz que tecnicamente há a necessidade de acesso ao mapeamento entre o OOXML e os antigos formatos binários.
  • 14:13. Jomar insite na necessidade dos mapeamentos porque qualquer um deve ser capaz de criar conversores entre os formatos binários legados e o OOXML.
  • 14:16. Leandro da UNESP diz que deve ser feito o questionamento sobre o mapeamento. Mas diz que isso não faz parte do escopo da norma.
  • 14:19. Raimundo da Microsoft diz que a norma atinge os objetivos e tal questionamento está fora do escopo.
  • 14:20. Murilo do Banco do Brasil lê o objetivo da norma, de seu documento de overview, mostrando que deve haver um documento de correlação entre os dois formatos. Muitos sussuram de que isso está claro.
  • 14:23. Outra pessoa diz achar que há a necessidade de um documento de mapeamento.
  • 14:24. Propuseram simplesmente adicionar o link para a especificação dos formatos binários de documentos.
  • 14:25. Bimbo deixa claro que não estamos ensinando ninguém a fazer norma. Diz que normas são vendidas e que devem ter alta qualidade. E adiciona que se a especificação binária existe, por que só não inclui-la ao padrão ?
  • 14:27. Jomar diz que o foco não é ter acesso a especificação binária, mas ao mapeamento do antigo formato binário ao novo OOXML.
  • 14:28. Leandro da UNESP diz que a norma não propõe essa conversão.
  • 14:30. Claudio da diz que isso contradiz o objetivo da especificação.
  • 14:33. Raimundo diz que incluir tudo isso seria impossível. É um pedido impossível.
  • 14:42. Corinto diz que legado é uma coisa importante sempre e houveram pelo menos 3 desenvolvedores que disseram que um mapeamento é importante. Ele fala bem. Saiu aplaudido.
  • 14:44. Eu queria falar mas só uma pessoa deve falar por instituição, e este seria o papel do Cezar Taurion. A discussão se voltou para que as pessoas a mais de cada instituição deveriam sair da sala. Estou saindo mas continuarei ouvindo da sala anexa.
  • 14:46. Não me deixam sair !
  • 14:50. Maluf da Sun diz: esses dois pontos são tão polêmicos, que tal simplesmente votá-los.
  • 14:51. Cezar se cansa com essa discussão estéril e propõe voltar a discussão técnica ao invés de ficar se atendo a quem deve sair da sala ou não.
  • 14:52. Raimundo sugere desconsiderar os 2 pontos polêmicos porque estão fora da lista dos 61 comentários. Estão quase jogando cadeiras, lavantaram a voz e tal.
  • 14:57. Prof. Rezende argumenta que os dois pontos devem ser incluidos sim.
  • 14:59. Lêem a introdução da especificação para ficar claro que seu objetivo não combina com o conteúdo. Falta o mapeamento.
  • 15:01. Jomar, tentando ser pragmático, pede para alguém manifestar uma contraposição fundamentada para anular o argumento de que o objetivo da especificação não condiz com a especificação em sí.
  • 15:05. Vitório da Celepar coloca sua opinião técnica de que esse mapeamento é necessário.
  • 15:06. IBGE propõe que os ítens polêmicos devem ser votados pelos representantes das instituições.
  • 15:08. A mesa pergunta como essa votação deve ser feita.
  • 15:09. Djalma do ITI também pede votação.
  • 15:12. Claudio da propõe retirar esse ponto polêmico do mapeamento e também remover todas os pontos da especificação referentes ao suporte legado. Era exatamente isso que eu queria falar quando não me deixaram.
  • 15:13. Tadao da Serasa fez uma pergunta processual para a ABNT que ninguém perto de mim entendeu.
  • 15:17. A mesa exige que se dê uma solução para o impasse. O ponto do mapeamento deve ou não entrar na lista de comentários?
  • 15:18. Jomar relembra que não há uma contraposição fundamentada ao comentário do mapeamento.
  • 15:22. Voltam ao ponto de representantes duplicados, a.k.a. eu.
  • 15:23. Marcelo Marques diz que não há contraposição técnica ainda para o ponto polêmico.
  • 15:25. Intercalam com o assunto de presença duplicada na sala e eu finalmente saio. Cezar Taurion levanta a voz e pede para voltarmos a discussão que importa.
  • 15:26. Corinto pede a contraposição, ou não.
  • 15:29. A discussão continua enrolada e sem fim. Acabei de ver o Gustavo Mazzariol do Metrô.
  • 15:32. Os participantes estão divididos: o ponto polêmico deve entrar ou não ?
