A TAM Não Gosta de Vegetarianos

A TAM é incorrigível, excludente e não se importa com diversidade.

logo TAMPor mais que eu me dê ao trabalho de escrever cartinhas para o presidente observando que eles nunca tem lanchinhos vegetarianos (ou lacto-vegetarianos) em seus vôos, eles continuam tendo só opções carnívoras.

As primeiras cartas eles se deram ao trabalho de responder, diplomaticamente, algo do tipo “estamos analisando”. Mas as últimas já desistiram de responder. E de tomar uma atitude pensando em seus clientes-passageiros-vegetarianos.

Uma vez fui tirar férias no Pará, voando de TAM. De São Paulo a Santarém tinhamos conexões em Brasília e Manaus. Foi uma viagem que durou quase o dia inteiro, e não havia tempo para comer algo nas paradas. As únicas opções eram os lanchinos carnívoros nos três trechos. Ou seja, um vegetariano chega em Santarém no fim da tarde sem ter almoçado e com fome de subir as paredes.

Vegetarianos não comem o que a maioria carnívora come, mas essa mesma maioria pode comer o que vegetarianos comem. Ajustar o cardápio (que hoje não tem nenhuma imaginação) só tende a agradar mais gente — os vegetarianos.

No começo dos vôos eles sempre declaram que sabem que é o passageiro quem escolhe a companhia. Talvez vegetarianos devam parar de escolher voar com a TAM.

Investing on Sun Microsystems

I met a friend that works on an investments bank and gives advises to his customers about companies that are good to invest now.

He has Sun Microsystems on his short list.

He didn’t make any organic research about this company. He only analyzed the behavior of their graph.

Anyway, I told him Sun Microsystems is a company that I would not invest nowadays. They were very innovative in the past, but their future, in my opinion, is uncertain.

O Sorriso do Gato de Alice

Este post é só para mostrar como a Tatiana, minha namorada, escreve bem pacas.

Ela é especialista em direito público, entre outras coisas, e foi para Angola ajudar a organizar o Ministério das Telecomunicações, num projeto de uma ONG sueca.

Este foi um e-mail que ela mandou para todos nós contando suas peripécias, e um apanhado geral sobre esse país que é tão parecido com o Brasil, e sua capital Luanda.

Luanda não é o que eu imaginava. Ou melhor, não é só o que eu imaginava. Tem um quê de Jardineiro Fiel, daquela Africa de National Geographic, com mulheres que são só curvas, vestidas com cores do Gauguin e que carregam alegremente um balde enorme de bananas sobre a cabeça ou o filho amarrado nas costas com um pano florido. Pobreza africana — mas quase nada de miséria, ao menos a vista e ao menos até agora — de esgoto nas ruas, poeira, cartazes escritos à mão e tudo por fazer.

Mas Luanda tem também muito de Portugal e muito de Brasil. Há uma familiaridade em tudo, um pouco como se fosse em casa, um pouco como se fosse Salvador. A arquitetura colonial está lá, assim como as pastelarias com pasteis de nata e Santa Clara e um sotaquinho que lembra Camõesh. E essas caras conhecidas, caras de escravos que foram pro lado de lá, mas que continuam os mesmos como se as placas tectônicas tivessem se descolado 20 minutos atrás, separando as famílias aleatoriamente (isso é por causa do meu livro “tudo o que você sempre quis saber sobre o mundo e ninguém te explicou”, que acaba de falar sobre as placas tectônicas).

Luanda não é Angola. A capital é completamente diferente do interior, pois não sofreu as conseqüências da guerra como o resto do país (os únicos confrontos que chegaram à cidade aconteceram em 1992, a guerra acabou em 2002). Um pouco como no Brasil, Luanda dá a frente ao mar e as costas ao país.

Depois de ter sido comunista, decidiu-se pelo capitalismo selvagem. Há prédios e empreendimentos brotando em todo o lugar. Os carros estão em todos os cantos, todas as frestas, levantando uma poeira danada e mostrando quem manda aqui. Há congestionamentos quilométricos, mais do que a 9 de Julho na hora do rush (como se isso ainda existisse…). Carros enormes, sinal de que o petróleo e os diamantes estão fazendo uma classe de gente bem rica e outras de sub-ricos e subsub-ricos e assim por diante. E todos têm carros, já que o Estado permite a importação de carros usados.

Coisa mais estranha, não há violência, segundo dizem os angolanos. Eles vivem querendo saber a razão pela qual o Brasil — que eles consideram um pouco como irmão — é violento. E eis que eu não sei responder.

Assim como eles, tivemos uma ditadura, depois a ausência do Estado, grande exclusão e desigualdade social, violência histórica e racial, apropriação do público pelo privado, nenhum investimento em educação.

Por que então a nossa sociedade de homens cordiais decidiu dar tão pouco valor à vida?

Gente super gentil, sempre sorridente, incapaz de dizer não. Mesmo. Do tipo: você pede uma reunião e a pessoa diz “poish não, certamente”. Você pergunta se 9 da manhã está bom e vem um novo “maish claro”. Só que ela não disse que na verdade ela só entra no trabalho às 10, ou que amanhã não vem porque vai fazer as tranças do cabelo (essa da trança aconteceu mesmo). Só porque não quer te desagradar, afinal a tal da reunião parece tão importante para você… Então você fica esperando umas duas horas e aí ela chega feliz porque não te contrariou. Tô me identificando pacas.

No trabalho. O Ministério fica em um antigo prédio colonial português a beira-mar. Bonitão. Ficamos no primeiro andar, mas não podemos usar a escada (em madeira antiga escura, com um tapete vermelho) porque ela é reservada para o Ministro. Tem que subir de elevador. Só que o Ministro, quando vem, pega o elevador em vez da escada… Depois conto do nosso exército de Brancaleone aqui, mas eis a moral da história: é tudo uma questão de inteligência emocional.

