Receita de Sopa Fria de Pepino com Iogurte

Ingredientes

  • Pepinos compridos: 3
  • Copos de iogurtes: 2
  • Nozes picadas ou xerém de castanha de cajú: 150g
  • Dil (também conhecido por endro) picado: 2 colheres de sopa cheias
  • Alho amassado: 1 dente grande
  • Sal a gosto

Modo de Preparo

  1. Descasque e pique os pepinos em pedaços pequenos
  2. Junte os 2 copos de iogurte e mais 2 copos iguais de água
  3. Junte o alho amassado, a castanha de cajú ou nozes, e o dil
  4. Misture tudo e vá temperando com sal a gosto
  5. Deixe gelar na geladeira por meia hora

Serve 2 pessoas, em cumbuca e com colher de sopa. É leve, saudável e saboroso e as vezes só janto isso e fico satisfeito.

Algumas pessoas gostam de moer pimenta do reino sobre sua cumbuca, outras preferem regar um fio de azeite de oliva.

De qualquer forma, a impressão que se tem é que pepino, iogurte e alho nasceram para serem comidos juntos, de tanto que combinam.

A Paradise on Earth

Last weekend we traveled to the Paraty bay area, a place that I visit since I was a kid. But this time was very special because I knew a new paradise: Saco do Mamanguá.

They say there is only one fjord in Brazil, which is the Saco do Mamanguá. To get there we traveled by car to Paraty Mirim, then took any traineira (a small and slow fisherman’s boat) that was siting on the beach waiting for tourists. You don’t have to setup an appointment or pay in advance. Just go. They use to charge R$35 per hour, for any number of persons up to about 10. We did everything in 4 wonderful hours.

Mamanguá is an 8km-long arm of the Atlantic ocean, far enough from Paraty to look as an almost untouched paradise. It has small clear water, isolated beaches, perfects for snorkeling, or simply for relaxing. In addition we were blessed by a beautiful shiny day, thats why I can’t avoid using the “paradise” word all the time.

The whole region deserves a visit, and thats why I’m writing this in english, to inspire non-brazilian folks come visit my beautiful country. But instead of a stream of words I invite you to explore the interactive map below. Click on the markers () to see more information and local photos.

Center of map
map
Saco do Mamanguá
Saco do Mamanguá
map
Paraty Mirim. A small and old village 18km far from Paraty. This is where we met Nelson and his “traineira” to take us to Saco do Mamanguá.
map
A typical building in Paraty
A typical building in Paraty
map
Le GiteFazenda Graúna. Go to Le Gite D’Indaiatiba, a beautiful pousada and restaurant by Olivier and Valerie. This restaurant is very expensive (about R$150 for two, no wine), but very good too. This place is in higher altitudes so in clear sky days you can have lunch contemplating the wonderful ocean down there.
map
TrindadeTrindade and Laranjeiras. Trindade was a small fishermen’s village that turned to be a place that many hippies go nowadays. Larangeiras is a village of very expensive and big cotages.
map
Ilha do Algodão.
map
Exit from main road (Rio-Santos, BR-101) to the road that takes to Paraty Mirim.
map
Fazenda São Roque. There is nothing here, not even a good beach, but this is where I use to stay when I go to this region. No hotels nor pousadas.
map
Thermonuclear power station of Angra dos Reis
Thermonuclear power station of Angra dos Reis.
map
TaritubaTarituba. Used to be a small village and beach where simple fishermen live and work. They still live there, but all their wives opened simple restaurants along the shore and around. Due to the excess of fishermen boats (called “traineiras” in portuguese) this beach is dirty and not apropriate for swiming. Nowadays you may find some nightlife in Tarituba on weekends or holydays.
map
Mambucaba. This is well organized village built for the engineers of the Angra Dos Reis’ thermonuclear power station. It has the most beautiful beach on the region, with clear waters. This place is almost outside the bay so you will find surfists riding the waves. This beach is always full of young people.
map
Ilha do BreuFazenda São Gonçalo. A private farm with a calm beach, good for children, easily accessible only from certain points. You’ll find places to park your car and walk for 3 minutes to the beach. If you want, you can pay R$7 per person to a fisherman and he’ll take you and your family to the Breu (the picture) or Pelado island, right in front of the beach. You will stay on clear water beaches with big stones full of aquatic wildlife. Bring your diving mask and snorkel. There is also a rustic restaurant there, where you can chill out having a caipirinha de maracujá (passion fruit caipirinha) or água de côco (coconut water) with fried fish. Don’t miss their mandioca frita (mandioca is something similar to a potato but only available in Brazil).
map
The Iriri waterfallsCachoeira do Iriri. Coming from Paraty to Rio, right before the São Gonçalo farm complex, there is an almost unaccessible beach that you will see from a hill on the road. A reference is a red and huge cellular antena. On the other side of the road there is a bus stop and a trail into the forest. A 3 minutes walk will take you to a beautiful clear water river with a natural pool and waterfalls. You will see a closed house but you are not transpassing. Just chill out there the whole afternoon after the beach. You can stay under the waterfall to heal your backs. If you feel adventurous, look for a jungle trail right on the side of the pool, going uphill. It will take you to the second floor of rocks, but there is nothing there. Keep on going up until you find the river again on the third floor. Look down and you will see your non-adventurous friends that stood on the first waterfall. Say hello and goodby, because we are not finished. Walk by the river for 3 minutes until you see a huge natural water pool with another waterfall. You’ll be probably alone there. This is a window to paradise. Just don’t miss this point.

Other things to do

  • Walk around in old Paraty area and remember that you are visiting one of the eldest places in Brazil. Enjoy the rich nightlife with live music. The city is always packed by tourists from all parts of the world.
  • Have a light vegetarian meal in the Ganges, close to the famous Pousada do Sandi. Or choose one from the tons of restaurants around. In Paraty you should have seafood.
  • Have an icecream in a place called Sorveterapia. The owner is a sort of researcher in the art of icecream making, and has developed a very light and natural formula to produce it. Very unexpensive too.
  • Going north on the BR-101 road (also known as Rio-Santos) you will find many beaches. The most important ones are marked on the map. Ask also about the big number of waterfalls. Some of them you can see from the road, coming down the mountains big and white. My preferd is Cachoeira do Iriri, hidden but marked on the map.
  • Going south thowards Ubatuba there are some famous beaches too, as Prumirim, Ubatumirim, Almada, Praia Vermelha, etc. But I don’t use to go there very much: the closer you get to Ubatuba, the crowder will be.
  • If you have an off-road car or jeep, leave Paraty to west, towards Cunha, through the old way. There are some more waterfalls on the go, nice handcraft shops, restaurants and amazing tropical landscapes. Cunha is known as home of excellent ceramicists, so look for their studios. Have a meal in the Restaurante Uruguayo.
  • You will see a lot of rain in all that region too, almost every day. This is a bless that you should contemplate quietly. The rain smells absolutely delicious over there.

Ponto de Luz

Queda d'água na pousadaDias atrás tirei umas férias curtas e resolvi conhecer o legendário Ponto de Luz, pousada zen na Serra da Mantiqueira, quase divisa entre São Paulo e Minas.