  • 15:34. Bimbo sugere ir adiante e congelar este ponto pela falta de qualidade técnica na discussão.
  • 15:37. Marcia da ABNT mostra as opções que a ISO deu à ABNT para votar: SIM, SIM com comentários, NÃO e NÃO com comentários. Sugere a definição do grupo nesse sentido.
  • 15:43. Prof. Rezende relembra a questão do consenso e maturidade da norma. Sugere que a norma não está madura e portanto o voto do Brasil deveria ser NÃO.
  • 15:50. Da sala anexa em que estou posso ouvir gritos de desespero que não precisam do alto-falante para chegarem aos meus ouvidos.
  • 15:53. Bimbo comenta o constrangimento que seria o Brasil levar uma abstenção para a votação da ISO, e adicionou que o voto da Red Hat seria NÃO.
  • 15:59. Raimundo diz que o trabalho do GT2 foi no sentido de aprovar a norma e não aceita essa reversão para uma suposta desaprovação.
  • 16:01. Jomar diz que em nenhum momento o objetivo do trabalho era melhorar a norma, e sim avaliar sua qualidade.
  • 16:03. Murilo do Banco do Brasil reafirma o que o Jomar disse.
  • 16:04. Cezar Taurion reclama que a discussão técnica está sem técnicos, e isso vira algo comercial e vazio perante o objetivo da reunião. Diz que o que sabe é que a norma como está não pode ser aprovada.
  • 16:06. Vitório da Celepar diz que se sentiu ofendido e que não trabalhou para aprovar a norma.
  • 16:08. Maluf lembra que há outros 61 ítens que desqualificam a norma, e votaria NÃO. Apesar de os membros já estarem se expressando, isso não é ainda uma votação oficial.
  • 16:09. Eugênio volta a reunião e se atém aos 61 ítens que já são consenso de comentários à norma.
  • 16:13. Maurício da Associação de Parceiros Microsoft diz que seu voto seria SIM com comentários.
  • 16:20. Alguém da Cobra Tecnologia comenta sobre a questão de incluir binários (e potencialmente virus) dentro de um documento OOXML. É uma questão de segurança e por isso seu voto seria NÃO.
  • 16:26. Vários blablablás redundantes depois, o Ministério das Ciências e Tecnologia diz que seu voto seria NÃO.
  • 16:29. A mesa diz que praticamente só tem ouvido NÃO com comentários.
  • 16:32. Percebo que os parceiros da Microsoft estão se pronunciando muito pouco nessa fase de decisão. Quase nada. Calculo que eles não se sentem respaldados o suficiente para expressarem um suposto SIM.
  • 16:33. O representante da SUCESU-SP diz ser muito importante haver competitividade no mercado, do ponto de vista do consumidor. Comprimenta a Microsoft por abrir a especificação do OOXML. Diz que votaria SIM com os comentários anexos. Não contaram para ele que escolha é uma questão de produto, não de padrão de formato de documentos.
  • 16:35. Eugênio tenta achar uma solução para o impasse. Diz que em face dos 63 ítens, não precisamos mais da abstenção. Já temos instrumentos para decidir pelo SIM ou pelo NÃO.
  • 16:43. Jomar diz que nem todos os 63 comentários são impeditivos. Mas há 6 ou 10 que são, exemplo: não se pode definir senhas de documentos em chines, questões de Unicode, etc.
  • 16:45. O representante do Google Brasil se pronuncia dizendo que muitas empresas cresceram graças aos Padrões Abertos, felicita a Microsoft por entrar nesse time abrindo a especificação, e diz que votaria NÃO com os comentários.
  • 16:48. Corinto diz que se votamos NÃO com comentários, queremos que os comentários sejam considerados. E que não somos contra o padrão, mas contra o padrão como está proposto hoje.
  • 16:49. Gustavo Mazzariol do Metrô se posicionou, mas não ouvi sua resposta.
  • 16:49. Conab, sob o Minitério da Agricultura, vota NÃO com comentários.
  • 16:51. Alguém votou SIM com comentários, mas perdi quem era.
  • 16:51. Alguém diz que as questões de senha em chinês é problema da China, e não do Brasil. Ele vota SIM com comentários.
  • 16:52. Outro SIM com comentários da RGM.
  • 16:52. CompTIA vota SIM com comentários
  • 16:53. Cesar Brod vota SIM com comentários! Não esperava por essa !
  • 16:53. Serasa: SIM com comentários.
  • 16:54. UNESP: SIM com comentários. Prefiro acreditar que essa é a opinião do representante, e não da UNESP, instituição que me formou e que muito respeito.
  • 16:54. Outro SIM com comentários.
  • 16:56. Isso não era para ser uma votação. Eugênio tenta retomar o controle.