Poltergeist de hoje: estou eu atravessando a rua (depois de meia hora ensaiando) quando vejo que o carro que parou para eu passar não tem ninguém no volante. Estarrecida com o fato sobrenatural, dou uma olhada apertada no vidro um pouco escurecido. E eis que está lá, boiando sozinho no preto do estofado, um sorriso. O sorriso do gato de Alice…

Vida e Trabalho

Tive uma conversa muito interessante sobre carreira e trabalho com uma amiga. Ela deu um tempo e está fazendo um balanço meditativo sobre como quer voltar a trabalhar, depois de ter passado vários meses de máxima dedicação ao último emprego.

Conversamos que na nossa cultura atual, o profissional de alta performance não tem a mínima chance de balancear carreira com a vida pessoal. Responsabilidade no trabalho é algo muito valorizado, o que implica em aceitar e executar todos as tarefas que são lançadas no nosso colo. Passados alguns meses de trabalho responsável, você foi fagocitado pelas tarefas, e já disse adeus à sua vida pessoal, família, etc.

Isso é um mal da nossa sociedade de grandes cidades competitivas ou está generalizado para o mundo ?

Percebe-se isso quando conhecemos alguém, e a segunda frase da conversa sempre é “o que você faz ?”.

Não há nada de errado em uma pessoa que não almeja um cargo maior, não quer virar gerente, não tem a necessidade de construir uma carreira sólida. Claro que para quem é carreirista, essa pessoa parece perdida, não tem performance nem “um grande futuro”.

Meses atrás fiz uma enquete simples que vi em outro blog. As respostas foram meio óbvias.

Publiquei ela aqui novamente, mas se for responder, por favor pense em o que você realmente é, e não no que você acha que deve ser.

No meu caso, por exemplo, acho que ainda sou o meu trabalho. Infelizmente.

Cinema Europeu

Cinema europeu, ou não-só-americano, é legal. Os melhores filmes que já vi não são americanos: Excêntrica Família de Antônia, Gato Preto, Gata Branca, O Abraço Partido, Felicidade (que é americano, mas de uma facção alternativa) e outros.

Mas quando vem coisa ruim, é de lascar. É quase arriscado assistir um filme europeu, porque é altíssima a chance de não prestar. Por isso cinema americano-popular dá certo: você vai com certeza pelo menos se divertir, mesmo que o filme não toque o âmago do seu ser.

Outro dia a Tati me levou para assistir A Leste de Bucareste.

  • — Tati, tem certeza que quer assistir esse filme romeno ?
  • — Sim. Você tem que largar mão de só assistir filmes blockbuster.
  • — Bom, é só “para não dizer que não falei das flores”.

Filme ruim de doer, mas o veredito dela foi “ah, bonitinho vai”.

Sabe quando sua sobrinha de 3 anos te dá um rabisco feito com lápis-de-cor? Você pendura na geladeira, mostra pros amigos e tal. É bonitinho porque foi ela quem deu. Mas aquilo não é arte nem nada, afinal ela só tem 3 anos e está aprendendo a manusear lápis.

É a mesma coisa com esses filmes alternativos ruins. Na maioria dos casos, poupe-me, por favor.

Indústria do Medo

Estão instalando aqueles portões duplos no meu prédio, também conhecidos por eclusas ou “jaulinha”, para aumentar a segurança.

Gostaria que alguém me explicasse como uma grade extra evitaria que um ladrão convicto apontasse uma arma, do lado de fora, ameaçando o zelador que está do lado de dentro.

Que me explicasse como evitaria que esse mesmo ladrão entrasse na cola de algum morador, ou pela garagem na cola de um carro do prédio.

E quando vem uma visita num dia de chuva, ao invés do zelador abrir o primeiro portão para que ela espere ser autorizada sob um teto seco, e só aí passar pelo segundo, não, ela tem que esperar do lado de fora, tomando chuva, graças a uma regra sem pé nem cabeça do condomínio.

O mesmo para o entregador do restaurante, que o porteiro já conhece de todos os domingos, mas não deixa subir, obrigando a gente a descer de pijama e pantufas para pegar a pizza que já esfriou com todo esse protocolo.

Na verdade não houve nenhum caso de roubo na minha rua. Parece que tem uns banqueiros ricaços morando aqui perto, e os edifícios são cheios dos seguranças. Além dos da escola que fica no mesmo quarteirão, e os do shopping, um quarteirão prá lá, e os da academia, e os da boutique de sapatos, e os das sinagogas. Isso sem contar que o shopping faz a rua ser supermovimentada por pedestres que vêm e vão a caminho do Metrô Marechal Deodoro.

Instalam essas jaulas feias por uma vontade incontrolável de gastar o dinheiro do condomínio, ou por ignorância, ou por terem comprado a idéia do medo generalizado. Ou porque acreditaram nos argumentos vagos e inexplicados de algum VP do sindicato da habitação que ainda hei de provar que é sócio de uma dessas firmas de segurança.

A maioria dos perigos da cidade estão só na cabeça das pessoas. E quem não tem essas caraminholas vive seguro.

Estúpido meme do medo.

A “Outra” Comunidade Open Source

O Tux corporativoEu acho vibrante ser membro da comunidade Open Source, contribuir com código, evangelizar e encontrar geeks em eventos para escovar bits verbais sobre módulos do kernel a ideais futuristas.

Mas tem uma outra Comunidade Open Source que estou me tocando que existe e que faço parte: a corporativa.

Sim, existe uma seita de engravatados que tem o Tux como mascote, carregam-no como broches em seus ternos, e conversam sobre um monte de assuntos interessantes, inclusive Linux e Open Source.

Ontem fui a um jantar que a Linux Magazine promoveu em São Paulo para os patrocinadores de seus eventos Linux Park. Estavam presentes todos os representantes da seita: Gouveia pela LPI, Annunciação, Tamaris, Carol pela Novell, David Barzilay pela Red Hat, Meyer, Edmundo e Batista pela Itautec, Sulamita a Linux Chix de cabelo vermelho da Intel, Edson pela Fujitsu, Rafael pela revista, e eu pela IBM. Faltaram (de fazer falta mesmo) Oracle, HP, e outros.

Enquanto os geeks trocam pessoalmente chaves GPG de criptografia (juro que vi esse ritual num evento do KDE, na Alemanha), nós, os engravatados, vibramos com o ritual do trading de cartões de visita. Brincos, piercing, cabelão são trocados por gel e bons perfumes. Um tom de voz idealista e revolucionário é substituido por um tratamento formal, moldado por anos de prática em atendimento a clientes. Num evento geek como o FISL é comum ver muitos, em público, focados em seus laptops, construindo código, enquanto nessa nova seita os coffee-breaks são importantes para construir relacionamentos. Network de dados versus o networking corporativo.