A viagem foi fácil, pela Rodovia Fernão Dias. Depois, uma bela estrada até Joanópolis e depois uns 19km de estrada de terra até a pousada. Este último trecho tem belas paisagens rurais de colinas, pomares e criação de gado. Há bastente gente morando ao longo da estrada. Havia muitas bifurcações e encruzilhadas, sempre sinalizadas com o caminho a se tomar para chegar a pousada. Saí às 11:00 de São Paulo e cheguei umas 13:30, prontinho para almoçar.

A pousada é propositadamente rústica-chique, como tantas outras por alí, em São Francisco Xavier, Gonçalves, Monteiro Lobato, etc. Como a região é montanhosa, é também cheia de rios, e a propriedade era cortada pelo Ribeirão da Vergem Escura (afluente da bacia do Rio Piracicaba) cujas pedras formavam um grande poço que convidava para um banho. Nos dias em que estive lá, a água estava um pouco barrenta por causa das chuvas, mas em outras épocas o rio tem águas cristalinas. Há um belo caminho aberto até o rio, e perto da margem colocaram uns assentos que serviam para nada além da pura contemplação da natureza.

Centro do Mapa
no mapa
Hotel Ponto de Luz

(interaja com o mapa)

Rede na varanda do quartoA grande sacada do arquiteto foi construir a pousada na encosta do morro. Isso funcionava bem para dar vista alta, de qualquer ponto da pousada, para o outro lado do rio e para colinas verdejantes e arborizadas. Inclusive do refeitório e da varanda dos quartos com sua rede de balanço.

E falando nisso, a comida era bem simples mas muito gostosa, essencialmente vegetariana, às vezes com uma opção de frango ou peixe. Sempre havia sobremesas dietéticas. O serviço era ótimo, atencioso, e a inclinação exotérica da pousada parecia plantar uma consciência holística nos funcionários.

Só o preço foi na minha opinião um pouco além da conta. R$204 pela diária, incluindo as 3 refeições mais o lanche da tarde. Por pessoa. Estou acostumado a viajar pela região e sei que os preços não são bem esses. Mas calculei que no valor há uma boa lapa de moda de turismo exotérico. Aí fiquei surpreso que no final ainda me convidaram a pagar 10% de taxa de serviço opcional que é dividida entre os funcionários no final do mês. Argumentei que a pousada como um todo já era um serviço, e que não fazia sentido uma taxa de serviço sobre um serviço que por sinal já estava bem pago. Acabei sucumbindo porque continuar a discussão ia ser constrangedor para a situação. Terminou mal explicado.

Havia uma agenda de atividades diárias, com caminhada leve de manhã, algum tipo de hidroginástica antes do almoço e meditação no fim do dia, logo depois do lanche da tarde. Experimentei lá, pela primeira vez, a meditação dinâmica, especialmente desenhada para pessoas estressadas da cidade grande, como eu. Bem legal. Mas, como toda meditação, exige disciplina para se fazer todos os dias. No segundo dia meditamos num pequeno templo charmoso, construido a toque de caixa para a visita de um guru indiano.

TerapiasDepois da meditação dava um pulo na piscina aquecida onde ficava de molho até a noite. O clima não estava convidativo para a piscina aberta e fria. O resto do tempo passava na rede da varanda do quarto, lendo, ouvindo música e observando as colinas tranqüilamente. Ou dava uma olhada na lojinha anexa, cheia de coisas no melhor estilo “além-da-lenda” (a coleção de CDs para vender era ótima, e levei alguns títulos). Ou ainda pode-se fazer uma das terapias e massagens disponíveis em seu cardápio de serviços, cobrados a parte, claro. Nos finais de semana parece que há palestras e atividades musicais, mas infelizmente não pude ficar para ver.

O pessoal da pousada conta que há hóspedes que reclamam que não há “nada” para fazer lá, nem telefone, nem TV, e acabam fugindo de volta para sua cidade agitada.

Bem, eu não sofro desse mal e ficaria lá pelo tempo que fosse, porque o Ponto de Luz é um lugar de paz contemplativa.

Receita de Quiabo Atomatado

Quiabos

Ingredientes

  • ½ kilo de quiabo, de preferência os menores
  • 2 latas de tomates inteiros despelados
  • ½ cebola picada
  • Azeite extra virgem
  • 2 pitadas de páprica picante (opcional)
  • Adoçante ou açucar
  • Sal a gosto

Modo de Preparo

  1. Limpe os quiabos removendo com uma faca a parte externa escura da circunferência de sua cabeça, mas não remova a cabeça inteira. Lave e deixe escorrer.
  2. Pique um pouco os tomates mas deixe pedaços para contarem a história.
  3. Refogue a cebola em um pouco de azeite e acrescente o purê de tomate.
  4. Adicione o quiabo, cortando os maiores no meio já sobre a panela.
  5. Adicione sal a gosto, a páprica picante, e umas 10 gotas de adoçante ou o equivalente em açucar.
  6. Adicione 2 dedos de água e misture bem. Cozinhe em fogo baixo, com a panela tampada por 15 minutos.
  7. Destampe, continue mexendo com fogo baixo por mais uns 15 minutos, até o tomate reduzir (secar) ao ponto de não sobrar molho mas só pedaços molhados de tomate.

A páprica picante combina muito bem com o leve sabor adocicado fortalecido pelo tomate. E o quiabo…. ah, o quiabo….

Sirva frio ou quente.

Como Enganar Seus Sentidos

  1. Arrume 3 bacias ou 3 recipientes em que caibam suas mãos
  2. Coloque água gelada numa, água quente (mas não pelando) em outra, e água normal na terceira
  3. Mergulhe a mão esquerda na de água gelada e a direita na quente, e espere 30 segundos
  4. Tire e mergulhe as duas mãos juntas na terceira bacia e somente usando seus sentidos diga se ela está quente ou fria
  5. Preste atenção na temperatura que cada mão sente

Crianças adoram esta experiência.

Para os adultos, esta experiência tem uma “moral da estória” que depois eu conto.

Viola and Rabeca

The brazilian Viola Caipira has nothing to do with the orchestral Viola, used mostly in classical performances. It was brought to Brazil by the first portuguese people, and modified and evolved, making it almost a genuine, Brazilian-only instrument now.

It is used mostly on country-side small cities or farm regions of Brazil. And songs played with Viola Caipira sound like these places: home-made food, green landscapes, country life.

Almir Sater is a well known violeiro that used to be more active with the viola, and as an example, one of its beautiful compositions, Luzeiro, was used to open an old TV show focused on farming.

ViolaThere are other excellent violeiros, as Paulo Freire [blog], Roberto Correa, Ivan Vilela, Braz da Viola and many others. Levi Ramiro is one of my favorites, with its Estiva Grande.

Songs played with Viola use to be accompanied by a Rabeca, a sort of simplified violin. Luis Eduardo Gramani was one of our masters in Rabeca compositions, writing beautiful songs as Deodora.

Do not forget to right click on each song link to download the hi-fi MP3 file.