  • 16:57. Vira tumulto. Aparentemente não chegaremos a um consenso, segundo o sonho de todos. A reunião deve terminar às 17:00.
  • 16:59. Eugênio pergunta a todos se há um consenso de que existem 63 pontos a serem discutidos. Todos dizem SIM em côro. Então ele diz que agora deve-se discutir a categoria destes.
  • 17:01. Eugênio pergunta ao Jomar qual é o comentário mais crítico. Ele responde que é a questão de incluir blocos binários em documentos.
  • 17:02. Eugênio pergunta: isso é algo que deve ser modificado na especificação ?
  • 17:03. Raimundo quer se pronunciar e pergunta: porque os 63 ítens devem se transformar em condicionantes se eram só comentários adicionais. Da forma como ele colocou, muitos não concordaram com sua assertiva.
  • 17:04. Raimundo, com voz alta, acha que a regra do jogo foi mudada.
  • 17:05. Jomar diz que ele deveria ter lido as diretrizes do grupo de trabalho.
  • 17:05. Raimundo diz que Jomar usou diretrizes antigas.
  • 17:06. Eugênio diz que não o Jomar mas ele próprio trouxe as regras do grupo. É aplaudido.
  • 17:08. Eugênio lembra que consenso é ausência de contraposição fundamentada, e todos pedem ao Raimundo para fundamentar tecnicamente onde e como não concorda com o ítem de blocos binários.
  • 17:09. Raimundo comenta que o NB da Alemãnha acabou de votar SIM.
  • 17:11. Virou votação informal. Eugênio perguntou quem quer NÃO com objeções: 27 votos.
  • 17:11. SIM com comentários: 24 levantaram a mão.
  • 17:12. Eugênio pergunta quem quer abstenção. Ninguém.
  • 17:13. Alguém que votou SIM diz que quando há quase empate assim, o resultado deve ser abstenção.
  • 17:14. Raimundo diz que se fosse por maioria, teria colocado um ônibus aqui para votar.
  • 17:15. Corinto desenvolve um raciocínio dizendo que se não há contraposição fundamentada, deveria ser NÃO.
  • 17:17. Eugênio discorre que tenta evitar a abstenção do Brasil.
  • 17:21. Murilo do BB diz que as pessoas perceberam que há ítens impeditivos. Votaria NÃO.
  • 17:23. Marcelo Marque, 4Linux, sugere à ABNT que as discussões deveriam ser técnicas, e não comerciais ou políticas.
  • 17:25. Eugêncio tenta levar as pessoas ao longo de um raciocínio decisório.
  • 17:27. Bimbo insiste que não houve contraposição fundamentada a nenhum ítem crítico.
  • 17:30. Raimundo argumenta que o ODF passou na ISO com SIM com comentários técnicos. Mas ODF não é o assunto do dia.
  • 17:32. Raimundo acha que está sendo razoável. Eugênio argumenta que todos acham que estão sendo razoáveis. E todos riem.
  • 17:34. A mesa pede para chegarmos a um veredito por causa do horário. A ABNT precisa fechar o expediente.
  • 17:37. Discute-se que se não há consenso, deve haver abstenção.
  • 17:41. Corinto conta que Caixa Econômica e Banco do Brasil tiveram que sair para tomar seus vôos.
  • 17:42. Eugênio sai com o pessoal da ABNT para discutir fora da sala. Eles não sabem o que fazer, e não os culpo por isso.
  • 17:44. Raimundo discursa de pé dizendo que a turma do Software Livre não confiava na ABNT e agora estão amigos.
  • 17:45. Eugênio retoma a palavra perguntando ao Raimundo se a Microsoft confia na ABNT. Raimundo diz que sim. Eugênio adiciona então que agora a galera do SL também. Que bom !
  • 17:48. A mesa retoma e exige uma posição. Eugênio relembra que a abstenção não é mais uma opção. É SIM ou NÃO somente.
  • 17:49. Pessoas levantam nervosas. Dizem que a abstenção ser ou não uma opção não é discutível.
  • 17:52. Alguém discursa que a Microsoft pode ser ovacionada por admitir que há erros na especificação e corrigí-los, e que isso é importante.
  • 17:53. Eugênio tenta levar a um NÃO, argumentando que esse trabalho pode continuar, o draft pode ser melhorado pela Microsoft/ECMA, e que isso não é o fim. Conta que disse na ISO em Genebra que é um absurdo darem somente 4 meses para revisarem uma norma de 6000 páginas. E que o processo Fast Track é para normas pequenas, e não dessa magnitude.
  • 17:58. Por falta de tempo, Eugênio diz que terá que analizar as contraposições, que já tem um indicativo do voto, e dispensa todos para tomarem seus vôos. Diz que ele terá a responsabilidade de decidir o voto e que saberemos amanhã. Uma senhora responsabilidade, diga-se de passagem.