As duas facções dessa comunidade — a geek e a corporativa — são importantes e se completam. Uma gera tecnologia, a outra trata de dar um sentido prático e de valor comercial. Uma idealiza e pensa no amanhã, e a outra comunica e prepara o terreno hoje. Os geeks vão ao fundo da tecnologia, e a corporação trata de moldá-la para ser user friendly e de fácil compreensão. E da mesma forma que Fedoras e Slackwares esquecem suas diferenças a fim de trabalhar por um ideal comum, Red Hats e Novells, IBMs e Itautecs e HPs, etcs e etcs comungam juntos para o bem de um mercado livre e grande o suficiente para todos. As comunidades engravatada e a geek não podem existir uma sem a outra e vice-versa. E fico feliz em navegar bem entre as duas.

O jantar estava ótimo e se estendeu até tarde. Tive que sair umas 11 por completa exaustão física e mental, depois de um dia cheio, com muita evangelização num evento para parceiros, sobre Linux em System z (o famoso mainframe).

Suas Multas e Linux

Sabe aquela multa de radar que você recebeu? Foi enviada pelo Tux.

Mas não o culpe por isso. Linux só foi a base tecnológica para todo o sistema.
Ontem conversei bastante com o pessoal da Engebras, empresa que cria e administra a maioria dos radares de São Paulo e outros estados. Já tinha ouvido falar que todos os sistemas para suportar essa monitoração era baseada em Linux, e eles contaram mais detalhes. Continue lendo…


Os radares são na verdade câmeras analógicas com sensibilidade melhorada conectadas a computadores próximos que rodam Linux que por sua vez digitalizam a imagem instantaneamente com a ajuda de placas de captura de vídeo. As placas dos carros são imediatamente reconhecidas por OCR por uma biblioteca de uma empresa israelense, a multa é impressa, enviada pelo correio, recolhida no banco e repassada para o governo estadual, federal ou município, dependendo da jurisdição.

Todos os carros que passam por um radar — infrator ou não — são filmados. Não é uma câmera fotográfica, e sim uma filmadora.

Tazo (gerente de informática da Engebras) e seu pessoal afirmaram que todos os sevidores da empresa rodam Linux. Coisa de 50 a 60 servidores. Mas são servidores paravirtuais. Porque servidores físicos mesmo a empresa tem menos de 10.

Fiquei feliz em ver um exemplo vivo de um datacenter inteiramente virtual, e imaginei a flexibilidade operacional que eles tem em fazer movimentações de serviços sem indisponibilidades.

Mostraram sua extranet onde pode-se ver as fotos de infrações do momento, mais estatísticas de variação de velocidade média por hora, número de veículos, e até seu tamanho. Mostraram também como motoqueiros cometem infrações, mas escondem sua placa com a mão.


Além disso, imediatamente consultam uma base de dados de veículos não licenciados (em MySQL), mas aqui não se pode multar por radar. Por outro lado uma aviso é enviado para a polícia da região, avisando a placa e o ponto onde o veículo foi detectado.

40% da frota nacional não é licenciada, inclusive viaturas da polícia.

Há também os radares de farol, onde não basta uma imagem estática. É necessário registrar o movimento do veículo ultrapassando o sinal vermelho como evidência. Neste caso são usados softwares livres como ffmpeg para gerar este clip em MPEG.

A comunicação entre os radares e o datacenter central é geralmente provida por GPRS, pelas operadoras de celular da localidade.

Se tiver sorte, o pessoal da Engebras vai passar no meu blog para dar mais detalhes de sua operação.

Idealismo e Evolução

O idealismo está entre as coisas que mais faz o mundo andar para frente, e ao mesmo tempo, posiciona-se como a que mais segura a sua evolução.

O idealismo de mente aberta leva o mundo para frente. E o idealismo hermético, enclausurado, sem visão, fundamentalista, freia a evolução do mundo e da sociedade.

De qualquer forma, o idealismo como característica de personalidade, sempre vem empacotado com outras características, tais como falta de praticidade, um “não consigo terminar o que comecei”, e um altruismo que muitas vezes leva a irredutibilidade e, inevitavelmente, ao fundamentalismo.

Mas a visão mais ampla dos idealistas geralmente serve para inspirar pessoas de mente mais prática, menos cerebral, mais emocional, que pensa menos e faz mais, que enfim impulsionam a roda da história.

O progresso se faz com a mistura de personalidades idealistas (e teóricas) com as de tendência prática. Raros os líderes que tem ambas as características.

Os idealistas que enxergam 1000km no futuro e observam, durante a sua vida, a humanidade caminhar somente uns 2km para frente, devem se dar por satisfeitos. Esses 2km são exatamente o que a humanidade como um todo, hoje, é capaz de caminhar.

A evolução social, moral e benéfica não acontece a passos largos. Aos olhos dos impacientes parece até não acontecer. Mas na verdade nunca para e nunca anda para trás.

O nabo é dos NETs

Complementando a estória do Antônio “LedStyle” Cláudio, eu tenho NET de 200kbps em Higienópolis. É tão bom quanto 200kpbs conseguem ser.

Mas quero aumentar a velocidade, e depoimentos como o dele dão medo. O pior de tudo é o atendimento péssimo das centrais dessas prestadoras. E o serviço é bem caro, mas vamos dizer que atribuo isso ao fato de que custo de banda core no Brasil é caríssimo.

Diga-se de passagem, meu pai colocou 2mbps em casa, com NET Fone. Ele fez uma análise meticulosa das tarifas de ligação telefônica comparando outras operadoras, e disse que o preço do minuto NET é bem mais caro. A NET diz que é mais barato. Bem, isso é uma meia verdade, somente em alguns horários, para ligações locais muito curtas. Como diz o ditado, uma meia verdade é uma mentira.