Parafuso

Parafuso is an instrumental masterpiece by brazilian Ronen Altman, played by the Orquestra Popular de Câmara.

OPC sort of brought a globalization conscience to brazilian instrumental music, mixing together a great number of instruments and musical styles. They are in evidence in the innovative tradition of brazilian jazz from São Paulo.

If this song was a building, it would look like modern architecture: functional, beautiful, strong and light.

Enjoy.

Mais Sons Inspiradores

Como fiz com o Buddha-Bar, agora foi a vez de compactar toda coleção Café del Mar em 2 CDs de MP3 para ouvir no carro.

Café del MarQuer saber? Gosto mais do Café del Mar do que do Buddha-Bar. Enquanto o último se preocupa em sobrevoar sons étnicos de todo o mundo, o Café del Mar é independente, e bem mais zen. É simplesmente delicioso adormecer com a delicadeza etérea desses sons nos ouvidos.

Há muitíssimas coisas ótimas, que remetem a imagens de jardins verdejantes e folhas de palmeiras balançando ao vento, respiração profunda, um êxtase sereno, e sempre a lembrança de que o mundo é maior do que a nossa percepção abafada pelo dia-a-dia é capaz de sentir.

Selecionei (com muita dificuldade) a Northern Lights do Lux, 8:00 AM de Lazybatusu e Adios Ayer de José Padilla, o organizador da coleção. Selecione com o botão direito para baixar e ouvir.

Ah! Tem também algumas rádios de Internet que ainda não estão 100% exploradas, mas vale a dica: Drone Zone, Space Station Soma e Groove Salad, todas no site da Soma.fm.

Histórias de Muita Coincidência

Entre risadas e caipirinhas de saquê com lichia com amigos no Mestiço, começamos a contar experiências pessoais com coincidências impressionantes.

Algumas delas faria qualquer pessoa simplesmente desacreditar se não tivesse acontecido consigo mesmo. Selecionei algumas para compartilhar:

Estive em Paris este ano e ía para o aeroporto Charles de Gaulle de metrô — aquele tipo de transporte que tem dezenas de vagões num mesmo trêm, e por onde circulam dezenas de milhares de pessoas por dia.

Numa certa estação quem é que entra no meu vagão, bem na minha frente? A única pessoa que conhecia — mesmo que remotamente — morando em Paris: a Denise, colega de trabalho que tinha se mudado para lá.

Eram os últimos respiros da Varig e seus vôos estavam sendo cancelados. Ela também estava indo para lá, levar a filha para tentar tomar o mesmíssimo vôo. Só que no caso delas já era a segunda tentativa de tomá-lo.

Coincidência ou não, ela nos ajudou naquele enorme aeroporto e deu as dicas de com quem falar e qual ônibus tomar para ir ao terminal correto. Talvez sem a ajuda dela teríamos tido problemas.


A Adriana tem alguns irmãos. Certo dia ela estava parada num farol da Av. Rebouças e viu seu irmão Julio parado no mesmo farol, do outro lado da avenida.

A Rebouças é uma das principais avenidas da cidade, com tráfego de algumas dezenas de milhares de carros por dia.

Mas até ai tudo bem. O mais incrível é que naquele mesmo farol fechado, com a Adriana e o Julio parados naquele instante, a Bia — outra irmã — atravessava a avenida.

Qual é a probabilidade de dois irmãos se encontrarem numa avenida como essa? Qual é a probabilidade de três irmãos estarem ao mesmo tempo no mesmo lugar, numa cidade tão grande, e sem terem marcado ?

A noite, em casa, os três confirmaram que se viram naquele cruzamento.


Saí umas 22:00 do trabalho certa vez, e tomei um taxi para ir para casa. Ele passou pela Av. Paulista, que normalmente nesse horário tem muito trânsito.

Qual é a probabilidade de alguém bater o carro na Av. Paulista? Quantos acidentes acontecem alí por dia? Com certeza alguns.

Bem, o taxista foi fazer uma manobra e bateu de leve no carro da frente. Quem saiu cheteada do carro batido para reclamar? A Daniele, uma grande amiga minha. Qual é a probabilidade de um taxi em que você está bater no carro de um conhecido? E no de uma grande amiga então ?

Sua tristeza era maior do que a batida. Tinha perdido o emprego naquele dia, o carro era novo, tirado da loja dois dias antes, e sentia-se sozinha com tanta desgraça acontecendo enquanto esperava o namorado voltar da pós-graduação para consolá-la. Então ajudei ela e o pobre taxista a negociar a funilaria, dispensei o motorista, e ofereci o ombro amigo e companhia, até o namorado voltar. (Hoje ela está bem, empregada, curte boa vida e já trocou de carro várias vezes).


Uma amiga contou que uma conhecida casada viajou para a Europa, conheceu por acaso um homem alí e começou a ter um caso com ele. E voltou para o Brasil e para sua vida normal. Tempos depois o marido no Brasil viajaria para o mesmo país e iria se encontrar com o único amigo que ele tem lá: concidentemente o mesmo homem com quem ela teve um caso.


Fui a uma cafeteria tarde da noite com uma amiga que tem uma mediunidade muito forte, do tipo “I see dead people all the time”.

O lugar estava completamente vazio, e ao sentarmos ela disse que havia um espírito brincando de se esconder e aparecer bem atrás de uma coluna. Naquele momento eu só pensei que o espírito podia ser meu primo Rami. Não sei porque me ocorreu aquilo, visto que ele havia morrido uns 20 anos antes, e era um parente que não visitava com freqüência as minhas lembranças.

Mas não falei nada sobre meu pensamento. Só brinquei com ela pedindo que chamasse o tal espírito para vir conversar conosco, através dela, claro. Eu não tenho o menor problema com essas coisas e acredito muito, desde que seja de fontes que me inspirem confiança.

Ela se recusou, e recomendou deixarmos ele em paz. OK.

Minutos depois ela foi ao banheiro. Quando voltou, sentou, deu um tapinha na mesa e disse: “Seguinte, o nome desse espírito é Rami.”

Meu queixo caiu porque não tinha falado nada para ela (ou seja, não foi induzido) e nós “três” passamos o resto da noite conversando sobre música (Rami era um ótimo músico) e sobre nossa família.

Não é exatamente uma história de coincidência. Mas, telepatia ou mediunidade, é algo bem além da imaginação, e foi sensacional.


Talvez há um propósito para essas coisas acontecerem. Ou talvez não. Mas uma coisa é certa: acontecimentos desse tipo nos fazem pelo menos parar para repensar o mundo. E sim, é ainda uma zona cinzenta e nebulosa para a ciência . . .Leitor, você tem histórias assim para compartilhar ?

Museu Afro-Brasil no Ibirapuera

O Parque Ibirapuera me recebeu de braços abertos ontem para uma rodada de bicicleta. É uma pérola de nossa cidade com aquelas árvores enormes e magestosas e pessoas bonitas praticando esportes.