Achei que teria acesso à Internet da sala, mas só pude sincronizar na hora do almoço, e a noite quando cheguei em casa, em São Paulo, umas 21:00. Desculpem também qualquer erro de português: o editor do blog foi meu rascunho de anotações para vocês.

Amanhã vou postar mais impressões e opiniões pessoais sobre a reunião.

Lembre-se: o voto do Brasil ainda não está definido. Notícias como a que apareceu no site do PSL e que afirmam um NÃO, são mais especulativas do que verídicas. É importante não cantar vitória antes do tempo.

What’s Your Personality Type?

You Are An ENTP

The Visionary

You are charming, outgoing, friendly. You make a good first impression.
You possess good negotiating skills and can convince anyone of anything.
Happy to be the center of attention, you love to tell stories and show off.
You’re very clever, but not disciplined enough to do well in structured environments.

In love, you see everything as a grand adventure. You enjoy taking risks for love.
And if things don’t work out, you’re usually not too much worse for the wear!

You would make a great entrepreneur, marketing executive, or actor.

At work, you need a lot of freedom to pursue your own path and vision.
How you see yourself: Analytical, creative, and peaceful

When other people don’t get you, they see you as: Detached, wishy-washy, and superficial

I knew that already…

Top Movies of My Life (so far)

Looks like people really enjoy talking about movies.

Lets leverage that with a blog meme and learn from each other which new movies people suggest us to watch. This is my unordered list.


This is the best. Very feminist, dense, funny sometimes and beautiful. I wish I could have this DVD at home, but can’t find it on stores. It is an Oscar winner too.


I really like how Carl Sagan articulated the relationship between science, faith, religion and believes in this story. Its a very well done movie, and I am looking forward to read the book.


This is the first Dogme 95 movie I saw, and also the best. I remember how everything was refreshing: the technique, the acid story, language. All.

In the end of the movie, people in the theater started clapping. This is rare. Only for rare movies like this.

Crna macka, beli macor

A.k.a “Black Cat, White Cat”, is the best comedy I ever saw. I should see more movies by Emir Kusturica, but every time his movies feature in a film festival in São Paulo, I can’t manage the long lines.

Cidade de Deus

From Brazil, based in true facts, very violent, very well done and very beautiful too. The actors are completely unknown and poor boys and girls that were trained to play, and did a really great job on this movie. Nominated for 4 Oscars plus another 48 wins & 22 nominations. Don’t miss it.

Lola Rennt

Outstanding movie. Refreshing in shape, style, music, and on its story with a bit of metaphysics.

The Butterfly Effect

I really doubt somebody would put this movie in a top list. I like the metaphor this movie provides about reencarnation and spiritual learning and forgiving. I have to admit I watched it a little bit high.

The Matrix

I’m talking about the first movie plus a few elements from the 2 others to close the context and atmosphere. Not the whole series.

For me this movie is very philosophical and is a metaphor about our addictions, illusions and a real higher life that we need to find inside ourselves. This and the Butterfly Effect are somehow related movies in this matter.

Is just great how successful this movie was in establishing a style, a sort of new way of doing fantasy movies and on popularizing philosophical subjects.

The Last Temptation of Christ

Although I believe the actual life of Jesus was quite different from this story, The Last Temptation of Christ is the one that gets closer. Specially his search for a bigger true and how the story puts Jesus as a plain real man — and not a god —, with conflicts and agonies.


I saw it for the 9th time on TV at 3AM, after returning from a party, and finally time has come to recognize it as a very beautiful movie.