Antes eu tinha o Giro, da Vesper/Embratel. 300kbps de baixa qualidade que vinham através de um modem sem fio que usava a infraestrutura CDMA da Vesper, e era conectado por USB no computador, e tinha suporte ruim para Linux.

Por ironia do destino, o atendimento telefônico do Giro da Vesper era ótimo. Atendentes sinceros, com bom conhecimento técnico e que retornavam ligações depois de fazer análises bem feitas. Fiz questão de registrar isso quando infelizmente cancelei o serviço porque sua tecnologia não me atendia.

O Carroceiro e o Fauno

Carroceiro no Conjunto NacionalOntem fui ao cinema assistir O Labirinto do Fauno.

Mas não vim falar sobre isso, e sim sobre a escultura gigantêsca, muito bem feita, realista e impressionante de um carroceiro descansando, sua carroça cheia de tralhas e seu cão, que plantaram bem no meio da galeria do Conjunto Nacional. Parece que a obra chama-se O Fazedor de Montanhas de Silvio Galvão.

Paulistanos, não percam. Vá até lá descobrir o que ele está segurando em sua mão esquerda, e não contente-se com esta foto.

Ah, e o filme é bem bom também. Pesado, mas bom. Vale a pena.

Sobre Podcast

Uma vez perguntei a um amigo o que é um podcast, e ele disse que é um MP3. Bem, isso é tão minimalista quanto dizer que um Gaudí é um amontoado de tijolos, ou que a Internet é uma porção de bits dançantes.

Um podcast é um blog não-textual. Seu conteúdo pode ser audio e/ou vídeo, rodeado por metainformações do tipo “autor”, “entrevistado”, “banda”, “estilo”, “sumário” etc.

Como todo blog, ele tem regularidade: “episódios” no lugar de posts e assim por diante.

Você “assina” um podcast como assina uma revista, da mesma forma como assina um blog (via RSS ou ATOM). Mas como um browser é um leitor essencialmente textual, é mais comum e prático assinar podcasts usando softwares de mídia: iTunes, Yahoo! Music Engine, Amarok, etc.

Na convergência das coisas, um podcast pode ser comparado a um programa de rádio onde o próprio ouvinte decide quando e como vai ouvi-lo.

Num mundo onde tivermos banda larga no ar tão abundante e livre quanto ondas de rádio, além da memória para freqüências de estações, os rádios de nossos carros terão também a assinatura de nossos podcasts preferidos. Com ainda não chegamos a isso, temos que usar MP3 players modernos como o iPod – que tratam podcasts de forma especial – para termos essa funcionalidade.

E nesse mundo, os podcasters seremos você e eu, pessoas comuns falando diretamente para o mundo. Publicar um podcast é tão simples quanto publicar posts num blog. É inclusive algo que se pode integrar com plataformas de blogs comuns, com plugins para WordPress, etc.

Se você tem um fluxo de coisas para dizer, crie um podcast. Se você tem um fluxo de coisas para serem assistidas, crie um podcast. Se você tem um fluxo de coisas que quer que as pessoas ouçam, crie um podcast. Este último é o meu caso, sobre Jazz Brasileiro, e por isso estou juntando os pedaços e os módulos para criar um.

Andei estudando isso ultimamente, e achei importante compartilhar…

Love Actually

Love ActuallyPeguei na TV e assisti novamente o Simplesmente Amor. Talvez o mais belo e divertido filme que fala, como o título diz, exclusivmente sobre amor.

Podem dizer que é um filme clichezão inglês. Talvez seja mesmo. Mas é muito bonito.

Conta várias estórias de pessoas, seus amores e dores. O do primeiro ministro pela sua secretária, o do casamento desgastado, o do escritor por sua faxineira portuguesa, o do Rodrigo Santoro por sua colega de trabalho problemática, e do menino pela sua colega de escola.

A cena mais bonita é quando a Keira Knightley atende a sua porta um rapaz apaixonado por ela, que em silêncio faz uma declaração simplesmente tocante.

Geniais as cenas finais no aeroporto, lugar onde o amor é singelamente testado nos reencontros e despedidas.

Ainda neste final de semana tive uma boa surpresa com O Amor Não Sai de Férias. E a animação Flushed Away, foi menos do que esperava.

Museu Afro-Brasil no Ibirapuera

O Parque Ibirapuera me recebeu de braços abertos ontem para uma rodada de bicicleta. É uma pérola de nossa cidade com aquelas árvores enormes e magestosas e pessoas bonitas praticando esportes.

Dei de frente com o Museu Afro Brasil lá dentro e aproveitei para conferir. É uma exposição permanente, densa e vasta, e muita bonita, com arte e cultura de todo o Brasil. De xilogravuras armoriais típicas do nordeste, ao grafite das grandes cidades do sul. De letras e poesias gravadas nas paredes, a panfletos do encontro nacional das trabalhadoras do sexo de Salvador. De arte e fotografia da cultura do Candomblé, a um horrendo esqueleto de navio negreiro. Este último ficava numa sala a parte, junto de mais fotografias e dizeres de FHC, Castro Alves e outros. Foi muito tocante.

Fiquei impressionado com as enormes fotografias de nativos africanos, suas vestimentas (ou ausência de) e rituais, de uma tal de Isabel Muñoz.

Enquanto andava pela exposição fiquei ouvindo Ulisses Rocha e seu violão solar, que caiu como uma luva para o momento. Sempre cai.

Não deixe de visitar.

Internet Music Download

It is very controversial if it is illegal or not to download music from the Internet. The law and license to use a phonogram (a CD track) is not clear for the masses, or nobody never explained it precisely.