Dei de frente com o Museu Afro Brasil lá dentro e aproveitei para conferir. É uma exposição permanente, densa e vasta, e muita bonita, com arte e cultura de todo o Brasil. De xilogravuras armoriais típicas do nordeste, ao grafite das grandes cidades do sul. De letras e poesias gravadas nas paredes, a panfletos do encontro nacional das trabalhadoras do sexo de Salvador. De arte e fotografia da cultura do Candomblé, a um horrendo esqueleto de navio negreiro. Este último ficava numa sala a parte, junto de mais fotografias e dizeres de FHC, Castro Alves e outros. Foi muito tocante.

Fiquei impressionado com as enormes fotografias de nativos africanos, suas vestimentas (ou ausência de) e rituais, de uma tal de Isabel Muñoz.

Enquanto andava pela exposição fiquei ouvindo Ulisses Rocha e seu violão solar, que caiu como uma luva para o momento. Sempre cai.

Não deixe de visitar.

Aquecimento Global

SAIBAM, que a Terra não será mais a mesma dentro de 20 ou 30 anos.


Aumento da variação de temperaturaA Natureza não consegue rearranjar seus ecossistemas tão rápido quanto o homem tem feito a temperatura do planeta subir, através da crescente emissão de CO2 (dióxido de carbono), marca de nossa era industrial. Então, antes da maioria de nós deixar esta vida, veremos secas fustigantes, enchentes avassaladoras e extinções irreversíveis. Já começou. Espécies, geleiras e continentes inteiros sumirão do mapa.

O mais terrível não é a mudança na paisagem global, mas os impactos sócio-econômicos. Imaginem as hordas de milhões de pessoas — 6 casas decimais de desabrigados — migrando para as montanhas porque seus paises e cidades viraram parte dos oceanos Índico, Pacífico e Atlântico. Ou teremos séculos de guerras por água e m2, ou aprenderemos a viver em paz e compartilhar os recursos.

Este assunto era um rumor remoto para mim, mas é impossível não se sensibilizar com o documentário Uma Verdade Inconveniente, ainda em exibição em algumas salas de São Paulo. Os fatos relatados alí não me saem da cabeça, e é filme obrigatório para todas as pessoas.

Faça Sua Parte Para Evitar o Aquecimento Global

Mais na Web

Lembre-se: o planeta não é nosso; ele nos foi emprestado pelos nossos filhos (provérbio africano).

Receita de Kiopolo

BeringelasIsto é uma engenharia reversa bem sucedida de uma entrada típica da culinária judaica-sefaradita ou búlgara. Pode ser encontrada em São Paulo no Shoshi Delishop, no Bom Retiro (R. Correia de Melo quase esquina com a Três Rios).

Ingredientes

  • Beringelas: 4
  • Pimentão vermelho: 1
  • Alho amassado: um pouco menos de 1/2 cabeça
  • Azeite extra virgem
  • Suco de limão: 1 se for fraco, 1/2 se for forte
  • Sementes de kümmel, opcional
  • Adoçante ou açucar a gosto
  • Sal a gosto

Modo de Preparo

  1. Coloque as beringelas e o pimentão diretamente sobre o fogo das bocas do fogão sem nenhuma proteção. Isso vai dar um sabor especial ao prato.
  2. Vire de vez em quando com um pegador longo de metal, pegando a beringela sempre pelas extremidades. Toda a pele deve ficar queimada e carbonizada, praticamente se descolando da polpa, e o fruto deve se abrir em alguns pontos revelando estar mole e molhado.
  3. Espere esfriar até uma temperatura que não queime as mãos.
  4. Segure a beringela pelo cabo e remova gentilmente a pele queimada, e por último o cabo.
  5. Faça a mesma coisa com o pimentão, removendo a pele e sementes. Mais detalhes na receita de matbukha.
  6. Coloque a beringela longitudinalmente numa tábua, uma de cada vez, e com uma faca grande massere-a na transversal quebrando suas fibras. Depois pique mais até o ponto de ficar uma massa. E vá juntando todas elas num recipiente final.
  7. Pique o pimentão em pedaços bem pequenos e finos e junte no recipiente final. Ele serve mais para dar um tom vermelho esporádico à salada.
  8. Junto o alho amassado.
  9. Regue com azeite extra virgem. Regue com o limão ou vinagre. Por incrível que pareça, o azedo do vinagre desaparece e ele potencializa o sabor assado da beringela.
  10. Adicione um pouco de kümmel. Atenção para ele não dominar a salada. Ele deve funcionar como uma surpresa em algumas poucas mordidas.
  11. Misture tudo e vá experimentando, regulando o sal, vinagre e adoçante/açucar. É importante ter um sabor levemente adocicado.

Sirva frio, com pão sírio ou outro tipo de pão, como entrada ou petisco.

Kiopolo é delicioso e quem experimenta quer a receita. Eu sempre preparo esta receita quando faço matbukha, porque o trabalho é o mesmo.

outras versões desta receita na Internet.

Receita de Matbukha

PimentõesProvei matbukha (ou matbucha ou matbuha) pela primeira vez em um restaurante libanês em Abu-Gosh, uma vila árabe perto de Jerusalém.

Fiquei impressionado, e depois comprei nos supermercados de Israel matbukha pronta várias vezes. Bem, aqui não há essas coisas para vender, então achei a receita na Internet, que minha mãe traduziu para mim. Fiz e ficou muito bom.

Ingredientes

  • 2 latas de tomates pelados
  • 4 pimentões vermelhos
  • 1 pimentão verde (para variar a cor)
  • 1/2 cabeça de alho amassado
  • 1 colher de sopa de páprica doce
  • Pimenta ardida a gosto
  • 1/2 xícara de café de azeite de oliva virgem
  • Sal e açucar ou adoçante a gosto

Modo de Preparo

  1. Coloque os pimentões diretamente sobre o fogo das bocas do fogão sem nenhuma proteção e vire de vez em quando até toda a pele ficar preta e carbonizada. O fogão vai ficar sujo, mas é essa assagem que vai dar um sabor especial ao prato.
  2. Deixe-os esfriar até uma temperatura que não queime as mãos.
  3. Limpe os pimentões removendo facilmente a pele carbonizada. Muitas pessoas evitam pimentões porque os consideram de dificil digestão. Bem, é esta pele carbonizada, de pura celulose indigesta, a vilã da estória. Depois de remove-la, o pimentão é só delícia.
  4. Abra-os e remova cirurgicamente o miolo com as sementes.
  5. Lave-os cuidadosamente removendo o resto de pele e semente que ficaram grudados.
  6. O resultado parece um bife fino e grande, que deve ser cortado em pedaços quadrados de 1 ou 2cm2.
  7. Triture muito pouco os tomates pelados. Devem sobrar pedaços relativamente grandes.
  8. Junte os tomates, pimentões, alho amassado e pimenta ardida numa panela.
  9. Ferva em fogo baixo por uns 20 minutos, mexendo sempre.
  10. Pitada de açucar ou adoçante (isso é muito importante) e sal.
  11. Misture a páprica ao azeite numa xícara e junte à panela.
  12. Cozinhe devagar, com panela destampada e fogo baixo até a água evaporar e engrossar.
  13. Esfrie e espere algumas horas antes de servir, para o sabor apurar.