Electric Light Orchestra‘s soundtrack is wonderful and remarkable. The movie is light, full of love, and people involved in its creation were just having a lot of fun. A jewel from the 80’s that is still being sold as DVDs with high prices in stores.

Fantasia and Fantasia 2000

The idea is simple: get pieces of audio beauty and add some visual beauty on top of them. You can do no wrong. I prefer the more abstract or surreal chapters, but I don’t skip the other parts every time I watch these movies again and again.

Copying Beethoven

From all great classical composers movies, this is the best.

Despite the small romantic affair, problems with family etc, I like the focus of this movie on the intense emotional and spiritual relation of the composer with its music, where the inspiration comes from and its transforming power in human kind.

Hero and House of Flying Daggers

Two movies from Yimou Zhang. The first is more philosophical and the other more romantic. Both have great landscapes, nice stories and excellent Kung-Fu/dance scenes.


An excellent alternative american film. Very acid.

Love Actually

I think this is the best romance movie you can get.

If you join the meme, please remember to use trackbacks to get linked all around and leverage the blogsphere mesh.

Check also a list of top latin american movies.

Top Latin American Movies

A friend from Australia asked me for a list of some great Brazilian and LA movies. This is what I’m sending her.

  • Cidade de Deus
    Brazil. Probably one of the best movies I ever saw. Very violent and based on real facts. Don’t miss it.
  • El Abrazo Partido
    Argentina. Beautiful. Simple and beautiful. The music matches perfectly all parts of the story. I saw it again this week, and it is still great.
  • Nueve Reinas
    Argentina. Very funny, and maybe one of the first of the new movie age from this country.
  • Central do Brasil
    Brazil. Outstanding drama that unfortunately lost Best Foreign Language Film in Oscar 1999 for Benigni’s La Vita è Bella. Central do Brasil deserved that prize.
  • O Xangô de Baker Street
    Brazil. Sherlock Holmes comes to Brazil to solve a case and gets enchanted by brazilian drinks, food and women, and almost loses its focus. This movie is useful for foreigners, and is good too.
  • Whisky
    Uruguay. Sad but very well done drama. In the end you won’t be sure if you hate it or love it.
  • Abril Despedaçado
    Brazil. The tough life of poor people in northeast of Brazil.
  • Machuca
    Chile. Social classes conflicts by the eyes of a child.
    • O Auto da Compadecida
      Brazil. A funny movie that is a summary of a TV series. Adventures of two guys fighting for survival in the most bizarre ways. It is an adaptation of a very important brazilian play from the 70’s that shows many social and folk aspects of our country’s culture. The soundtrack is wonderful, by Sa Grama, a group focused on a very special type of brazilian folk lyric music. Non-brazilians may find difficult to understand the beauty of this movie, but give it a try.
    • El Hijo de la Novia
      Argentina. A very beautiful drama.
    • Kamchatka
      Argentina. Dictatorship and revolution being seen by the eyes of a child.
    • Diários de Motocicleta
      Brazil, Argentina. The Che Guevara movie.
    • Pequeno Dicionário Amoroso
      Brazil. A romantic story, from A to Z.
    • Amores Perros
      Mexico. Just watch it.
    • O Quatrilho
      Brazil. A well done drama about italian imigrants in southern Brazil. This movie could be shorter. Lost Best Foreign Language Film in Oscar 1996 for dutch’s Antonia. Indeed Antonia is a far better movie.
    • Pantaleón y las Visitadoras
      Not really great but just to put Peru in this map. Its a cute movie.

    I am not an expert, and I’m probably missing a few movies. And hope to see more suggestion in the comments below.

    Despertar da Consciência

    Muita gente considera meu pai um mestre espiritual.

    Ele tem desbravado os caminhos para o despertar da consciência e iluminação espiritual durante toda a sua vida. Diria que praticamente dedicou a vida para isso.

    Começou um blog a algumas semanas e já recheou-o com algumas centenas de aulas, técnicas de meditação, mensagens, pequenas citações, videos, etc.

    Para os buscadores da verdade, do encontro entre fé e ciência, ou que só tem dúvidas sem resposta, conheçam o Despertar da Consciência.

    San Francisco Linux World Day 2

    Second day started with Novell CEO Ron Hovsepian presentation. He made it light talking about Lenovo Thinkpads will ship with SUSE Linux, mixed [open and closed] source challenge for enterprises, how is easy to make security with their AppArmor, the role of virtualization on reducing power consumption in data centers.