Understand the Context

I met a professional musician once that was studying musical production in the university, and he outlined some aspects very clearly:

  1. The great recording companies provide a service for the society in this ways: finding talents, funding the production and recording of the phonogram, producing a nice CD booklet, advertising the product on TV, radio, magazines, outdoors and operating the physical distribution logistics of the CD, all of this for you to listen high technical quality music, and easy to find in a store near your home. So nothing is more fare for the recording companies to get their financial share.
  2. Because of this a recording company is, in general, the owner of the phonogram (a CD track), and not the musician or composer. That means that the company decides when, how much and how they will publish these songs (publish means to create CDs and put them in stores). The musician can’t take a phonogram on which he participated on the recording, put it on a media (CD, tape, DAT, long play, etc) and start selling it, unless he buys the rights over the phonogram, that are, in general, very expansive.
  3. The recording industry and companies are not defending the artists rights, but their own interests. In fact, many artists do not like that the recording companies say they are defending their rights.
  4. In all this commercial process, musicians share come from their authorship rights (which is small, according to some musicians I know), that comes from an independent institution, which in its turn comes from the recording company and other sources. This rule is not the same for big stars that have enough power (and agents) to negotiate better contracts with a recording company.
  5. The musician wants his art to be known and listened in the broadest way possible.
  6. Professional musicians earn more money making shows and live performances, and less in the process of selling recording company’s CDs that carry his creations.
  7. People will only pay for show tickets if the artist’s creation is good and well known.
  8. Many good artists don’t have market penetration, money or disposition to record CDs in a way that they will own the phonograms (the so called independent way). These are usually referenced as “alternatives”.
  9. Excellent musicians and beautiful phonograms can be unknown to the point it is considered not viable to give them space in a CD store shelf. Because of that it is difficult to find old recordings or the so called “alternatives” in stores: or people already changed their taste, or the number of people will buy is very small.
  10. I estimate the cost to mass produce one single CD — including the plastic, media, booklet and its artwork, authorship rights, some advertisement etc — in about US$2.
  11. I heard that the law prohibits the redistribution of phonograms (CD tracks) in a physical media (to burn a CD or tape and start selling or buying it).
  12. The Internet is not considered a physical media. So in this rationale, by law terms, it is not prohibited to use the Internet as a way to distribute music, at least for phonograms produced/recorded before the Internet era, which includes everything before around 1997. After that, phonograms started to be produced with a revised license (the law terms of what is permitted or not to do with it) that considered the Internet.

Whatever they say, to download music from the Internet takes time, comes without the booklet — which contains a lot of art and valueable information — and is controversial if it is illegal or not. On the other hand, artists and their full high-fidelity discographies have been seen in such a way that seems not rational not to download.

You should decide if you follow what the media says defending their rights — and not the artists’s —, or if you are going to give prestige to a musician and feel all its creative potential can make with your emotions.

How to Download

I opened this space for a friend to explain how to do it. This method uses the Bit Torrent technology and these are the steps to successfully use it:

  1. Download and install some Bit Torrent software as BitComet (only for Windows) or Azureus (Mac, Linux, Java, Windows). These software are free, safe, will not install spyware, virus, malware etc, and their use is completely legal.
  2. Use the www.isohunt.com website to find music by name, artist, etc. It can be used to find also other types of files. You can also search the Internet for other sites that provides “torrents”.
  3. Search, for example, for “Mozart” or “Bach“, etc. Click on these links to see a search result example.
  4. You will find complete collections and very large files, that takes sometimes days to download. The first results isohunt will show are the most active downloads, and because of that faster to download.
  5. Select the item you want, it will expand, and then click the link called “Download Torrent” to start the download.
  6. This will trigger the Bit Torrent software (BitComet of Azureus you downloaded above), that will ask you where you want to download. Choose a directory that you will remember later.
  7. Before selecting OK, you will see a list (huge if it is a complete collection) with the files included in the torrent, and you can select only the files you want, or everything.
  8. Monitor the download activity and guarantee you are downloading in a good speed. If it is constantly slow for a long time, it is usually better to cancel and search for another download.
  9. Even very fast downloads can take days to be fully retrieved if it is big.
  10. After the download finishes, if you use Linux, use Musicman to organize your retrieved files.

Be responsible and good luck.

Fiocruz no World Community Grid

World Community GridO World Community Grid é um projeto fantástico onde pessoas como você e eu doam o poder computacional ocioso de nossos PCs para ajudar a encontrar a cura do cancer e outras doenças, descobrir detalhes de proteinas humanas, fazer pesquisa genética, enfim, mastigar dados a fim de melhorar o mundo.

WCG rodando o algoritmo da Fundação Oswaldo CruzEu rodo ele no meu laptop a anos e até ontem eu estava “ajudando” a curar a AIDS. Hoje fiquei impressionado porque tudo mudou. Nossa brasileiríssima Fundação Oswaldo Cruz está usando o WCG para “achar similaridades entre proteinas de todas as seqüências de genomas dos organismos do mundo. Essas relações entre proteinas vão ajudar a inferir suas prováveis funções e estruturas, levando a novas descobertas em medicina e biologia“. Uau !

O screensaver do WCG que se instala nos PCs é um programa genérico, apto a receber um bloco de dados mais um pedaço de software capaz de processa-lo. Ele faz tudo isso sincronizado com o grid do WCG, enviando os resultados e recebendo um novo bloco para processar. O resultado é um belo e útil screensaver.

Veja esta interativa e divertida animação explicando o funcionamento de um grid computacional.

Instale o screensaver em seu computador. Está disponível p/ Linux, Windows e Mac. É muito bom saber que de alguma forma podemos ajudar essas tão importantes pesquisas.

Colaboração e Teamwork

Growth CycleFui a um seminário sobre liderança, colaboração e teamwork.

Tirando os cliches inevitáveis, uma coisa eu gostei que foi dita: colaborar de forma eficiente e benéfica é ainda um desafio, mesmo nesta nossa era de tecnologia avançada. Bem, reconhecer o problema é o primeiro passo para resolve-lo.

Altos executivos da IBM foram questionados certa vez sobre os pontos que levam a um bom ambiente de teamwork e colaboração, que depois foram validados com a NASA (se não me falha a memória) e com a American Society for Quality (se não me falha a memória). O resultado foi este:

  1. Procurar oportunidades de colaboração no seu dia-a-dia.
  2. Considerar as conseqüências e impactos nos outros antes de agir.
  3. Estar aberto para diversidade e pontos de vistas distintos.
  4. Comunicar de formar aberta e honesta.
  5. Construir confiança e respeito mútuo.
  6. Buscar alternativas que tragam ganhos para ambas as partes.
  7. Encorajar inovação e idéias criativas.
  8. Buscar a melhor solução para o seu time na resolução de problemas.