Matbukha se come fria, como entrada com pão sírio ou outro pão, e é deliciosa.

Curtindo a Vida em São Paulo

Um colega que está se mudando para São Paulo me pediu umas dicas de lugares para levar sua namorada. Mandei esta lista para ele:

  1. Insalata (Al. Campinas, perto da Estados Unidos)
    É bonito, descoladinho e tem todos os tipos de comida, com destaque a ótimas saladas.
  2. Sargento (Al. Pamplona)
    Vai lá só para comer a saladona, que é ótima e sustenta. Peça a pequena.
    Ou então aproveite as massas que estão entre as melhores de SP.
  3. Nello’s (R. Antonio Bicudo entre R. Pinheiros e Artur de Azevedo)
    Barato, tradicional e ótimo. Peça a panzanella de entrada, e depois castigue uma massa. Eu adoro.
  4. Piratininga Bar (R. Wizard, na Vila Madalena)
    É aquele bar que te falei para marcar gol. É bonito, tem piano e sax ao vivo, e uns petiscos sem vergonha. Tem que chegar cedo pq é pequeno, e tenta ficar na parte superior, perto do piano. Tem o Pira Grill ao lado que é mais para comer, e é menos romântico.
  5. Acrópoles (fica em alguma rua do Bom Retiro)
    É um restaurente grego supertradicional e simples. É interessante pq nos finais de semana o Bom Retiro é um bairro morto, com todas as lojas fechadas mas as pessoas bombam na frente do restaurante (mas sempre tem lugar). Um bom programa é ir na Pinacoteca de manhã e depois almoçar lá, que é perto. Pode-se também ir comprar roupa feminina no bairro (vc vai ter que ter paciência) de sábado (até as 12:00, pq depois tudo morre) e depois castigar o grego.
  6. Restaurante do Museu da Casa Brasileira (Av. Faria Lima quase com a Av. Cidade Jardim)
    Este lugar é lindo. O negócio é ir lá domingo umas 10:00 da manhã, assistir o concerto de jazz de graça, dar uma volta no museu (que é pequeno) e ficar para o almoço. Tem um jardim bonito e o restaurente fica de frente para ele. Vale mais pelo programa do que pela comida.
  7. Jardim Aurélia (Rua Tabapuã, 838, no Itaim)
    É um restaurante grande que comprou todas as casas de uma vilinha, então as mesas ficam meio a céu aberto. Self-service de tudo, e a noite vira uma pizzaria razoável.
  8. Sorveteria Ofelê (Al. Lorena com Bela Cintra)
    Dá uma passeada nos Jardins, e toma um sorvete nessa melhor sorveteria de São Paulo.
  9. Senzala (Pça Pan Americana)
    Retaurante tem-de-tudo, com algumas mesas a céu aberto, e vista p/ a praça. Eu gosto do sanduiche de atum, que é bem servido e bom.
  10. Speranza (Av. 13 de Maio quase esquina com a Brigadeiro Luiz Antonio, embaixo do viaduto)
    A melhor pizzaria de São Paulo. Tem que pedir a pizza de marguerita que é inacreditável.
  11. Maha Mantra (Fradique Coutinho perto do Galinheiro)
    O melhor restaurante vegetariano do mundo. É muito barato e é boa opção também para os carnívoros.
  12. Deli Paris (R. Harmonia com Wizard, na Vila Madalena, perto do Piratininga)
    Boulangerie francesa com café da manhã self-service bom, barato e descolado. Dá para almoçar lá tb, tipo quiche com salada etc.

Para os vegetarianos, tenho esta lista de todos os restaurantes VGs de São Paulo.

Gaia Gourmet Vegetariano

Finalmente consegui almoçar no Gaia, marcando um almoço informal com o pessoal do trabalho.

A marioria dos restaurantes vegetarianos são self-service-coma-a-vontade com buffet de saladas e quentes, bem normal. O Gaia não. Lá as porções vem naqueles pratos bem montados e bonitos dos restaurantes mais elegantes.

E não é só visual. É tudo muito saboroso, muito bem temperado.

Eu por exemplo pedi um panqueca de ricota com risoto de quinua e abóbora, de sabores inusitados. Alguns pediram a outra opção: fusili al dente marinado com vegetais. Olhei a massa que não parecia prometer muito, mas que me disseram que estava ótima. Não resisti e provei também, e me surpreendi.

O Gaia Gourmet Vegetariano é um presente para São Paulo. Levaria lá até aqueles amigos gourmets mais carnívoros. E além de tudo, não é caro: R$15 por pessoa.

Entrou na lista dos meus restaurantes preferidos.

Cantá

Cantá seja lá cumu fô
Si a dô fô mais grandi qui o peito
Cantá bem mais forte qui a dô

Cantá pru mor da aligria
Tomém pru mor da triteza,
Cantano é qui a natureza
Insina os ome a cantá

Cantá sintino sodade
Qui dexa as marca di verga
Di arguém qui os óio num vê
I o coração inda inxerga

Cantá coieno as coieta
Ou qui nem bigorna no maio
Qui canto bão de iscuitá
É o som na minhã di trabaio

Cantá cumu quem dinuncia
A pió injustiça da vida:
A fomi i as panela vazia
Nus lá qui num tem mais cumida

Cantá nossa vida i a roça
Nas quar germina as semente,
As qui dão fruto na terra
I as qui dão fruto na gente

Cantá as caboca cum jeito,
Cum viola i catiguria
Si elas cantá nu seu peito
Num tem cantá qui alivia

Cantá pru mor dispertá
U amor qui bati i consola
Pontiano dentro da gente
Um coração di viola

Cantá cum muitos amigos
Qui a vida canta mio
É im bando qui os passarim
Cantano disperta o só

Cantá, cantá sempri mais:
Di tardi, di noiti i di dia
Cantá, cantá qui a paiz
Carece de mais cantoria

Cantá seja lá cumu fô
Si a dô fô mais grandi qui o peito,
Cantá bem mais forti qui a dô

Autoria de Gildes Bezerra.

Escrito como uma resposta a um cartão de fim-de-ano de Rolando Boldrin. Mais detalhes pelo próprio autor.

Feriado em Caldas da Imperatriz

Eu que nunca ganho nada, ganhei um final de semana no Resort Plaza Caldas da Imperatriz, na serra de Santa Catarina, uns 40 km de Florianópolis. Como eu tinha que estar em Floripa na segunda-feira, 16 de outubro, resolvi passar o feriado inteiro lá, numa espécia de mini-férias, chegando na quarta anterior, a noite.

A princípio, Tati e eu achamos que talvez seria tempo de mais ficar 4 dias enfurnado num “resort” — palavra que me dava calafrios só de imaginar. Estavamos enganados e foi mais-do-que-ótimo.