    He put Linux application availability and development in customers and ISVs as his top priority, saying the community must figure out a way to make all Linux distributions to merge some way, or to leverage standards as LSB, otherwise the Linux application market will be very fragmented and weak. Well, I can’t agree more with the idea, but completely disagree in the level of implementing it he is thinking about. Each distribution has its own set of GUI icons, packages organization, configuration files, etc. This is what make all distros different and LSB, etc can’t cover all.

    In the new Linux mobile market we are doing the same mistakes. Windriver, Access (the new Palm Source), Trolltech, Motorola, and others were presenting their Linux or OSS platforms and IDEs for mobile. All different, some focused on Linux Kernel, other focused on higher level APIs, etc. This is fragmentation. From an ecosystem perspective, all of them together don’t represent a single force as Symbian or Windows Mobile.

    Hope to see a better future in this space.

    I asked Ron what is Novell position regarding OpenDocument Format.

    He said Novell officially supports and wants ODF to be THE standard for documents, but OOXML support in is one of the steps required to achieve that.

    San Francisco Linux World Day 1

    1999 was the year I went to a Linux World & Expo event (blog notes in portuguese) for the first time, in Raleigh, NC. The small capital was chosen probably because of the strong Red Hat presence in that region.

    A lot of things have changed since then. Red Hat doesn’t have a booth this year, but got a lift in partners as HP. Novell/SUSE has the biggest presence — all green enforcing the SUSE brand more than Novell — in a giant booth full of partners.

    San Francisco MOMA, taken from Yerba Buena Center for the ArtsThis year event has merged with Next Generation Data Centers (NGDC) conference associating Linux much more to an infrastructure tool than to a cybercultural revolution.

    This is another thing that changed. All that glamour LWE event had in the past, as a generic real meeting point for Open Source activists that knew each other only through mailing lists, has been moved to technosocial events as FISL in Brazil.

    If you want to discuss Open Source politics, social impact, cultural shift, Creative Commons, law, etc with geeks, go to FISL. If you just want to see practical IT solutions mostly delivered by marketing and sales folks, go to LWE.

    The keynote speakers were and eBay and their speech was about Grid, Virtualization, NGDC and web services. We know these companies use Linux sometimes, but the presentations’ focus was way out of this.

    Keynote auditorium

    Most interesting things I’ve seen today:

    • GlusterFS. A highly configurable user-space distributed filesystem that achieves extremely high throughput, ideal for HPC clusters. Oil companies are starting to use it because a centralized NAS as NetApp can’t serve their thousands of HPC compute nodes efficiently. I enjoyed seeing some AFS characteristics as single mount point, and distributed high performance as GPFS together with some parts of FUSE. Oh, and it is Open Source. Z Research, the company behind GlusterFS, makes money selling services and has Anandu Babu, a former GNU Hurd developer, as their CTO.
    • Cluster IP. Mentioned by IBMer Alan Robertson, head of the Linux-HA project, in a conversation we had in the IBM party later. It is a technique to balance a workload without LVS or any kind of external entity. Each server on the cluster have same IP and MAC address and they agree about an affinity with each client. Pretty cool.

    Ubuntu booth

    Other things:

    By the way, all computers in the registration area and used by event staff, plus most laptops used in booths and for presentations were running other operating systems. Linux on the desktop is getting more inexpressive everyday.

    Folks as Jack Aboutboul, from Fedora, recognized me because of some Planets I participate. Thanks blogosphere.

    How to Get Attacked

    I noticed Oded’s blog was attacked which makes me remember some things:

    I was once invited to analyze a Linux machine that was invaded. I ended up writing an article about it to the brazilian Linux Magazine.

    The problem with the machine was a VERY weak root passw0rd. We could also find the tools they used to break that machine, cause they have installed them there to attack other machines.

    We could see a file containing about 18000 user+password combinations, a modified SSH client and a script that runs it all based on an IP range. We saw also IRC bots and other stuff.

    In the case of that machine, the attack was silent. They just wanted to use the machine to attack other machines. Pretty stupid.

    Its easy to learn about this attacks. Just connect to the Internet a machine with a plain Linux installation and “passw0rd” as the root’s password, wait 1 or 2 weeks and your machine will be attacked. One way to verify the crackers are already in is to reinstall the netstat command (because they’ll modify your previous one) and see if there is some connection to IRC ports (around 6667).

    If you investigate this IRC bot you’ll able to connect the IRC server, find the chat room, and actually talk to the cracker. I did this once and was not very funny.