Campanha de Natal

Criançada felizNatal em Embu GuaçuTenho orgulho de minha amiga Helena Bonilha, promotora de justiça de Embu Guaçu (periferia de São Paulo). Trabalhando pelo social, ela organiza todo ano uma campanha em favor das crianças e adolescentes abrigados nos cinco orfanatos da cidade.

Criançada felizQualquer pessoa pode contribuir com um “kit” contendo uma peça de roupa, um par de calçados e um brinquedo. Para participar basta entrar em contato com ela — helenabtl@yahoo.com ou 11-9997-7896 — para pegar os dados da criança a ser contemplada (número do sapato, tamanho da roupa, etc). Quando o kit estiver pronto, basta avisa-la que ela arranja uma forma de mandar buscar o kit.

Criançada felizEla mesma faz a entrega (trata-se de uma doação anônima) no dia em que o orfanato marcar a festa de Natal. Mesmo assim ela avisa as datas da festa para o doador poder comparecer se quiser, e ver os sorrisos de alegria.

Depois ela sempre manda fotos como estas, que foram tiradas em outros anos.

Vale a pena. Faz bem ao coração e à alma.

Curtindo a Vida em São Paulo

Um colega que está se mudando para São Paulo me pediu umas dicas de lugares para levar sua namorada. Mandei esta lista para ele:

  1. Insalata (Al. Campinas, perto da Estados Unidos)
    É bonito, descoladinho e tem todos os tipos de comida, com destaque a ótimas saladas.
  2. Sargento (Al. Pamplona)
    Vai lá só para comer a saladona, que é ótima e sustenta. Peça a pequena.
    Ou então aproveite as massas que estão entre as melhores de SP.
  3. Nello’s (R. Antonio Bicudo entre R. Pinheiros e Artur de Azevedo)
    Barato, tradicional e ótimo. Peça a panzanella de entrada, e depois castigue uma massa. Eu adoro.
  4. Piratininga Bar (R. Wizard, na Vila Madalena)
    É aquele bar que te falei para marcar gol. É bonito, tem piano e sax ao vivo, e uns petiscos sem vergonha. Tem que chegar cedo pq é pequeno, e tenta ficar na parte superior, perto do piano. Tem o Pira Grill ao lado que é mais para comer, e é menos romântico.
  5. Acrópoles (fica em alguma rua do Bom Retiro)
    É um restaurente grego supertradicional e simples. É interessante pq nos finais de semana o Bom Retiro é um bairro morto, com todas as lojas fechadas mas as pessoas bombam na frente do restaurante (mas sempre tem lugar). Um bom programa é ir na Pinacoteca de manhã e depois almoçar lá, que é perto. Pode-se também ir comprar roupa feminina no bairro (vc vai ter que ter paciência) de sábado (até as 12:00, pq depois tudo morre) e depois castigar o grego.
  6. Restaurante do Museu da Casa Brasileira (Av. Faria Lima quase com a Av. Cidade Jardim)
    Este lugar é lindo. O negócio é ir lá domingo umas 10:00 da manhã, assistir o concerto de jazz de graça, dar uma volta no museu (que é pequeno) e ficar para o almoço. Tem um jardim bonito e o restaurente fica de frente para ele. Vale mais pelo programa do que pela comida.
  7. Jardim Aurélia (Rua Tabapuã, 838, no Itaim)
    É um restaurante grande que comprou todas as casas de uma vilinha, então as mesas ficam meio a céu aberto. Self-service de tudo, e a noite vira uma pizzaria razoável.
  8. Sorveteria Ofelê (Al. Lorena com Bela Cintra)
    Dá uma passeada nos Jardins, e toma um sorvete nessa melhor sorveteria de São Paulo.
  9. Senzala (Pça Pan Americana)
    Retaurante tem-de-tudo, com algumas mesas a céu aberto, e vista p/ a praça. Eu gosto do sanduiche de atum, que é bem servido e bom.
  10. Speranza (Av. 13 de Maio quase esquina com a Brigadeiro Luiz Antonio, embaixo do viaduto)
    A melhor pizzaria de São Paulo. Tem que pedir a pizza de marguerita que é inacreditável.
  11. Maha Mantra (Fradique Coutinho perto do Galinheiro)
    O melhor restaurante vegetariano do mundo. É muito barato e é boa opção também para os carnívoros.
  12. Deli Paris (R. Harmonia com Wizard, na Vila Madalena, perto do Piratininga)
    Boulangerie francesa com café da manhã self-service bom, barato e descolado. Dá para almoçar lá tb, tipo quiche com salada etc.

Para os vegetarianos, tenho esta lista de todos os restaurantes VGs de São Paulo.

Antes de votar…

…consulte perfil.transparencia.org.br onde é possivel fazer consultas sobre todos os candidatos, como bens declarados, atuação parlamentar, emendas de sua autoria, gastos de gabinete, quem financia campanhas, etc.

O site ainda permite fazer uma pesquisa de quando e como o candidato apareceu no jornal.

Superútil. Só falta eu poder registrar em quem votei nas últimas eleições para poder acompanhar, porque sinceramente não lembro mais….

Software como indicador de desenvolvimento socioeconômico

Jorge Sukarie Neto, presidente da ABES, nos enviou um estudo encomendado ao IDC, sobre o mercado brasileiro de software.

Cruzei alguns dados do estudo com a população dos respectivos paises, e deu isso:

Brasil
Australia
Canada
Italia
França
População
186.405.000
20.155.000
32.268.000
58.093.000
60.496.000
Volume de SW (US$ bi)
7,23
16,2
17,9
16,9
36,8
Volume per capita (mi)
38,78
803,77
554,73
290,91 608,3

Ou seja, mesmo com uma população quase dez vezes maior que a desses países (que não são tão expressívos assim), o Brasil consome e produz software dezenas de vezes menos que eles.

Parece-me que software é um tipo de indicador de desenvolvimento social.

Das duas uma: ou o Brasil está realmente bem atrás, ou pirateia-se muito por aqui. Ou das duas, as duas são afirmações corretas.

Baixando Música da Internet

É muito controverso se é ilegal ou não baixar música da Internet. A lei e licença de uso do fonograma (faixa de um CD) ou não é clara ou ninguém nunca explicou isso direito.