Ofuros ExternosEra um hotel grande e legal montado sobre umas fontes históricas de águas termais — que já brotam da terra a agradáveis 39° C —, em Santo Amaro da Imperatriz, SC. Então, por causa disso, o hotel dava foco a banhos, hidromassagens e piscinas com cascatas quentes. Contei umas 2 piscinas fechadas, 1 gigante externa, 5 ofuros externos e mais uns 2 internos, fora as saunas e duchas. O resort estava cheio de gente de todos os tipos, principalmente famílias e era comum ver os hóspedes circulando de roupão pelo hotel.

Além disso, havia um SPA que oferecia massagens e tratamentos especiais, e pacotes de alimentação acompanhada de nutricionista. Tudo isso, claro, cobrado a parte.

Fazíamos todas as refeições lá mesmo, com muitas opções quentes, de saladas, e de sobremesas. Tudo muito bom, mas acho que na cozinha eles podiam pensar um pouco mais nos vegetarianos: até um frugal arroz-a-grega levava uns pedaços de presunto que não precisavam estar lá.

Piscina ExternaTodos os dias eles publicavam uma programação diferente para adultos e crianças, que incluia hidroginástica, aulas de dança, caminhadas, trilhas, filmes, música ao vivo, mágico, aulas de Tai Chi Chuan e Lian Gong (um tipo de auto-massagem que parece Tai Chi). Quando não queríamos fazer uma das atividades, saíamos para passear pelos belos jardins de bromélias, palmeiras imperiais, flores, rios, lagos e pássaros. Ou caíamos na água morna de um dos ofuros. Ou ainda nos refugiávamos no quarto para assistir TV a cabo até o sono da tarde chegar tranqüilo.

Fiz algumas massagens, esforcei-me para me alimentar sem exageros e corretamente, fiz questão de manter a mente longe de coisas que a deixavam muito agitada, e o resultado foi uma bela limpeza perceptível de corpo e alma.

A-do-rei.

Poema de Mulher

Do livro Tapa de Humor Não Dói do grupo carioca O Grelo Falante.

Que mulher nunca teve:
Um sutiã meio furado.
Um primo meio tarado.
Ou um amigo meio viado?

Que mulher nunca tomou:
Um fora de querer sumir.
Um porre de cair.
Ou um lexotan para dormir?

Que mulher nunca sonhou:
Com a sogra morta, estendida.
Em ser muito feliz na vida.
Ou com uma lipo na barriga?

Que mulher nunca pensou:
Em dar fim numa panela.
Jogar os filhos pela janela.
Ou que a culpa era toda dela?

Que mulher nunca penou:
Para ter a perna depilada.
Para aturar uma empregada.
Ou para trabalhar menstruada?

Que mulher nunca comeu:
Uma caixa de Bis, por ansiedade.
Uma alface, no almoço, por vaidade.
Ou, um canalha por saudade?

Que mulher nunca apertou:
O pé no sapato para caber.
A barriga para emagrecer.
Ou um ursinho para não enlouquecer?

Que mulher nunca jurou:
Que não estava ao telefone.
Que não pensa em silicone.
Ou que “dele” não lembra nem o nome?

Os Novos Sons do Mundo

CDs Buddha-BarCaí na estrada com todos os 16 CDs dos 8 albuns Buddha-Bar compactados em práticos 2 CDs de MP3. Para quem não sabe (eu não sabia até uns 3 meses atrás) os Buddha-Bar são belíssimas compilações de DJs do bar-restaurante-lounge Buddha-Bar de Paris, e trazem sons do mundo todo, parte no estilo lounge/chill out/ambient, parte em ritmos mais animados.

Alguns anos atrás eu diria que isso é música alienante e me manteria fiel a MPB, ou ao Instrumental Brasileiro; como a mais uns anos antes diria que qualquer coisa fora do hard rock seria “fagot-music”. Incrível como os gostos mudam quando agente mantém a mente aberta…

Hoje tenho me sintonizado mais com essas pulsações globais. São sons que me fazem sentir parte de uma coisa maior, que amplificam a visão, a respiração, sei lá. Fazem os nossos problemas precerem menores ainda porque insistem em nos lembrar que o mundo não termina na nossa cultura.

No meio de um monte de coisas interessantes, há canções realmente lindas, e separei algumas degustações para vocês: a etérea Tibet (a passage to…) de uns tais de Tibet Project, e a maravilhosa Onón Mweng de Oliver Shanti.

Essas canções fizeram as paisagens de Ilhabela ficarem ainda mais paradisíacas nesse final de semana.

Levitação

Voltei a sonhar que podia voar.

Saltava de um lugar alto descendo devagar até chegar em baixo. Ou simplesmente decolava e ia para onde queria. Ou ainda saia do topo de um edifício e chegava em outro.

Não tem nada a ver com o que a gente vê nos filmes de super-herói. Era um vôo de paz, lento, com movimentos harmônicos e dançantes no ar, sem pressa.

É tão real que a gente acorda com a sensação de poder abrir a porta de casa e sair levitando. Lembro que quando era criança cheguei a tentar isso.

Não tem sonho melhor.

Antes de votar…

…consulte perfil.transparencia.org.br onde é possivel fazer consultas sobre todos os candidatos, como bens declarados, atuação parlamentar, emendas de sua autoria, gastos de gabinete, quem financia campanhas, etc.

O site ainda permite fazer uma pesquisa de quando e como o candidato apareceu no jornal.

Superútil. Só falta eu poder registrar em quem votei nas últimas eleições para poder acompanhar, porque sinceramente não lembro mais….

Não Subestime as Pessoas

Alguns anos atrás, quando era mais idealista e ingênuo, recebia projetos para executar que tinham sido arquitetados por outras pessoas.

Eu era também muito sabichão e achava que havia a forma correta para fazer as coisas. Com toda essa pompa, certamente achava vários defeitos nesses desenhos. Na verdade achava eles uma droga. Era inaceitável que alguém pudesse fabricar um trabalho de tão baixa qualidade, e ficava nervosíssimo porque era eu quem tinha que executar.

Claro que achava que se estivesse no lugar do projetista, teria desenhado muito melhor, mais bonito, e mais barato.

Bem, cuidado com o que você deseja porque um dia pode te-lo.

Aconteceu que mudei de lado, e virei “desenhista”. E dos piores, porque fui com aquele sentimento de “agora eles vão ver coméqueé”. Mas, também descobri coisas incríveis.

O lado de lá da moeda — também conhecido como área de vendas — era cheio de incertezas. Lidar com clientes — coisa que não fazia do lado de cá — é um processo sujeito a diversas forças, tanto técnicas (as mais fáceis de mitigar), políticas, estratégicas, e de escassez de recursos que nunca me ocorriam, chamados tempo e dinheiro. Só o fato de ter-se produzido um desenho de projeto, por mais tosco que seja, já era uma vitória, tamanha as dificuldades no meio do caminho.

Quantas vezes subestimei as pessoas e suas inteligências quando via algo que rapidamente julgava como erro grosseiro, mas logo depois era informado de situações que forçavam ser aquela a única saida. Não estou falando de conseqüências futuras, mas do que as pessoas são capazes de fazer com os recursos que elas tem hoje, somados a suas experiências anteriores. De qualquer forma, futurologia é uma ciência que não existe.