    More information in Attacks to by Steve Gibson.

    Viagem de Inovação aos EUA

    Andei postando sobre algumas coisas que tenho visto aqui nos EUA, mas não contei o que de fato vim fazer aqui.

    A IBM tem um grupo chamado International Technical Support Organization que produz livros técnicos chamados Red Books. Trata-se de livros gratuitos que podem ser lidos ou baixados do site do ITSO. Pode-se também comprar cópias impressas que geralmente damos para clientes. Os autores são voluntários do mundo todo, geralmente funcionários da IBM, mas também clientes, parceiros ou qualquer pessoa que se qualificar na entrevista feita para a chamada do livro na lista do ITSO. O livro é geralmente escrito em Austin, Texas (há também outras localidades) durante algumas semanas de imersão. Todas as despesas de viagem são pagas pela IBM, tem se a oportunidade de trabalhar com pessoas de diversas partes do mundo, e fazer mais turismo que só o superficial.

    Alguns livros interessantes que o ITSO produziu:

    Bem, vim participar de um livro menos técnico que a média do ITSO. Conta como a IBM criou um programa interno de inovação onde qualquer funcionário pode criar, divulgar e hospedar na Intranet algum software que aumente a produtividade dos funcionários. Qualquer coisa. Desde simples plugins para o Firefox, Lotus Sametime, uma ferramenta de blog corporativo interno, ferramenta de criação de wikis internos, uma aplicação para sincronizar mídia interna com dispositivos móveis, etc.

    Dentro da IBM chamamos essas coisas de inovações e são tratadas como beta, para beta testers ou early adopters.

    Ao longo do tempo elas vão amadurecendo, viram um serviço padrão da Intranet, e as vezes acabam até virando produtos que a IBM vende. Foi exatamente o caso do Lotus Connections, um produto para ser usado numa Intranet e que tem serviços como diretório de funcionários, departamentos e suas linhas gerencias, blogs, tagging tipo, entre outras coisas. O Lotus Connections reune exatamente o que funcionários da IBM andaram usando e refinando ao longo dos últimos anos, e posso dizer que é o que temos de mais útil na nossa Intranet.

    O modelo desse programa de inovação livre é muito parecido com o universo Open Source. As tais “inovações” podem ser comparadas a um software GPL que alguém fez e publicou no, este comparável ao portal na Intranet que indexa todas as inovações, mede sua vitalidade, fornece notícias e links para acesso ou download.

    Conversei com muitas pessoas que estão em altos cargos globais, entre eles a CIO global da IBM, e é interessante ver como pensam e as informações que tem acesso. As vezes pensamos que eles estão longe do mundo real mas surpreendentemente tem muito mais noção das coisas do que um gerente de nível mais baixo.

    As pessoas que criaram esse processo de aceitação e publicação de inovações dentro da IBM tem a sensação que inventaram a roda porque é de fato muito bem sucedido e todos conhecem. Mas na verdade funciona igualzinho a comunidade Open Source. Há um quê de liberdade, de esforço por um bem maior, de comunidade. Copiaram sem saber que copiaram.

    A grande inovação está mesmo no fato de que trouxeram a dinâmica da comunidade Open Source na Internet para dentro de uma empresa, para gerar valor de produtividade interna.

    O livro conta mais detalhes. Aguardem a publicação.

    My New Cellphone

    Its a Nokia E61i.

    The Nokia E Series smartphones are currently the most advanced in the market. Some may say iPhone but there is no more than great usability and fancy-ness on it.

    These are a few characteristics I like in E61i:

    1. QWERTY keyboard. I’m tired of loosing stylus pens and even use them to point things.
    2. WiFi with power save features. This is unique and as far as I know only Nokia and now the iPhone have it. E61i can also connect to Cisco WiFi networks with LEAP authentication, as used by my company. At work, at home and everywhere it finds a WiFi network I stay connected all the time with a sort of smart roaming, without running out of batteries.
    3. A wide screen and great web features as integrated feed reader and full XHTML browser based on KDE’s Konqueror that perfectly render very well all pages I need.
    4. Integrated Java support so I can install a practical mobile Google Maps application amongst others.
    5. Media features as MP3, MPEG-4’s AAC, MPEG-4 video (low profile DivX/Xvid) and MP4 container support.
    6. 2 megapixel camera for pictures and video.
    7. Can syncronize PIM data with anything that supports the SyncML Open Standard, for example the service.
    8. Has Text To Speech capabilities, so everytime somebody calls me, the phone actually speaks his or her name as it is written in the contacts database. There are options to install and use different voices and language accents.
    9. Has voice recognition capabilities, so I can press a button in the wireless bluetooth phones to make the phone as for a name, I speak it and it recognizes by how it is written in the contacts database. I did not have to record each contact’s name as previous phone models. Nokia E61i actually recognizes what I speak.
    10. And, to keep me hacking, the most important: integrated VoIP support through the SIP standard.