Permalink desta parte Entenda o Contexto Primeiro

Outro dia conversei com um músico profissional que fazia faculdade de produção musical, e ficaram claros alguns aspectos:

  1. As grandes gravadoras prestam um serviço para a sociedade desta forma: encontrando talentos, patrocinando a produção e gravação do fonograma, produzindo um encarte bonito, divulgando o produto na TV, rádio, revistas, outdoors e novelas, e depois operando a logística de distribuição física do CD, além de em paralelo investir na própria evolução da tecnologia do CD, tudo isso para você poder ouvir música de alta qualidade técnica, e fácil de encontrar na loja perto da sua casa. Então nada mais justo que as gravadoras serem remuneradas por todo esse trabalho.
  2. Por isso, em geral a gravadora é dona do fonograma, e não o músico ou compositor. Isso significa que é ela quem decide quando, quanto e como vai publicar as canções (publicar significa prensar CDs e por nas lojas). O músico não pode pegar o fonograma, gravar um CD e sair vendendo, a não ser que ele compre os direitos sobre o fonograma, que são em geral muito caros.
  3. As gravadoras não estão defendendo os direitos dos artistas, mas seus próprios interesses. De fato, muitos artistas não gostam que as gravadoras digam que estão defendendo os direitos deles.
  4. Nesse processo todo, os músicos ganham os direitos autorais (que segundo alguns músicos que conheço, é pouco), que recebem de uma instituição independente, que por sua vez vem da gravadora e de outras fontes. Essa regra não vale para estrelas que tem poder (e agentes) para negociar contratos melhores com uma gravadora.
  5. O músico quer que sua arte seja conhecida e ouvida o máximo possivel.
  6. Músicos profissionais ganham mais dinheiro em shows e performances ao vivo, e menos em venda de CDs das gravadoras, que levam a sua obra.
  7. Pessoas só vão prestigiar os músicos num show (e pagar ingresso) se sua obra for boa e conhecida.
  8. Muitos bons artistas não tem penetração no mercado, dinheiro ou disposição para gravar um CD independente. Esses são os chamados “alternativos”.
  9. Excelentes músicos e lindos fonogramas podem ser pouco conhecidos ao ponto de ser comercialmente inviável dar-lhes espaço numa concorrida prateleira de loja de discos. Por isso é dificil encontrar gravações antigas ou as chamadas “alternativas” nas lojas: ou as pessoas já mudaram de gosto, ou há pouquíssimos compradores. A situação é pior para as gravações que são ao mesmo tempo antigas e alternativas.
  10. Eu estimo o custo de 1 CD — incluindo o plástico, encarte, trabalho artístico, pagamento do direito autoral, veiculação etc — em menos de R$5.
  11. Ouvi dizer que a lei proibe a redistribuição de fonogramas em meio físico (gravar um CD ou fita e sair vendendo ou comprando).
  12. A Internet não é considerada um meio físico. Por isso, nesse raciocínio, não é proibido usar a Internet como meio de distribuição de música, pelo menos para fonogramas produzidos/gravados/publicados antes da era Internet, o que inclui tudo antes de mais ou menos 1997. Depois disso, fonogramas começaram a ser produzidos com uma licença (os termos legais que definem o que é permitido ou não fazer com o fonograma) revisada que incluia a Internet — junto com CDs piratas, fitas caseiras, etc — como um meio ilícito de distribuir música direta e livremente.

Seja como for, baixar música da Internet leva tempo, vem sem o encarte — que conté muita arte gráfica e informações valiosas e é controverso se é ilegal ou não. Por outro lado, já foram vistos artistas e suas discografias completas disponíveis ao ponto de parecer irracional não baixar.

Você decide se vai seguir o que a mídia diz defendendo seus interesses — e não a dos artistas —, ou se vai prestigiar um músico e sentir tudo o que seu potencial criativo pode fazer com suas emoções.

Permalink desta parte Como Baixar: Método Fácil

Há diversos blogs em que amantes da música publicam albuns completos para serem facilmente baixados através de serviços como RapidShare, 4Shared, Badongo, etc. São geralmente albuns antigos, raros, que não se acha em lojas. Coisa de colecionador.

Os albuns vem geralmente comprimidos no formato RAR, que é um tipo de ZIP, e é necessário o software da Rar Labs para descompacta-los.

Segue uma lista de alguns blogs:

Na barra lateral desses blogs há sempre uma lista de links para outros blogs similares, então este método é de difícil procura, mas de fácil download. O método de BitTorrent abaixo é de procura mais fácil, mas de download mais complexo.

Permalink desta parte Como Baixar: Método Mais Eficiente, com BitTorrent

Abri espaço neste blog para um conhecido relatar como se faz. Este método usa a tecnologia Bit Torrent e estes são passos para usa-la com sucesso:

  1. Baixe e instale algum cliente Bit Torrent como o BitComet (só para Windows) ou o Azureus (Mac, Linux, Java, Windows). Estes softwares são seguros, não instalam spyware nem virus, e seu uso é totalmente legal.
  2. Use o site www.isohunt.com para procurar músicas por nome, artista, etc. Ele pode ser usado também para procurar outros tipos de arquivos. Você pode também procurar na Internet por outros sites the provem “torrents”.
  3. Procure por, por exemplo, “Mozart” ou “Bach“, etc (clique nesses links para ver um resultado de busca do exemplo).
  4. Você vai encontrar coleções completas de artistas, etc e arquivos muito muito grandes, que as vezes demoram dias para baixar. Os primeiros resultados que ele mostrar são os downloads mais ativos, e por isso mais rápidos para baixar.
  5. Selecione o ítem que você quiser, ele vai se expandir, e então clique no link chamado “Download Torrent” para começar a baixar.
  6. Isso vai disparar o programa de Bit Torrent (BitComet ou Azureus acima), que vai te perguntar onde você quer gravar o download. Escolha um diretório que você vai lembrar depois.
  7. Antes de dar OK, você pode ver a lista (enorme, se for coleção completa) de arquivos que serão trazidos, e pode selecionar para baixar só os arquivos que te interessam, ou tudo.
  8. Monitore a atividade do download e garanta que você está baixando em boa velocidade. Se estiver constantemente muito lento (pode haver períodos de maior lentidão), é melhor cancelar e procurar outro download.
  9. Mesmo baixando muito rápido, um download grande pode demorar dias para se completar.
  10. Depois de terminar o download, se você usa Linux, use o Musicman para organizar seus MP3.