É muito fácil julgar e criticar ações alheias. É bem mais dificil colocar-se na posição e situação da outra pessoa. Hoje prefiro pensar que alguma idéia simples e óbvia que acabei de ter para resolver uma guerra alheia, um projeto difícil, ou um impasse em que não estou metido, provavelmente já foi concebida por quem vive aquilo todo dia, e só não foi adotada porque havia um conjunto de forças desfavoráveis para tal.

Não que as pessoas tenham que parar de ter idéias sobre os problemas alheios. Só precisam fazê-lo quando não estiverem arrotando sabedoria, e com um certo senso de humildade.

Vôo Espiritual

A religião é como o avião que reboca você — o planador — para as alturas até que você se solta dela. A partir dai você está por sua conta, sem religião, livre, no silêncio do céu. Você deve achar as correntes do ar quente que sobem para subir bem mais alto, inebriando-se do sol e desfrutando a tua liberdade.

Zari Alkalay, meu pai (e ele nem se lembra de ter dito isso….)

Grupo Corpo

O Grupo Corpo esteve em São Paulo com duas coreografias.

A Missa do Orfanato dançava uma missa de Mozart (que não era o Requiem) como pano de fundo. Dançarinos mostraram muita emoção nesse opus n° 1 (primeira obra) da companhia.

Ai teve um intervalo, e depois entraram com o Onqotô.

Pegue uma caixa, coloque o Onqotô, goiabada cascão, caipirinha de maracujá com boa cachaça, biscoito de polvilho, sorvete de bacurí, e doce de abóbora com côco, e você terá um perfeito Kit Brazil Export. Vontade de comer tudo. Talvez o Onqotô sozinho já dê conta do recado, de tão brasileiro que ele é. A voz zen de Caetano Veloso somava à perfeição a dinâmica vigorosa da coreografia. Adorei.

O intervalo era um espetáculo a parte. Muita gente bonita, com ar de descolada e que parecia emanar glamour e cultura. Todos alí prestigiando essa que está entre as mais importantes companhias de dança moderna do mundo. De logo aqui, Minas Gerais.

Nesses espetáculos minha namorada sempre sempre encontra todos seus sócios, e eu nunca nunca vejo pessoas da minha empresa.

♫ É só isso… ♫

Recife e o Mar

Estou em Recife.

Hoje de manhã (ok, já era umas 11:30) olhei pela janela do quarto do hotel e vi uma cena linda: a maré baixa e os recifes cheios de piscinas naturais convidando a criançada a brincar na água calma e morna.

O Violão Solar de Ulisses Rocha

Esses dias peguei estrada e coloquei aquele CD chamado Brasil Musical onde ouvi pela primeira vez o Ulisses Rocha. Desde aquele primeiro choque, anos atrás, quantas coisas maravilhosas conheci desse violonista e compositor !

Ulisses RochaSim, hoje sei que Ulisses Rocha superou os monumentais do violão brasileiro: Sebastião Tapajos, Raphael Rabello, Paulinho Nogueira, e até Paulo Bellinati. Ele é completo e faz tudo de forma singular. Quando compõe, ampla e magnificamente, com uma inspiração solar, revela um canal aberto com planos transcendentais, espirituais. Mas é quando ele executa suas composições que suas harmonias alcançam nosso coração. Fico imaginando qual outro violonista poderia tocar Ulisses Rocha….

Não, não há sambas, maxixes, choros e bossas no repertório de Ulisses. Devemos recorrer aos outros monumentais para essas pulsações: Paulinho Nogueira, Rabelo, Canhoto, etc. Não que isso lhe falte, pois sua linguagem e sintonia são universais.

Sua técnica é intrigante. Por mais que escuto não consigo entender o que ele faz diferente. Só sei que é. Num perfeito balanço entre graves e agudos, que preenche cuidadosamente todo o ar. Quando digo técnica não me refiro a velocidade da pegada, tocar com os dentes, ou com o violão nas costas, mas a quantidade de beleza produzida quando 10 dedos encontram 6 cordas.

Mas onde está Ulisses Rocha no conhecimento das pessoas? Poucos ouviram falar, poucos o escutam. Isso me lembra a história de Bach, Mozart, etc, que eram praticamente desconhecidos à sua época, mas que suas obras se perpetuaram na universalidade décadas, séculos depois. Como eles, Ulisses nos traz o futuro hoje.

Não saia daqui antes de ouvir algumas de suas músicas (clique com o botão direito sobre o link para baixar o MP3 de alta qualidade antes de ouvir):

E conheça também outros violonistas brasileiros:

Sabedoria

Sabedoria é uma das melhores qualidades que uma pessoa pode ter.

A gente sabe que encontrou uma pessoa sábia quando se sente iluminado numa rápida conversa com ela.

Meu pai é assim. Qualquer assuntinho, e lá vai ele esbanjando sabedoria. E digo isso sem invocar a porção filho-coruja em mim. Não é a toa que um monte de gente se pendura nele pedindo conselho, chamando de mestre, etc.

Sabedoria não é inteligência. Sei lá… inteligente é o cara que resolve uma equação diferencial, ganha no xadrez. Sábio é quem solta duas frases e muda a sua semana, seu mês, as suas opiniões sobre a vida.

É uma mistura fina de intuição aguçada, senso prático, liberdade de pensamento, pitadas de boa cultura, irreverência, visão holística, e principalmente um sereno bloqueio a idéias pré-concebidas. O sábio parece que medita sobre aquilo que fala, sem deixar sua personalidade ou experiências pessoais interferirem no mergulho — mas ainda sendo sensível —, e por isso chega a conclusões que cheiram a superóbvias, mas tem um sabor completamente refrescante.

Eu conheço alguns sábios, cada um com seu temperamento: meu pai, como já disse, o Alexandre Santos, Cezar Taurion, Nick Donofrio, e tem também a Melina Castro que está a passos largos rumo a uma sapiência zen. Alguns trabalham comigo e é um prazer ouvir suas opiniões.

Quando crescer, quero ser sábio. Menos para impressionar os outros, e mais para ser feliz, fruto de experiências de vida de sábias decisões pessoais.

Meu Mapa Astral


Meu mapa astralEste é meu mapa astral, com a interpretação de alguns aspectos que um astrólogo me enviou. É claro que só coloquei aqui coisas positivas.