    This last point deserves an explanation. To use VoIP you usually have to install a softphone in your computer and be close to it to make calls. Well, this phone kind of has a standards compliant softphone already installed in the OS. Together with great WiFi support, I can carry my work extension and other SIP accounts with me all the time, to make cheap international calls and also receive free calls.

    This is all very geeky and I love it.

    In further articles I’ll explain how to configure advanced features I’ve been using in my new Nokia E61i, a very portable computer.

    MacBooks at IBM

    I spend the first week of this trip to US in IBM Somers campus, a set of buildings where most of the company’s head quarters are located.

    I went to many meetings with people in the CIO organization, IBM Academy of Technology and others, and surprisingly many high level people have MacBooks as their primary laptops. No Thinkpads, no Windows. I also noticed there is an internal Mac@IBM community with an Intranet home page, forums etc.

    Although, for historical reasons, our official platform for desktops and laptops is still Windows, current IBM strategy for this matter is something like “hey, use whatever platform, browser, office suite, etc you want, because we are heading towards an Open Standards way”. This is called [cultural] diversity.

    This is good, I like it, and this is the spirit that our internal Linux deployment relies on. Compared to Mac, Linux has a bigger community of users, more fully supported internal applications, and more internal developers. But I can say that Macs are more popular amongst VIPs.

    The basic minimal software kit for IBM employees is Lotus Notes for workgroup, Sametime for instant messaging, a standard compliant browser as Firefox, and maybe some office suite. Well, Firefox runs everywhere, Sametime is 100% Java, Lotus Notes 8 is based on Java Eclipse and integrates an office suite compatible with OpenDocument Format (OK, is actually 2 embeded in Lotus Notes). So the kit runs everywhere, including Windows, Mac, Linux and many mobile platforms (which are also internally encouraged to be used for supermobile workers). Many employees only use this minimal set of tools.

    A few more interesting words about Sametime: its being integrated with our global voice infrastructure through VoIP standards as SIP, so you can call any extension in the world using the IP network. You also carry your extension with you wherever you go. The instant messaging tool is the right place for it because it is already very well integrated with our enterprise directory. So we search people, find and chat (by typing) or talk.

    Yes, for historical reasons we also use many products based on proprietary technologies. At the time they were chosen Open Standards were not something in the global agenda yet. Or they implement some sort of needed disruptive technology that didn’t have a viable standards-based equivalent. This is the case for the Siebel CRM used by the sales force. Completely proprietary but unique and fulfills our business features.

    Although disruptive and proprietary use to walk together in the ICT front, IBM as a technology consumer has been putting Open Standards in its complex equation of what things to buy and use. This may be easy for a small company, but is a huge step for a big enterprise as IBM. And is, in my opinion, an example to be followed.

    Economizando Energia em Casa

    Ouvi esta manhã na KUT, ótima rádio comunitária aqui em Austin, que alguns estados americanos tem pensado em formas de reduzir o consumo doméstico de energia elétrica.

    Uma das soluções é instalar dentro de casa um mostrador de consumo em dólares e não em indecifráveis kWh. Deram um exemplo de que uma torradeira acusa consumo de US$0.59 por hora enquanto uma lavadora de roupas acusa US$1.09 por hora. Muito mais fácil de entender, não !?

    O dispositivo tem duas partes. Uma para coletar os dados, agregada ao relógio de kWh da casa, e outra dentro de casa funcionando só como mostrador. A comunicação seria por algum tipo de wireless.

    Selecionaram uma população para testar esse dispositivo por algum tempo, e observaram que 75% dos lares passaram a gastar menos energia. Não mencionaram quanto economizaram.

    Mas já é bastante efetivo. E funciona só porque apresentaram o consumo para as pessoas numa medida que todo mundo entende muito bem. Sim, isso é uma questão de acessibilidade também.

    Claro que discutiram também questões de redução do lucro das empresas que provêm energia. Mas pensando a longo prazo, na minha opinião isso é um problema menor e que se ajeita com o tempo.