Seja responsável e boa sorte !

Insights globais sobre guerra Hezbollah-Israel

Nestes dias de guerra, qualquer reunião de família ou amigos onde alguém levanta este assunto, pronto: vira discussão para o resto da noite.

Opinião daqui, idéia pacifista dalí, justificativa da ofensiva de acolá, mas no fim todos chegam a alguns consensos: não se sabe o que fazer, não se tem certeza se a estratégia dos dois lados foi a melhor (em vista dos objetivos), e não se sabe exatamente o que move o Hezbollah.

São teias muito complexas de geopolítica, e O Estado de São Paulo (não tenho tempo para ler mais do que um jornal) tem publicado artigos globais de ambos os lados que acho ótimos, e vou posta-los aqui, na íntegra.

Convido todos a mostrar mais artigos e opiniões de todos os lados, e comentar.

Guerra Israel-Líbano

Gostei do editorial de 15/7/2006 dO Estado de São Paulo, sobre o estouro da guerra Israel-Hezbollah (Líbano). Essa é a frase chave do conflito:

É duvidoso, no mínimo, que a rotina das retaliações excessivas tenha contribuído para fortalecer a segurança de Israel. E é incompreensível que uma nação tão pronta a invocar a história demonstre tamanha dificuldade em assimilar as suas lições.

Eu sou israelense, e qualquer opinião minha sobre isso pode ter fortes tendências partidárias, mas essa frase é bem verdade.Estive em Israel a poucas semanas e descobri que não há nenhuma relação diplomática entre os dois paises. Uma pena.As coisas só podem se resolver mesmo numa conversa. Bomba nenhuma jamais resolveu algum assunto. De nenhum lado.

Mas por outro lado, imagino que há pessoas inteligentes tomando essas decisões de retaliação etc. E se o fazem, é porque ou não encontraram outra alternativa, ou proque seu orgulho não as permite sair a procura de caminhos pacíficos.

Orgulho não tem nada a ver com inteligência. As guerras geralmente nascem nas mãos de pessoas muito inteligentes, orgulhosas e poderosas, que sabem (ou acham que sabem) o que querem, são intolerantes (devido ao orgulho) e por que tem o poder de declarar a guerra.

Desventuras no Condomínio

Como esta história causou muita repercussão entre meus amigos. E como todos quiseram ouvir mais detalhes, resolvi publica-la na íntegra na Internet.

Certo dia recebi esta carta formal de meu condomínio:

Do
CONDOMINIO EDIFICIO DONA TUDINHA SALLES
Ao
Sr. Avi Alkalay

Prezado Senhor:

Gostaríamos de comunicar-lhe que foram inúmeras as reclamações que recebemos, devido ao barulho advindo de seu apartamento, até por volta das 3 horas da manhã desta segunda-feira.
Não bastasse a rotina (sempre após as 22h quando já vigora o horário de silêncio) , de sua secretária eletrônica, que é ligada em alto volume para que o Sr. tome conhecimento de seus recados, e de suas constantes invocações a Deus, seu encontro amoroso deste final de semana extrapolou, em muito, o bom senso, o que causou indignação àqueles que residem mais próximo, incluindo aí, pessoas idosas e pais de crianças que foram acordadas com tanto “ruído”!.
Sabedores que somos de sua vontade de colaborar para o bom andamento do condomínio, solicitamos que haja mais ponderação por parte de V.Sa. para que incidentes desta natureza não voltem a ocorrer e, desta forma, retorne o clima de boa vizinhança.
Na certeza de suas providências, agradecemos.

Atenciosamente_____________________
Síndica

E minha resposta

Excelentíssima Sra. Síndica,
Excelentíssimos Srs. reclamantes do outro apartamento,

Gostaria de ter a oportunidade de me explicar perante a surreal carta que recebi.Minha secretária eletrônica fica no quarto de fundo, onde não há nenhuma janela, e a casa é toda acarpetada (o que abafa muito o som), e isso me leva a crer que para que seja ouvida em outro andar, o som para mim deveria ser ensurdecedor, o que não acontece.
Quanto aos meus “encontros amorosos”, entendo que isso não deva interessar a absolutamente ninguém. Não me agrada saber que este assunto seja comentado entre funcionários e outros moradores do prédio. Mesmo assim, posso garantir que acontecem em tons de doces sussurros, e não incomodariam quem estivesse no quarto ao lado.
Quanto as minhas invocações a Deus, sou membro de uma seita neo-illimânica que estipula uma diretriz para faze-lo em alto e bom som, para que a energia possa chegar as alturas e alcançar os ouvidos do Todo Poderoso. Estarei repensando outras técnicas de faze-lo sem incomodar os que estão geograficamente próximos a mim.
Quanto a música que ouço, tento faz-lo sempre que estou em casa. Não posso evitar, pois a música é cor, é a minha vida. Mas novamente estarei ciente para faze-lo num volume inversamente proporcional ao horário.
Quanto a outros “ruídos”, sou uma pessoa muito ativa, participante de diversas frentes de trabalhos e pesquisas avançadas. As idéias jorram em horários inesperados, e isto causa movimentação. Não posso evitar de pensar alto e caminhar em minha própria casa.

Vale lembrar que várias vezes recebi reclamações interfônicas sobre ruidos que não eram meus. Num deles estava tomando banho, com o som desligado. Num outro já estava dormindo, e fui obrigado a acordar para atender o interfone.

Fecho pedindo mil perdões por quaisquer incomodos que causei, e levando a certeza que as próximas reclamaçõees – se houverem – serão bem embasadas, lúcidas, respeitosas, e principalmente de bom senso, garantindo o excelentíssimo relacionamento entre todos nós.

Aberto para qualquer conversa,

_______________________________
Avi Alkalay, ap. 114
8/04/2001

OBS: Favor enviar cópia aos reclamantes

E a história começou a gerar interesse pela seita Neo-Illimânica…