Sol em Sagitário e Lua em Áries

Você é um pioneiro, sua Lua em Áries transforma-o em uma pessoa destemida e seu Sol em Sagitário, em um filósofo. Ambos darão a você muito dinamismo, desejos intensos e uma grande capacidade de liderança sobre as pessoas. Apesar da sua grande ambição e vaidade, poderá ser capaz de trabalhar para o bem comum, mas com uma condição: estar sempre à frente dos movimentos. Existe um interesse pelos desvalidos e tem noção da posição das outras pessoas, mas procurará não se sacrificar de forma nenhuma. Nesta vida você será um esplêndido administrador e organizador de grandes ou pequenos eventos ou empreendimentos, quando consegue ter as rédeas na mão e controlar os destinos das pessoas ao seu redor. No amor é muito sincero e ardente, aplicando seus ideais aos assuntos do cotidiano e conseguindo assim ser um namorado satisfatório. Mas nunca se esqueça que você gosta das coisas ao seu jeito e deverá como disciplina de vida, aprender a ceder. Este ceder não é fazer as coisas dentro de 90% do que você quer e 10% do jeito que as outras pessoas desejam, é procurar ver realmente o ponto de vista da outra pessoa e num esforço de vontade, ter absoluta certeza que seu método é melhor. Caso contrário você poderá sempre comer verde pela ânsia de fazer tudo do seu jeito e, ainda, não aprender coisas novas, novos pontos de vista, novas técnicas. Não se esqueça que as grandes descobertas sempre partiram da união de várias técnicas e pontos de vista. Você é intensamente honrado e não se afastará nunca da verdade ou do direito conforme você o entende. É um idealista prático e sabe como viver no mundo tal como ele é, sem renunciar às suas teorias de conduta adequada.

No seu interior não existe nenhum interesse em enganar ou ludibriar os outros, preferindo agir sempre corretamente. Os outros têm muita dificuldade para enganá-lo pois você tem excelente poder mental. Sabe exatamente o que quer até o último detalhe e consegue desenvolver intrincados padrões de pensamento e de ação com a maior facilidade. Em política, no governo, no direito e no sacerdócio — em qualquer profissão ativa — você é imbatível. Não existe altura que você não possa atingir. Seu maior interesse está no mundo à sua volta, na sua carreira e no seu progresso pessoal e sua vitalidade e forças são tão grandes que provavelmente atingirá todos os seus objetivos. Mas cuidado para não ir além de suas possibilidades. Vá em frente, resolva os pesados aspectos que poderão segurá-lo, não se esqueça que você é o tipo de pessoas, cuja integridade e força, podem ser de grande benefício para a humanidade.

Ascendente em Sagitário

Seu maior trunfo é a capacidade de ver o conjunto de qualquer situação sem ter que começar a ver todos os detalhes. Sua perspectiva animadora é uma verdadeira alegria para as pessoas que o cercam.

Seu dom de comunicação é capaz de resumir em poucas palavras as milhares de preocupações que confundem a mente inferior. Você é muito hábil em chegar ao cerne da questão e encontrar formas engenhosas de expressar-se. Mas podemos observar que se você viver em identificação com a impessoalidade do momento, abandonando sua intuição e a comunhão interna, fica uma presa fácil dos exageros, devido a atração por todas as formas de abundância da vida. Sua concentração se torna curta e assim seus interesses mudam antes de começarem a render os dividendos da satisfação. Como os ventos mutáveis de um incêndio na floresta, você parece soprar em muitas direções ao mesmo tempo, e seu entusiasmo não resiste a repetidas frustrações que obscurecem o seu dom de visão.

Aprender a dizer não pode ser uma grande vantagem para seu próprio conforto, pois ao dizer sempre sim, você está criando fatores de pressão sobre si e poderá prometer mais que pode cumprir e com isto ganhar fama não cumpridor das obrigações ou das promessas, além de ficar muitas vezes com o problema dos outros — de graça! Aprender a ir fundo nas coisas é um grande desafio para você que normalmente só toca na superfície e assim fica com dificuldades de lançar a âncora em suas atividades estabilizando-as. Assim perdem-se o valor e o significado da vida quase com a mesma rapidez com que foram encontrados. Você pode ser dos sete instrumentos sem nunca chegar a sentir de fato a satisfação que qualquer um deles pode proporcionar. (O casamento e todas as outras situações restritivas são difíceis de suportar. Quanto mais você vê o mundo externo, mais desassossegado fica. E, em última análise, acaba sendo possuído pela tremenda sede de viver e de experimentar.

Resumo do Karma de Vidas Passadas

Refirindo-se à Entidade que nesta vida se chama Avi mas já viveu muitas outras vidas e já possuiu vários nomes. Aqui estamos nos referindo ao Ser que reencarna

A Entidade escolheu para esta vida a estabilidade e sair da suas indecisões do passado e finalmente ser responsável pela sua vida. Como passou vidas e vidas em total dispersão, resolveu coordenar todas as suas ações e seus pensamentos visando a um só objetivo: Progredir, crescer, evoluir. Mas algo a apavora muito: perder sua liberdade.

A Entidade foi brilhante e mostrava grande habilidade em mudar repentinamente de opinião, cuidava bem de não jogar tudo numa só cartada. Só expunha um lado da sua dualidade podendo corrigir quando algo não saia como ela queria. Seduzia, prometia mas depois se esquivava se lhe pedissem para se comprometer a fundo. Muito flexível, muito inteligente, adaptava-se a tudo. Mas essa personagem inconstante, inatingível como uma coluna de ar, era uma pedra que rola e rola sem nunca criar musgo.

Na primeira parte desta vida a Entidade ainda se sentirá influenciada por estas características do passado. Aceitando convites e tarefas das mais variadas ao mesmo tempo e se reservando o direito de, na última hora,não atender àqueles que não atendiam aos seus interesses, desmarcando-os. Fazia corte a várias mulheres e quando aproximava-se de algum tipo de compromisso, pulava fora, não se comprometendo com ninguém. Quando casada, só comprometia a metade de sua personalidade no casamento.

No trabalho esse medo enorme de se comprometer criava grande instabilidade profissional: a Entidade passava de uma profissão para outra, mudando quando ficava farta. Seu gosto era de fazer pequenos trabalhos, que lhe rendiam toda a liberdade do que se aprisionar a uma carreira de verdade. Mas a idade de Júpiter (regente do seu Mapa) entre os 35-40anos, após ter viajado muito, tendo acumulado uma enorme experiência sobre os povos mais diversos e sobre as mais variadas técnicas, sentirá vontade de se dedicar totalmente a alguma coisa. Sairá de sua indecisão e utilizará então positivamente seus brilhantes dons e seu talento para a comunicação e para o ensino. Adquiriu, no passado, tão grande inteligência das situações, que vê sempre o dois lados de uma questão, de uma circunstância, de um ser humano. Tem o gênio das negociações e do comércio e terá sucesso com certeza. A Entidade será muito apreciada pela sua maneira versátil e de dar sempre um jeitinho em tudo, sabendo sair de uma encrenca como ninguém. Ainda exibe uma jovialidade muito grande e é capaz de aliviar tensos ambientes com sua grande capacidade de comunicação espalhando alegria em torno de si. Tem a tendência a viver sobrecarregada com muitas coisas para fazer e com muita gente em volta.

Mas saberá com a idade organizar seu tempo. A Grande Missão escolhida é a de se engajar num serviço de um ser ou de uma causa, a lealdade e a busca espiritual. Esta foi muito negligenciada, pois estava muito preocupada em adquirir conhecimentos e mais conhecimentos intelectuais e experiências práticas.

Na primeira parte desta vida dirão “ela é boa para tudo sem servir para nada”. Mas na segunda parte desta sua vida, os seus parentes dirão: enfim encontrou seu caminho!